Como ter uma vida criativa?

07 janeiro 2019


 A Grande Magia

Ser criativo hoje em dia não é uma qualidade exaltada em alguns poucos indivíduos... ser criativo deve ser uma premissa. 

Entre em um desses sites de procura de emprego, e verá que na descrição de qualquer vaga que ela esta lá: a exigência de que a pessoa seja criativa. 

Sim, virou uma exigência. Como ter inglês e/ou um diploma de nível superior. 

Então, caro leitor, não tens como escapar: você vai ter que dar um jeito de ser uma pessoa criativa. 

Mas o que é a criatividade? Onde vive? O que come? 

Para muitas pessoas, ser uma pessoa criativa esta associada a você ser um gênio. Mas, talvez essa associação esteja um pouco equivocada e ao invés de você ser um gênio, talvez você tenha um gênio. Confuso? 

Segundo Elizabeth Gilbert, autora de "Comer, Rezar e Amar" e de "Grande Magia", a criatividade ou a arte (como você preferir chamar) é uma musa; um ser cósmico que fica vagando por aí esperando uma oportunidade de conseguir um canal direto com você, de forma a influencia-lo (a) e dessa forma ganhar vida. 

Se você estiver preparado, de olhos e ouvidos atentos, você irá ouvir seus sussurros. Deixe-se levar pela inspiração dela e faça seu trabalho. 

Portanto, não é que você SEJA UM GÊNIO, mas sim que você foi POSSUÍDO por um gênio. Você já deve ter ouvido várias vezes algum artista dizer que sentia-se como se tivesse sido possuído por aquela obra; que não conseguia parar até finalizar aquele trabalho; que não conseguia pensar em nada além daquele trabalho. Pois é.... é mais ou menos por aí... 

Mas não precisa chamar nenhum padre exosrcista...
Ao terminar o trabalho essa musa pode ficar ao seu lado para outro projeto; mas também pode seguir seu caminho para encontrar outro artista para uma nova avetura.

Como encontro a criatividade? 
Ainda segundo Elizabeth Gilbert, o importante é que você mantenha-se sempre em movimento. Isso vai de encontro a uma célebre frase de Pablo Picasso: 


Esta passando por um bloqueio criativo enquanto escreve seu novo romance? Vá fazer alguma coisa. Qualquer coisa. 
Não tem nenhum projeto em andamento no momento? 
Tudo bem, só responda: "O que você tem um mínimo interesse?" 

A autora conta que estava sem ideias para uma nova obra, e se fez essa mesma pergunta. 
Ela percebeu que tinha um jardim na casa que nunca tinha dado a mínima atenção. Resolveu que iria cuidar do jardim. Porém, ela começou a pesquisar quais flores ela já possúía naquele local. De onde elas tinham vindo? Qual a história delas? Qual o nome de cada uma? Com isso, ela acabou se aprofundando em botânica e quando percebeu estava estudando sobre botânicos do século XIX que  deram origem a um romance cujo o presonagem principal é um desses botânicos. 
Sem perceber, um interesse bobo tornou-se uma de suas obras. E tudo começou com um jardim mal acabado. 

É por isso que quando você esta sem critividade, o conselho que todo mundo te dá é: Vá mais a exposições; teatros; concertos e tal. Saia da sua zona de conforto e descubra algo que você até então não tinha interesse, ou que não tinha nenhuma relação com a sua arte. 
Só o fato de você descobrir um novo interesse, já dará uma oxigenada em você, pois a arte anda de mãos dadas com outro carinha: a curiosidade. 

Curiosidade? Ou um dom?

Se você acha que os grandes gênios da humanidade eram pessoas que possuíam um dom nato, pense de novo. 
Um dos maiores gênios da história - Leonardo Da Vinci - era engenheiro, anatomista, pintor  e astrólogo nas horas vagas. Sabe-se lá Deus como ele tinha horas vagas...
A questão é que temos essa percepção equivocada de que as pessoas nascem com um dom; com uma vocação para determinada área ou trabalho. Mas todo nós somos pessoas multipotenciais. 
Só que algumas pessoas desenvolvem melhor isso do que outras... 

"Os guardiões da alta cultura tentarão convencê-lo de que as artes pertencem apenas a uns poucos eleitos, mas estão errados, e, além disso, são uns chatos."

O que é uma pessoa multipotencial
Uma pessoa multipotencial é aquela que consegue atuar bem em várias áreas, ou tem várias habilidades que não necessariamente são complementares. Pelo menos não de cara. 
Leonardo da Vinci é um belo exemplo, ele pegou o conhecimento de anatomista para trazer ainda mais realismo as suas pinturas. 
Pintura e anatomia, naquela época, não eram vistas como áreas complementares. Uma era arte; a outra uma ciência. Entendeu? 

Todos temos multipotencialidades escondidas em nós. Viver criativamente é ter coragem de se lançar à procura dessas multipotencialidades escondidas; é viver uma vida mais motivada pela curiosidade do que pelo medo. 

Seja curioso e a criatividade aparecerá. 

Mas eu não tenho medo de nada! 
Tem sim! Quer apostar? 

1. Você tem medo de ser rejeitado, criticado, ridicularizado, incompreendido - pior de tudo - ignorado; 
2. Você tem medo de não haver mercado para a sua criatividade e, portanto, de não haver sentido em correr atrás dela. 
3. Você tem medo de que alguém já tenha feito melhor. Todo mundo pode ter feito melhor! 
4. Você tem medo de não ser levado a sério. 
5. Você tem medo de que alguém vá roubar suas ideias e, por essa razão, acha melhor mantê-las escondidas para sempre no escuro. 
6. Você tem medo de um dia olhar pra trás e ver que seus esforços criativos foram uam enorme perda de tempo, empenho e dinheiro. 
7. Você tem medo de estar velho (a) demais para começar. 

Posso continuar listando vários medos que impedem você de ter uma vida criativa, mas acho que você já conseguiu entender o cerne da questão, né? 

Não planeje muito. Simplesmente faça! 

"A maioria dos artistas são pessoas impulsivas que não tem costume de planejar com muita antecedência. Artistas, por natureza, são apostadores. Apostar é um hábito perigoso. Mas sempre que você cria arte, esta apostando. Está lançando os dados e torcendo pela chance remota de que o investimento de tempo, energia e recursos que esta fazendo agora traga grandes retornos mais tarde - torcendo para que alguém compre seu trabalho e para que consiga alcançar o sucesso." 
E faça com consistência.

"A vida tem uma regra simples e generosa: você melhorará em tudo aquilo que praticar. (...) E se você se dedica a qualquer coisa de modo diligente durante dez anos acaba se tornando um especialista."

Sim, é difícil criar. Se fosse fácil todo mundo estaria fazendo, né? E sim, vai ter altos e baixos...

"Tudo tem seus altos e baixos. Você só precisa decidir com que tipo de baixos esta disposto a lidar. Então a questão não é tanto "O que você ama fazer", mas sim "O que você ama fazer o suficiente para conseguir suportar os aspectos mais desagradáveis do trabalho?" 

"Porque se você ama e quer algo o suficiente - o que quer que seja - não se importa em comer o sanduiche de merda que vem de quebra. Se você realmente quer ter um bebê, por exemplo, não se importará com o enjoo matinal. Se realmente quer ser um sacerdote, não se importará em escutar os problemas dos outros."

Qual é o seu sanduiche de merda que você esta disposto a comer pela sua arte?  O que você ama tanto fazer que as palavras fracasso e sucesso essencialmente se tornam irrelevantes?
E lembre-se:

"Feito é melhor do que perfeito". 

3 comentários:

  1. Nat,
    QUE POST!!!! AMEI!!
    Bem, não sou escritora e nem pretendo ser, simplesmente por não ser minha área, mas vejo tantos autores nacionais, que se retraem por conta de uma ou duas críticas, infelizmente. É engraçado, um comentário negativo apaga 100 positivos né?
    Eu, no máximo, escrevo cartas, bilhetes, entre outros para meu namorado, isso sempre gostei de fazer, e sempre tive inspiração e imaginação, deve ser o amor, rsrs.
    Realmente achei de extrema importância tudo o que citou!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Elizabeth Gilbert parece descrever bem sobre processos criativos e a própria criatividade. Estou interessado na leitura de Grande Magia há muito tempo e essa resenha repleta de comentários positivos sobre a obra me deu ainda mais curiosidade, nada mais real que a realização de outras atividades para motivar nossa curiosidade.

    ResponderExcluir
  3. É verdade!
    Para ser criativo,basta pelo menos tentar sair da nossa zona de conforto e se reinventar. Também não acredito que somente os gênios são capazes e criativos.
    E criatividade está em qualquer profissão. Basta ser diferente... Basta fazer a diferença.
    Medo todos nós temos. Mas se não tentar, como saber se tudo dará certo?
    Temos medo de ser taxada(os) de ridícula,louca,de já não sermos tão jovens...
    Potencial temos,basta encontrar o caminho,o que nos dá prazer.
    Talvez aí esteja o grande segredo. ;)

    ResponderExcluir