O Segredo do Conde

08 fevereiro 2019


"O coração era um amante cruel, sempre esperançoso" Pg. 162
Quando finalizei a leitura do "Codinome Lady V", percebi que a próxima leitura, da série, seria a respeito de Edward e Julia, pensei:
" Algo errado não está certo?!?!" 
- Júlia é casada com o irmão gêmeo do Edward!!!

Fiquei ansiosa para ler este livro. Queria saber como a Lorraine iria construir e fortalecer essa conexão.
" O Segredo do Conde" despertou "ou amor ou o ódio" em meio aos que leram.
Contudo, mais uma vez Lorraine Haeth veio bombardeando tudo e mostrando a força das palavras.


Então, venham comigo!
"(...) Eu o convenci a ir comigo porque queria uma última viagem juntos. Fui egoísta. Eu queria que meu irmão me pusesse à frente dela e isso custou a vida dele. Agora, tudo que posso fazer é lutar para que isso não custe também a vida do filho dele. Foi tudo que restou do meu irmão. Eu daria tudo para que o corpo que foi enterrado naquela cova fosse o meu, e não o dele. Mas isso eu não posso mudar. Então só me resta a capacidade de manter a promessa que fiz a ele. Não importa o preço a pagar, não importa que pareça loucura, eu não consigo pensar em nenhum outro modo de fazer com que Júlia não perca o bebê (...)" Pg.18





Imaginem, participar do próprio funeral;
Observar, se a sua vida teve ou não significado;
Compreender, o valor que te davam;
E, é assim que começa este enredo.







A história transita em alguns núcleos:
  •  do luto, ao nascimento; 
  •  da angústia, a paz;
  •  da dúvida, a certeza.
Nada ocorre da noite para o dia.
Meu amor, é complexo este romance. Sabe porquê???
Enquanto no primeiro livro o foco era nos diálogos. Afinal, esse era o ponto forte do Ashebury. Neste, segundo volume da série, são as emoções.
E vou te diz " CARAMBA, LORRAINE! TINHA QUE PEGAR A MINHA MENTE E O MEU CORAÇÃO E DANÇAR EM CIMA DELES? TINHA. TINHA MESMO! E, FOI BRILHANTE!

" Eu sempre encarei a responsabilidade pelos outros como um fardo, enquanto ele parece gostar da incumbência. Parece - me que algo além de sair primeiro do ventre deveria determinar quem herda um título." Pg.163
Após um trágico acidente Edward ocupa o lugar de seu irmão Albert, o Conde de Greyling, até que Júlia traga o herdeiro à vida. O que poderia ser um tarefa prática, se torna intricada, profunda e desafiadora.

Júlia Alcoolt é o tipo mocinha de romances de época. Foi instruída a ser a mais perfeita boneca de porcelana. Porém, forte e corajosa, em outras palavras, à frente de seu tempo. Contudo, na fase de luto ela se permite evoluir para se adaptar as mudanças de seu marido. Começa a vivenciar liberdades e o arrebatamento das próprias convenções.

Já a personalidade de Edward é de um típico libertino. Mas com um coração que o transforma em um guerreiro para defender quem ele ama. Ele se afunda em vícios para camuflar suas fissuras emocionais. E ao se colocar no lugar de Albert, o primeiro passo é abrir mão dessas fugas e realmente começar a enfrentar e tomar posse de suas responsabilidades. Gente , eu fiquei impressionada com o modo que ele se desenvolve. E como este começa a visualizar a dádiva da vida e da família.
"(...) - Eu nunca planejei tomar nada disso. Minha intenção era lhe contar tudo assim que a criança nascesse.
- Assim que a criança nascesse? Já faz seis semanas! O que diabos você estava esperando?
- Deixar de amar você." Pg.155
O foco é a rotina do casal, a descrição de como um percebe o outro, os sentimentos destas percepções, as frustrações em relação ao que esperar, as surpresas nas ações que ocorrem.
Me dava pavor em pensar que a escritora pudesse cair desta "corda bamba". Mas Lorraine foi esplêndida, ousada, trabalhou um tema arriscado com uma sutileza fantástica. Pois cada capítulo era uma emoção a flor da pele diferente. Um amor que demandou tempo. Ela apresentou Albert e Edward, sem apontar erros e, sim, as características distintas. Ed, conheceu mais seu irmão pelas visões que Júlia compartilhava e isto, fez com que ele se desenvolvesse muito. Eu não via " doce" de nenhum dos lado envolvidos, via o respeito ao que um descobria do outro.

Primeiro, eu queria saber como Edward iria contar a Júlia a verdade. Mas com o avanço das páginas, o meu receio era como se desabrocharia após a verdade ser revelada. Inúmeras vezes, me questionava se não haveria um possível final feliz decente. Mas, toda vez que este pensamento vinha, acontecia algo que me acalentava a alma.
E o desfecho foi épico, porque me levou a acreditar que uma pessoa pode amar mais do que uma vez, de um jeito tão genuíno quanto o outro. Porém, com estruturas diferentes.
Sabe porquê? O amor que ambos sentiam por Albert não morreu. Continuou vivo.

"(...) Eu sabia que algo estava diferente. Eu me convenci de que Albert e eu tínhamos mudado durante os meses em que ficamos separados. Que era natural para alguém que não estivesse na companhia do outro, todos os dias, esquecer exatamente como era a outra pessoa. Que a nossa memória se torna defeituosa com a ausência (...)" Pg. 197

Um história incrível que apresenta o homem honrado, amoroso e zeloso( Albert) e que não o diminuem para que se exalte o novo relacionamento, em crescimento. Pelo contrário, por Jules e Ed valorizarem o amor que sentiam por Albert, que o novo amor que sentiam um pelo outro se tornou tão lindo. Há muita vontade, respeito e amor contrapondo toda adversidade.

Talvez, eu quisesse conhecer mais sobre a pessoa introspectiva que era Albert. Mas o que me foi apresentado, já me cativou. Lógico, que os outros sedutores estiveram presente nesta caminhada. Se mostraram os irmãos de coração, que são. Se apoiando e puxando a orelha, sempre que possível.
Vale a pena, acompanhar esta série. A escritora não tem medo de se arriscar nas histórias, com enredos tabus. E o livro, como compreendi, tem a essência do sedutor correspondente como ponto forte. Parabéns, mais uma vez a Lorraine Heath! E ansiosa para me deleitar com a história de Locke.
  • Sobre a série: A série nos apresenta um quarteto de aristocratas que cresceram juntos como irmãos. E escolheram se amar, como tal. Três deles se tornaram órfãos com 08/07 anos, após um trágico acidente no trem que seus pais viajavam. Estes foram levados a Mansão Havisham, onde seu guardião (Marquês de Marsden - o louco) morava com filho, de 06 anos, Killian (Visconde de Locksley). Este, se uniu aos gêmeos, Albert (Conde de Greyling) e Edward, juntamente com Nicholson (O Duque de Ashebury) e viveram grandes aventuras e aprenderam a defender um ao outro (graças aos laços tão inabaláveis quanto aqueles de mesmo sangue). E, lógico, enraizaram a ideia de temer o amor.
Até a próxima leitura!

Série : Os Sedutores de Havisham - 02
Escritora : Lorraine Heath
Editora : Gutenberg
Ano : 2018
Páginas :288
ISBN:978-85-8235-510-7

2 comentários:

  1. Há anos atrás,eu lia muitos romances de época,mas as "mocinhas" da trama ,eram só um pouquinho ousadas,mas não chegavam a tanto.
    Quanto aos "mocinhos",em sua grande maioria eram libertinos,mas também sensíveis,sem demonstrar... Não houve tanta mudança.

    Acho que as tramas não mudaram tanto assim,talvez estejam mais elaboradas.

    Bem,eu gostaria muito de ler a série, e conhecer esse quarteto de aristocratas.

    ResponderExcluir
  2. Não tem muito tempo, que me empolguei com os romances de época. Acredito, que há traços que se tornaram característica deste gênero literário. Porém, o que gostei deste quarteto é a ousadia em tratar alguns temas. Esta série, tem um pedacinho do meu coração. Os personagens são cativantes e os enredos interessantes.
    Janaina, adoro conversar sobre os livros que eu leio. Então, fique a vontade, quando fizer a leitura, em compartilhar o que achou comigo.

    Beijos

    ResponderExcluir