O Feiticeiro de Terramar de Ursula K.Le Guin

12 março 2017


Eu confesso que li este livro influenciada pela Kimberlly (blog Último Romance) que no último encontro de blogueiros da Arqueiro disse que essa autora era maravilhosa... que tinha influenciado Neil Gaiman... que J.K Rowling disse que também tinha recebido influências deste livro para escrever Harry Poter... e blá blá blá...
Mas sendo muito sincera, tudo que eu senti lendo este livro foi sono.



A história começa com um menino que vê sua aldeia ser invadida por uma outra nação, e no meio da invasão, ele consegue conjurar um feitiço de neblina associada a um feitiço de disfarce, confundindo e repelindo o inimigo. Após este episódio, que comprova as habilidades e o poder do garoto, um mago aparece na aldeia para lhe dar o seu verdadeiro nome (as pessoas trocam de nome quando chegam a idade adulta) e o torna seu aprendiz. 
Cansado e não aprender nada com o velho mago que utiliza métodos nada ortodoxos de aprendizagem, como deixar o garoto passeando pela natureza ou fazendo voto de silêncio, o jovem aprendiz parte para uma ilha que possui uma escola de feiticeiros. 


Não. Não é Hogwarts antes que vocês perguntem...
Mas poderia ser. Tirando a segregação que existe, porque nessa escola não existem mulheres. Na verdade.... ao que parece, mulheres não tem a capacidade de se tornarem feiticeiras, visto que no livro elas são descritas com bruxas. Sabe aquela tia velha que sabe um monte de poções pra trazer o amado em 10 dias, ou que quando você fica doente ela te enche de chás fedorentos com ervas que você nunca ouviu falar na vida? Então... essas são as bruxas das aldeias e esse é o papel delas. 
Se tiver que enfrentar um dragão; um demônio; ou algo mais complicado, elas não tem a habilidade necessária para isso. 
Por que? 
Talvez porque elas não sejam aceitas na pseudo Hogwarts deste livro? (dãaaaa)
A verdade é que eu não sei. Só sei que não querendo parecer a feminista, mas sendo, as mulheres não são nada neste livro. Elas nem um papel de destaque tem. Todos os personagens importantes do livro são homens. 

Mas se é pra falar mal, a gente também tem que falar bem. O que falta de mulher, sobra de homens negros. Então, pelo menos alguma minoria conseguiu papel de destaque. 

Mas voltando a história do livro em si, o garoto tá lá aprendendo os segredos da magia, quando ele é desafiado por um rival (tipo Draco Monfoy, até a descrição do garoto... riquinho... loirinho... metidinho.... é idêntica) e ele resolve trazer o espírito de um morte de volta. 
Tanta magia pro garoto fazer, e ele resolve logo mexer com o submundo, né? Mas ok...

Não preciso dizer que vai dar treta, né? Ele acaba libertando um ser anamórfico, que quase o mata, e que irá persegui-lo pelo livro todo. O que é esse demônio? Não sabemos. Na verdade, não sabemos nem se é um demônio mesmo no início. Qual o nome dessa criatura? Pergunta mais difícil ainda...

O menino, que se chama Ged por sinal, cresce, se torna um jovem mago e é enviado a uma missão. mas quando ele sair da pseudo Higwarts estará por sua conta e risco, logo a criatura poderá ir atrás dele. O acaçador vira a caça, e Ged luta para tentar entender o que esta atrás dele e como ele poderia derrotar esse ser das trevas. 

Vejam bem que eu coloquei a palavra luta na última frase, mas não existe uma mísera luta neste livro. 
Após 105 páginas eu estava lutando para manter meus olhos abertos, e não era porque estava lendo à noite. Na verdade, era umas 15h da tarde. A questão é que o livro é cheio de palavras estranhas de lugares estranhos (como é a maioria das fantasia medievais, normal) e sem nenhuma grande aventura, Você acompanha o desenvolvimento dele, ele soltando o bicho e depois ele morrendo de medo do bicho. Basicamente é isso. 

Trata-se mais de uma jornada de autoconhecimento do que uma jornada do heroi, sabe? 
Até quando ele vai enfrentar o dragão (que tá na capa do livro), é uma coisa meio enfadonha. Você pensa: "Agora vai!!!"
Mas na hora, ele bate um papo amigável com o dragão e pronto. Problema resolvido. Só faltou um chá pra acompanhar esse bate papo. 

Sinceramente eu estou até agora me perguntando por que eu perdi meu tempo lendo isso. Devia ter permanecido na Julia Quinn... 


Editora: Arqueiro
ISBN-10: 8580415217
Ano: 2016
Páginas: 176

22 comentários:

  1. Oi Natalia, só rindo com essa história rsrs, primeira resenha que vejo dele que destaca os defeitos e gostei demais da sinceridade dela. Pelo que vi na resenha o livro é bem morno e os problemas que o protagonista enfrenta foram criados por ele mesmo, o monstro que volta pra assombrá-lo. A parte em que ele se torna aprendiz do mago me fez pensar em Karatê kid (nada haver né?!kkkk), pensei que deveria ter mais sobre as lições que ele estava achando bobas, mas pelo visto isso passa rápido e ele vai pra pseudo Hogwarts kkkkkk... Então, acho que apesar da capa ser bonita, o livro não iria prender minha atenção por conta dos pontos destacados :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A capa é linda, e tem até uma mensagem bonita por trás dessa história toda, mas cara...me deu sono acompanhar a trajetória desse pseudo mago. O que eu entendi, foi que influenciou a J.K na parte da jornada do heroi, onde no inicio o Harry meio que foge do Valdemort e depois ele percebe que não adianta fugir: vai ter que encarar de frente. Com esse protagonista é mais ou menos isso também.

      Excluir
  2. Oi Natalia, tudo bem?
    Esta é a primeira resenha negativa que eu leio sobre este livro, e foi muito bom poder ter visto a sua opinião, porque eu não sabia que as mulheres eram representadas desta maneira neste livro, e eu achei bem ofensivo. Agora estou curiosa para ler e ver o que eu penso sobre isso tudo.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Será que eu sou a única blogueira chata que não gostou do livro? Ou a única que teve coragem de dizer isso? #pensando

      Excluir
  3. Serio que você sentiu sono ao ler esse livro???
    Fiquei mega surpresa porque é historia que se espera bastante aventura e ação do inicio ao fim, sabe que sentia isso fiquei me perguntando constante o porquê. Eu fiquei curiosa em conhecer melhor ao obra por saber que J.K Rowling influência na criação de Harry Potter, mas ainda fiquei com pé atrás sobre o livro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A parte mais animada da parada, na minha opinião, é quando ele faz a névoa do mal pra barrar o avanço dos inimigos logo no início do livro, ou seja, quando ele desperta para o próprio poder. Depois os magos mais velhos ficam colocando na cabeça dele a parada do Peter Parker "com grandes poderes vem grandes responsabilidades" - e ele fica só estudando. Até a parte da luta com o dragão da capa é meio fraca, sabe?

      Excluir
  4. Apesar de não ler muitos livros do gênero, esse me deixou bem interessada.
    Uma pena você não ter curtido a leitura :(
    A história parece ser bem bacana, uma aventura e tanto.
    Espero conferir a obra em breve e tirar minhas próprias conclusões haha.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  5. Olá Nat!
    Eu já havia lido uma resenha desse livro, mas era bastante elogiosa e falava muito sobre como influenciou JK Rowling a criar HP, mas parece não ser nada de mais, talvez seja interessante para uma criança ou pré adolescente. E que chato esse negócio da tal ilha/escola de feiticeiros não aceitar mulheres, cheguei a pensar que no final do livro uma garota salvaria o dia e provaria que mulheres podem ter poder na hora de fazer feitiços também, mas acho q me equivoquei. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a influencia que a J.K. diz ter deste livro é a trajetória do heroi, que fica fugindo do problema até a hora que ele percebe que não tem como fugir e é melhor encarar de frente.

      Excluir
  6. Ai Nat!
    Me acabo de rir com seus comentários...kkk
    Como gosto de fantasia medieval e adoro a autora desde que li A mão esquerda da escuridão, há uns bons 30 anos atrás, quero muito fazer a leitura deste também.
    Como essa edição é um relançamento e o livro foi escrito há muitos anos, talvez por isso a história da segregação feminina...
    “Ouse saber!(Sapere aude)” (Immanuel Kant)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você vai ficar chateada se eu disser que vou passar longe de qualquer livro desta mulher?! Rsrsrsrs

      Excluir
  7. No começo do livro achei que era um livro maravilhoso, afinal, se J. K. tinha recebido influência dele, deveria ser maravilhoso, confesso que pela resenha ele me pareceu bem interessante, não entendi muito bem o porquê você não gostou muito, se foi a escrita da autora ou por não ter muito ação, mas fiquei com vontade de ler.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Porque me deu sono, e um livro que faz você ter sono enquanto lê não pode ser considerado bom. Livro bom é aquele que faz você virar a noite lendo. Ou que você acorda na manhã seguinte desesperado pra continuar a história. Eu queria apenas que o livro acabasse para que eu pudesse ir para uma história mais interessante.

      Excluir
  8. Oi.
    Adorei sua sinceridade.
    Eu curtir a premissa, porém acho que não curtiria o livro em si, também sou dessas que adora ler indicações porém na maioria das vezes os livros não são tudo o que falam, e apesar de ter gostado bastante não acho que seja um livro para mim.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  9. Deve dizer que estou bem desolada porque eu queria muito ler esse livro até porque tenho amigas que falaram muito bem dele mas a gente não pode ser basear muito nos gostos literários dos outros. Olha quando eu vejo essa capa eu imagina pelo menos uma grande aventura por parte do nosso protagonista com lutas e tudo mais e não uma viagem de auto-conhecimento. Bem não da pra agradar a todos não é? espero poder ler esse livro mesmo assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você queria muito ler o livro, deveria ler. Eu gosto de livros mais movimentados. Mas gosto é uma coisa pessoal...

      Excluir
  10. Oi Nathy, tudo bem?
    Eu curto muito as histórias que envolvem magia e tals, e esse com certeza é um fator que me faz querer ler o livro. Apesar de estar curiosa em relação a história e ter achado legal, essa obra está bem no fim da minha lista de leitura.
    Um dia quem sabe eu tomo vergonha na cara e leio né (rsrsrs).
    Beijos
    Quanto Mais Livros Melhor

    ResponderExcluir
  11. Oi, Nat!!
    Ri muito lendo a sua resenha!! Adorei a sua sinceridade!! Achei que esse livro teria muita ação pois a capa sugeri isso, mas pelo jeito me enganei!! Bom pelo menos agora sei que o livro não é tão maravilhoso assim é posso tirar ele da minha lista enorme de livros para serem comprados.
    Beijoss

    ResponderExcluir
  12. ri muito lendo sua resenha
    eu estou com medo de ler o livro da ursula, pq gente que eu conheço ficaram se perguntando pq falam tão bem dela. mas ambos disseram que podia ser um problema de expectativa que estava muito alta.
    mas eu acho que vou dar uma chance ao livro

    ResponderExcluir
  13. Tá aí um livro que nunca me chamou a atenção.
    Tô nem aí (na verdade duvido) que tenha inspirado a J.K. mas né, já que falaram tá falado eiuheiuehe
    e pelo menos uma das minorias foi privilegiada né ¬¬ detesto quando tem pouca ou nenhuma mulher nos livros
    blé

    bjos

    ResponderExcluir
  14. Oi!
    Tinha visto alguns comentários sobre esse livro e que era uma historia mais antiga que tinha influenciado alguns autores, mas lendo as resenhas não fiquei nada animada para ler essa historia, ela não me chamou atenção e parece ser uma historia bem parado, esse não é um livro que irie ler !!

    ResponderExcluir