Quinze Dias

04 junho 2018

Quinze dias na luta contra a gordofobia 


Confesso que quando soube que o Vitor Martins, autor de Quinze Dias, ia lançar um livro eu logo pensei: 

"Pronto! Mais um youtuber que resolveu escrever um livro sem ter nada de fato pra contar? La vem mais uma biografia vazia?"

Mais eis que para minha surpresa, era um livro de ficção!! 

"Ahhhhh! Agora sim eu vi valor!!!" 

Fui pra Bienal disposta a comprar o livro do Vitor, fiz uma entrevista com ele para o Perdida na Literatura que você pode conferir abaixo e... não comprei o livro. Por quê? Porque depois de terminar a entrevista, quando deveria pegar meu exemplar e ir pro caixa pagar, surgiu Rodrigo Hilbert no stand da editora e o local ficou insuportável em 30 seg. Logo, eu fugi dali como se o diabo tivesse aparecido na minha frente, deixando o livro e só percebendo que não tinha voltado no stand da editora quando já estava em casa. 
Solução: Comprar o ebook no kindle.


Mas qual a história do livro? 
Vitor Martins nos apresenta a história de Felipe, um garoto muito tímido, gay e gordo. 
Como a maioria dos adolescentes que estão acima do peso, ele tem vergonha de seu corpo e vive meio recluso, basicamente tendo como amiga sua mãe e indo de casa para escola e de volta pra casa. 
As férias do colégio chegam, e Felipe esta muito feliz com isso, pois significa que poderá parar de se preocupar com os colegas do colégio lhe enchendo o saco com piadas de mau gosto e se suas roupas revelam alguma parte indesejada de seu corpo avantajado. 
Mais eis que para sua surpresa, ao chegar em casa achando que começaria suas férias libertadoras, ele é informado pela mãe que seu vizinho (e também crush de infância) ficará 15 dias em sua casa, pois os pais deles irão viajar e não querem um adolescente sozinho em casa. 
#nadadefestas

Eles eram amigos de piscina do condomìnio quando pequenos, mas quando Felipe começou a sair da fase "que fofinho" para a "você esta engordando, deveria fazer uma dieta", ele passou a ter vergonha de mostrar seu corpo na piscina e assim a amizade enfraqueceu. Pra piorar a situação, o crush é gatinho e magro. Ou seja: o completo oposto do que Felipe acha de si mesmo. 

Qual é o ponto positivo da história? 
O ponto positivo é que é muitoooo difícil ter um livro que traga à tona o debate da gordofobia. Eu, puxando pela memória, lembro de um - Jantar Secreto do Raphael Montes - livro e mesmo assim, não é de um prisma positivo. 
Então, ter um livro que mostra exatamente como as pessoas acima do peso se veem; o que sentem ao serem olhadas com nojo pelos outros; os problemas psicológicos que isso traz a pessoa; é ótimo! Precisamos de mais livros assim! 
Precisamos de mais livros com representatividade! Pois a grande maioria da população, esta acima do peso, e não se vê representada nos personagens lindos, fortes e sarados da maioria dos livros. 

Ok... mas então qual é o ponto negativo? 
O ponto negativo é que a partir do momento que o crush coloca os pés na casa de Felipe para começar sua estadia, você já sabe o rumo que a história irá tomar. Não tem surpresa. Eu poderia muito bem ficar com uma história de fortalecimento de laços antigos de amizade e o debate sobre a gordofobia. Mas não... tinha que cair pro clichê do romance. 

Para um primeiro livro, é louvável! Mas eu confesso que esperava mais justamente pelo fato do autor estar inserido neste universo literário (ele tem vários amigos booktubers que devem ter lido e relido a obra várias vezes). Ninguém teve a coragem de lhe dizer que estava caindo num clichê e que ele tinha muito potencial pra conseguir um final melhor? 
Bem... se seus amigos não lhe disseram isso, eu digo. 

Você tem potencial como escritor. Quero ler outros livros! Mas se você se propõe a escrever um livro para debater um assunto como esse, não deixe que o romance tome a história pra si. Assuma que é um livro pra dar porrada na sociedade e fazer pensar e foda-se o romance. 
#ficaadica

0 comentários:

Postar um comentário