The man who killed Don Quixote

11 abril 2018


Você já ouviu falar do filme The man who killed Don Quixote, ou aportuguesando "O homem que matou Don Quixote" de Terry Gillian? 

Pense em uma produção onde tudo que poderia dar errado deu. Pois é... é este filme aqui. Por que? 
Porque sua produção começou em 1998 e até hoje não foi totalmente finalizada. Inicialmente, a obra contaria com a participação de nomes como Johnny Depp e Ewan McGregor, mas ambos já abandonaram o projeto devido ao atraso monstruoso e, é claro, suas agendas pessoais. 

Terry Gilliam e Tony Grisoni decidiram criar a sua própria versão da história de Quixote, incluindo uma mudança importante que foi inspirada no romance A Connecticut Yankee in King Arthur's Court do escritor estado-unidense Mark Twain. A história gira em torno de Toby Grisoni, um publicitário do século XXI que viaja no tempo e acaba virando o Sancho Pança de Don Quixote e se surpreendendo com as loucuras de nosso nobre cavalheiro. 
Reparem que o sobrenome do personagem é o mesmo de um dos diretores do projeto. Licença poética para se imortalizar na própria obra? É o que parece...

Em 2017, quase duas décadas depois, as filmagens finalmente começaram e, recentemente, foi divulgado o primeiro trailer do filme. 



Porém, se você acha que os problemas acabaram e que finalmente poderá ir ao cinema conferir essa história, sente-se pois lá vem mais treta. 

O filme teve sua data de estreia adiada pela justiça e, consequentemente, não poderá ser exibido no Festival de Cannes.

Quando o produtor Paulo Branco comprou os direitos de autor/diretor da trama de Dom Quixote através de sua empresa Alfama Films, a ideia era que, em troca, o produtor mantivesse a data da filmagem em outubro de 2016 e respeitasse as decisões artísticas de Terry Gilliam. Mas como você pode imaginar, isso não ocorreu. 
Gilliam decidiu produzir o filme com outra produtora e Branco não ficou nem um pouco contente com isso, mesmo não tendo cumprido com sua parte do acordo de começar as gravações em 2016... afinal, as gravações só começaram quase 6 meses depois com a nova produtora. 

Branco pede uma indenização de 3,5 milhões de dólares, que Gilliam se recusa a pagar, visto que  (tecnicamente) ele não produziu nada do filme. 
Façam suas apostas meninos e meninas. Quem vocês acham que ganhará esta disputa judicial? E o mais importante... quanto tempo mais levará para vermos este filme nos cinemas? Esperamos que não leve mais 20 anos... #oremos



0 comentários:

Postar um comentário