A Dama do Crime #LendoAgatha

14 abril 2019


Hoje eu pretendo contar a vocês a história da autora que eu idolatro: Agatha Christie. Então, senta que lá vem história, e essa é das boas!!! 

UMA HISTÓRIA DIGNA DE LIVRO

Agatha Mary Clarissa Christie nasceu em 15 de setembro de 1890 em Torquay no extremo sul da Inglaterra.


Agatha  na infância
Agatha começou a desenvolver sua paixão pela leitura lendo os romances de Sr. Arthur Conan Doyle, autor de Sherlock Holmes, com a irmã Marge quando ela tinha apenas 5 anos. Marge desafiou Agatha a escrever sua própria história de detetive, e vejam no que isso deu...

A mãe de Agatha queria que a filha começasse a estudar antes dos 8 anos de idade, mas, como ela era a única criança que ficava em casa, ela começou a ler aos 5 anos.
Quando ela tinha 5 anos, a família passou um tempo na França, onde ela aprendeu o francês com a "governanta" da casa. Porém, quando ela estava com 11 anos o pai dela faleceu e a família passou por algumas dificuldades financeiras. Aos 16 anos, Agatha começou a aprender uma de suas paixões: o piano.
Ela poderia ter sido uma pianista profissional, porém, era tímida demais para isso.
A jovem Agatha cresceu...e durante a Primeira Guerra Mundial, ela trabalhou no hospital da Cruz Vermelha em Torquay, primeiramente como enfermeira e depois como assistente de farmácia, onde ela desenvolveu uma curiosidade sobre remédios, poções e venenos. Um conhecimento muito utilizado por ela em seus livros posteriormente.... afinal, mais da metade dos seus romances possuem algum tipo de loção, poção ou veneno no enredo. 



Agatha Christie foi enfermeira durante a
 Primeira Guerra Mundial - fonte The Telegraph


Documento com o alistamento de Agatha a Cruz Vermelha de outubro de 1914 a setembro de 1918 - Arquivo pessoal


Archie Christie 
Quando a guerra estourou em 1914, Agatha conheceu um jovem chamado Archie Christie, que tinha acabado de ser aceito para a RAF (Royal Air Force), a Força Aérea Real, e estava indo para a França como piloto. 
Na véspera do Natal de 1914, eles se casaram em Paris, apenas com a roupa do corpo, enquanto Archie estava de licença da frente de batalha. Durante a Guerra, Archie foi promovido diversas vezes e virou coronel e em 1918 ele foi condecorado com a Distinguished Service Order e em 1919 foi condecorado com a Companion of the Order of St Michael and St George (CMG). 
Ambas são usadas para honrar a indivíduos que tenham feito importantes serviços para a Commonwealth ou às nações estrangeiras. Para termos uma ideia da importância disso, o famoso espião James Bond, criado por Ian Fleming, recebeu a mesma honraria em um dos seus livros (Moscou contra 007 - 1963). 


Em 5 de agosto de 1919 nasce sua única filha: Rosalind Margaret Clarissa Christie. 
Agatha e Rosalind
Em 1924, Archie foi convidado a viajar pelo mundo como gerente de negócios de uma companhia inglesa. E assim, Agatha e Archie conheceram durante 10 meses o Canadá, Havaí, Nova Zelândia, Austrália e a África do Sul. Em 1925 Agatha comprou sua primeira casa, e batizou-a de "Style House". Isso lhe sugere alguma coisa? Sim! É o nome do primeiro livro dela!

Na verdade, as casas de Agatha Christie  ao longo da vida foram inspiração de diversos livros da Dama do crime. Greenway, a casa de veraneio da família Christie, na ilha de Burgh, foi cenário para uma de suas histórias mais famosas: O caso dos dez negrinhos. 




Casa da Agatha

Porém, pouco depois da guerra, Archie revelou a Agatha que estava apaixonado por uma amiga do casal: Nancy Neele, a secretária do chefe de Archie. 
Agatha nunca havia imaginado que poderia se separar do marido. Quando ela chegou em casa no dia 3 de dezembro de 1926 e descobriu que Archie tinha feito as malas e partido para uma festa na casa de amigos com Nancy, ela pegou seu carro  por volta das 22h e desapareceu. 
Na manhã do dia 4 de dezembro seu carro foi encontrado no lago de Silent Pool em Newlands Corner, com os faróis acesos. Dentro do Morris Cowley verde foram deixados um casaco de pele, a sua mala e uma carteira de motorista vencida.O desaparecimento da autora virou manchete em todos os jornais. 
A polícia ofereceu £100 para quem tivesse qualquer informação sobre a autora. Aviões, mergulhadores e escoteiros buscavam por Agatha - ao todo a busca teve a ajuda de 15.000 voluntários. Inclusive, foi a primeira vez que mobilizaram aviões pra procurar alguém. 

Aqui começa a parte mais misteriosa da vida da autora...
No livro "The world of Agatha Christie" (1999) ainda sem tradução no Brasil, o autor Martin Fido afirma que na semana de seu desaparecimento Agatha enviou uma série de cartas desencontradas, onde diziam que ela iria para Yorkshire, e para outras pessoas dizia exatamente o oposto. 

Onze dias se passaram até que descobrissem o paradeiro de Agatha. Ela estava hospedada sob o nome de Teresa Neele (o mesmo sobrenome da amante do marido?! É...o mesmo.) no Hydropathic Hotel (hoje Old Swan Hotel), em Harrogate. Agatha chegou lá de táxi no dia 4 de dezembro carregando apenas uma mala. No hotel, Agatha foi vista dançando, jogando bridge, fazendo palavras cruzadas e lendo jornais. A autora foi reconhecida no hotel pelo músico Bob Sanders Tappin, que reivindicou a recompensa de 100 libras. Sanders disse que se dirigiu à autora como "Mrs. Christie" e que essa respondeu-lhe, mas disse que estava sofrendo de amnésia
Mas você acha que acabou o mistério? Não! 
Algumas pessoas acreditam que ela teve um surto, já que ela chegou a divulgar um anúncio no The Times dizendo que Teresa Neele procurava parentes e amigos da África do Sul, país onde sua irmã Marge morreu em 1923. Estranho? Um pouco...
Outros defendem que tudo não passou de um golpe publicitário para aumentar a venda de The Murder of Roger Ackroyd (O assassinato de Roger Ackroyd) que foi lançado algumas semanas antes do desaparecimento.  A terceira teoria  diz que ela fez tudo isso para se vingar de Archibald, simulando sua morte para que o marido fosse acusado de assassiná-la. Vamos falar a verdade? Isso sim, é a cara da Agatha!!! E pra finalizar  tem os que dizem que a autora realmente sofreu um acidente de carro e perdeu a memória. Eu fico com a terceira opção...
A verdade é que quase não temos informação sobre o episódio de seu desaparecimento, porém, acredita-se que, em "O Retrato", publicado sob o nome de Mary Westmacott, Agatha conte muito da sua história através da personagem Celia, que pensa em suicídio após ser abandonada pelo marido.


O filme "Agatha"de 1979 tenta explicar este período da vida da autora com Dustin Hoffman no papel de Archie e Vanessa Redgrave no papel de Agatha Christie. 




Agatha nunca mais voltou a falar com Archie, a ponto de Mathew Prichard, neto de Agatha, ter crescido acreditando que Max Mallowan, o segundo marido dela, era seu verdadeiro avô. 


“She avoided the subject of the [First World] war altogether, because that was when my grandfather was alive.” - Pichard

"Ela evitava falar sobre a Primeira Guerra porque era quando meu avô estava presente". - Pichard

Agatha voltou a se casar em 1930 com o arqueólogo Max Mallowan, que era 14 anos mais novo do que ela. (Danadinha...rsrsrs) 
A convivência com um arqueólogo possibilitou que Agatha aprendesse muito sobre o assunto e vários livros são baseados nas viagens que ela fez ao lado do marido, como Morte no Nilo, Assassinato em Bagdá , entre outros. O casamento com Mallowan duraria até sua morte em 1976, aos 85 anos. 
Agatha manteve o sobrenome Christie, pois já estava conhecida por este nome entre seus fãs.  

Hoje, o legado de Agatha é administrado pelo neto dela, que raramente é visto. Em uma das poucas entrevistas que encontrei dele, ele conta como era a avó. Clique aqui para assistir a entrevista concedida ao canal Itv (em inglês) 

UMA COLEÇÃO DE RECORDS


É a romancista mais bem sucedida da história tendo vendido mais de quatro bilhões de cópias ao longo dos séculos XX e XXI, ficando atrás apenas do dramaturgo e poeta William Shakespeare e da Bíblia. Seu livro "Ten Little Niggers", traduzido originalmente no Brasil como "O caso dos dez negrinhos" vendeu mais de 100 milhões de cópias e é até hoje a obra policial mais vendida da história, e um dos dez livros mais vendidos de todos os tempos. A própria autora admitiu que  esta foi a obra mais difícil de escrever em toda a sua carreira. Em 1971, foi condecorada pela rainha do Reino UnidoElizabeth II, com o título de "Dame" (Dama) do Império Britânico, uma honra que consiste no equivalente feminino ao sir.

Ela está no Guinness Book of World Records, como a autora mais vendida no mundo: seus livros já venderam mais de 4 bilhões de cópias em 103 idiomas e os royalties gerados pelas obras são de US$ 4 milhões por ano. A autora também ocupa um lugar no Guinnes pela peça teatral de maior duração do mundo: The Mousetrap estreou em 25 de novembro de 1952 no Ambassadors Theatre em Londres, em 25 de março de 1974 foi para o St. Martin's Theatre, e continua lá até hoje. Agatha Christie, que achava que a peça não ficaria mais de oito meses em cartaz, exigiu que a história não fosse publicada no Reino Unido enquanto o West End ainda a acolhesse. E sua exigência foi cumprida, embora o mistério já tenha figurado nas páginas do livro The Three Blind Mice and other stories, nos Estados Unidos e em outros países.
No Brasil existe um exemplar raríssimo de A Ratoeira, que só é encontrado em sebos atualmente. 


Outro recorde de Agatha Christie é o do livro mais espesso do mundo, medindo mais de 30 cm, com 4032 páginas nas quais estão incluídos todos os 12 romances e 20 contos protagonizados por Miss MarpleThe Complete Miss Marple é um dos livros mais raros da escritora. Publicado pela Cedric & Chivers Period Bookbinding, o livro é em sua maior parte de couro, com ouro em algumas partes, e dezesseis páginas feitas à mão. Foram produzidos apenas 500 volumes, e o livro é vendido por 1000 libras. O livro tem também um mapa de St. Mary Mead, a aldeia fictícia onde Miss Marple viveu, elaborado por Nicolette Caven (baseando-se na descrição dada por Agatha em Um Corpo na Biblioteca, e em detalhes adicionais fornecidos por outros romances de Agatha), uma introdução de Kate Mosse, contando como Agatha "descobriu" Miss Marple, e um prefácio de Mathew Prichard, o neto de Agatha, que escreveu:

"Ao longo dos anos, todo mundo me disse que isso nunca poderia ser feito - coletar todas as histórias de minha avó sobre Miss Marple em um único volume. Assim, embora este livro seja, em termos de publicação, um marco, ele também simboliza o carinho que o público, tanto na Grã-Bretanha quanto em outros lugares, tem por Miss Marple. "

Fontes: 
http://www.telegraph.co.uk/culture/books/11092925/How-WW1-shaped-Agatha-Christie-and-Poirot.html
http://agathachristie.wikia.com/wiki/Archibald_Christie
http://www.agathachristie.com/about-christie/in-her-own-words
https://pt.wikipedia.org/wiki/Agatha_Christie
http://www.englishriviera.co.uk/agathachristie
http://mapadelondres.org/agatha-christie-em-londres/
http://www.itv.com/news/west/update/2014-09-17/agatha-christies-grandson-tells-us-his-memories/
https://literaturapolicial.com/2014/09/20/as-memorias-do-neto-de-agatha/

8 comentários:

  1. A autora de fato pode ser considerada uma mulher a frente do seu tempo.
    Desde a infância, já dava sinais de que era uma criança diferente... Inteligente!
    Dos livros que li de Agatha Christie, não me decepcionei com nenhum.

    Quanto ao seu desaparecimento, também acho que ela estava planejando uma vingança. Quem pode culpá-la?
    A deslealdade é triste!
    Massss a danada deu a volta cima, e continuou mostrando ao mundo a que veio,foi o melhor da história.


    Eu gostei bastante da postagem. A vida da autora foi muito interessante!

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Olá Natália!
    Já sabia que Agatha Christie tinha um histórico incrível como escritora imortalidade, mas essa novela sobre o seu desaparecimento é simplesmente muito louca! Dá pra perceber que a autora possuía uma mente ousada e super criativa, não sendo surpresa seu talento natural para tramas mirabolantes que deixamo o leitor sedendo por respostas. Enfim, só podemos venerar essa mentre brilhante.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca tinha ouvido falar sobre esse episódio na vida da Agatha. Muito misterioso, bem a cara dela.
    Quando comecei a minha vida de leitora (muitos anos atrás), ainda adolescente, li alguns livros dela. Assassinato no Expresso Oriente, Assassinato no campo de golfe. Depois parei. Sinto muita vontade de retomar e ter o prazer de ler todos os livros da dama do crime. Agora, conhecendo um pouco mais da vida dela, vai dar para ler com mais verdade os seus livros.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Definitivamente a autora é uma lenda, seus livros são sucesso entre a maioria dos leitores, eu mesmo tive mais contato com sua escrita durante meus tempos de escola. Mas só recentemente é que fui pesquisar um pouco sobre sua história e fiquei impressionada com seus feitos e até mesmo esse suposto surto/amnésia/vingança que ela teve.

    ResponderExcluir
  5. Quem nunca ouviu falar sobre Agatha Christie né...certo no meu caso é o máximo que eu sei sobre ela é o que ouvir por alto sobre ela mesmo kk
    O que é uma vergonha porque gente eu já vi tantos livros dela pelo Skoob, mas na verdade nunca nem parei para ler alguma das sinopse dos livros dela, então sim eu conheço algumas obra dela mas só pela capa mesmo.

    Porem gostei de saber mais sobre ela, mesmo não lendo nenhum dos livros dela ainda, não tem como ela não ser uma escritora maravilhosa com tantas coisas positivas sobre os livros dela que eu já li. Espero ter oportunidade de algum dia ler algum dos livros dela.

    ResponderExcluir
  6. Nat!
    A própria história da autora daria um livro cooncorda?
    Mas ela foi uma mulher de superação e soube muito bem levar sua vida adiante com genialidade e nos brindou com seus livros fantásticos!
    Sou grande fã da Rainha.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  7. Adoro os livros de Agatha Christie, pelos menos os que li. Não conhecia muitos dos detalhes sobre sua vida, principalmente essa parte do casamento e todo esse mistério do desaparecimento. Acredito que tenha sido milimetricamente planejado pela dama do crime. Quero ver esse filme também, não conhecia.

    ResponderExcluir
  8. De cara tenho que confessar que minha primeira e até então única experiência com um livro da Agatha não foi das melhores. Li Assassinato no expresso do oriente e achei chato, leitura cansativa, embora a trama muito bem entrelaçada. Logica que mulher é uma fera no suspense e que o problema sou eu, por isso já andei me informando e que devo ler o caso dos 10 negrinhos para mudar minha opinião (aceito novas dicas). Mas, agora, o modo Como tu contou sua história, que de longe é parada ou cansativa, meu Deus é de admirar sua trajetória. Não sabia do filme, mas ja estou providenciando para assistir. Adorei esse post.

    ResponderExcluir