O jeito Harvard de ser feliz

03 abril 2019


Em "O jeito Harvard de ser feliz", o autor irá apresentar uma série de conclusões que ele chegou ao promover um estudo científico em Harvad sobre a felicidade. 
Segundo o autor, a interpretação que fazemos da nossa realidade pode alterar nossa experiência em relação a essa realidade. 
Basicamente é a metáfora do copo meio cheio ou meio vazio. A forma como você olha o copo (de modo otimista ou pessimista) irá ditar como você vê a sua realidade, e isso influencia na sua felicidade. Obviamente, as pessoas mais otimistas tendem a serem mais felizes, mas segundo o autor, nós podemos treinar a nossa mente para sermos mais otimistas. 

Por que a verdade é que estamos cada vez mais ansiosos, deprimidos e infelizes.

Um levantamento do Conference Board, um instituto de pesquisas sem fins lucrativos, relaizado em janeiro de 2010, mostrou que apenas 45% dos trabalhadores entrevistados estavam felizes com o emprego, marcando o ponto mais baixo em 22 anos de levantamento. Os índicies atuais de depressão são dez vezes mais altos do que em 1960. A cada ano, o limiar de pessoas infelizes decresce, não apenas em universidades, mas por toda a América. Há 50 anos, a idade média para começar uma depressão era de 29,5 anos de idade. Hoje, ela é quase exatamente a metade disso: 14,5 anos de idade. 

MAS POR QUE ESTAMOS TÃO INFELIZES? 

Observe o jornal da sua cidade. Verá que 99% das notícias contidas ali são relacionadas a morte, violência, corrupção ou qualquer outra desgraça que prenda a sua atenção. Notícias boas não trazem ibope. Não geram repercussão... escândalos. Por isso os jornais não focam nesse tipo de noticiário.

Agora faça um exercício e pare de assistir jornais ou ver notícias nas suas redes sociais por 1 semana. Assista apenas vídeos de cachorrinhos, vídeos educativos e notícias boas. 
Em uma semana seus níveis de estresse estarão bem menores e você se sentirá mais feliz. Eu garanto, pois estou fazendo este exercício no momento que escrevo este texto. 

Existem vários estudos que comprovam que assistir os noticiários trazem uma sensação de desalento em relação ao futuro e acabam causando depressão nas pessoas. Eu sou um exemplo vivo disso, trabalhando numa redação de jornalismo. Passei a ver o mundo cinza. Quando sai da televisão e parei de ver os noticiários, meus níveis de felicidade aumentaram. 
Então, pare de assistir as notícias e seja mais feliz. 

O SEGREDO PARA A FELICIDADE É ALCANÇAR O SUCESSO? 

Não necessariamente. Pesquisas na área de psicologia e neurociência demonstraram que na verdade o que acontece é o contrário: temos mais sucesso quando estamos mais felizes e somos mais positivos. 

"Se você observar as pessoas ao seu redor perceberá que a maioria segue uma fórmula que foi sutilmente - ou não tão sutilmente - ensinada nas escolas, nas empresas, pelos pais ou pela sociedade. Ou seja: se você se empenhar, terá sucesso e só depois de ter sucesso é que poderá ser feliz. Essa crença explica o que costuma nos motivar na vida. Pensamos: se ao menos eu conseguisse aquele aumento de salário ou atingisse a próxima meta de vendas, finalmente seria feliz. (...) O único problema é que essa fórmula é incorreta.
Se o sucesso levasse à felicidade, todo trabalhador que conseguisse uma promoção, todo estudante que passasse no vestibular ou qualquer pessoa que já tenha atingido uma meta de qualquer natureza seria feliz. Porém, a cada vitória, a nossa meta é empurrada para frente, de forma que acabamos perdendo a felicidade de vista."

7 PRINCÍPIOS PARA UMA VIDA MAIS FELIZ

Segundo o autor, existem 7 princípios identificados que possibilitam que as pessoas possam ter uma vida mais feliz. São eles: 

1. O cérebro naturalmente positivo possui uma vantagem biológica em relação ao cérebro neutro ou negativo. 

2.  A maneira como vivenciamos o mundo, varia de acordo com as nossa atitude mental frente as adversidades que o mundo nos impõe. 

3. Pessoas que conseguem encontrar oportunidades frente as adversidades tendem a ser mais felizes e terem uma atitude mais positiva em relação a vída. 

4. Quando estamos estressados, devemos seguir a lógica do círculo do zorro e nos focarmso em uma coisa de cada vez, para só depois expandir nossos horizontes. Logo, se você quer melhorar a sua felicidade ou otimismo foque em uma ação de cada vez ao invés de tentar mudar tudo que pode estar errado ou causando a sua infelicidade. 

5. Algumas coisas são questão de hábito ruins (como os pensamentos negativos), mas hábitos ruins podem ser trocados por hábitos bons. Basta treino. Para acabar com um hábito ruim, acrescente 20 segundos a execução desse hábito, logo, se você quer parar de assistir TV, esconda o controle remoto colocando longe da TV. Só o fato de você ter que se deslocar para outro cômodo para pegar o controle, já pode lhe auxiliar a desistir de assistir os noticiários.

6. Diante de dificuldades ou estresse, algumas pessoas tendem a se isolar. Porém, as pessoas mais bem sucedidas e felizes, investem nos amigos, colegas e parentes para continuar avançando. 

7. Quando o cérebro fica preso a um padrão que foca o estresse, a negatividade e o insucesso, nos condicionamos ao fracasso. Mas podemos retreinar nosso cérebro com um simples exercícios de ver sempre o lado bom de qualquer situação. 

Resumindo: Mantenha uma atitude positiva; acredite que tudo vai dar certo; tente sempre ver o lado bom de qualquer situação e pare de fazer coisas que lhe trazem infelicidade. Se isso não for possível, pelo menos tente achar algo de bom no que você esta fazendo. 

Algumas coisas eu coloquei em prática e posso afirmar que funciona. Outras, já são mais complicadas, mas seguimos tentando. E você? Esta pronto para aplicar ao método Harvard para ser mais feliz? 
Deixe nos comentários o que você achou desse estudo e quais as princípios você já segue. 

Editora: Saraiva
ISBN: 9788502180260
Ano: 2012
Paginas: 216

10 comentários:

  1. Olá! Olha confesso que já estava praticando o método, sem nem conhecer (risos). Adotei a filosofia do copo meio cheio pouco mais de dois anos, pode até parecer muito tempo, mas para mim, não é. E foi mais difícil do eu imaginava, por muitas vezes, me pego me policiando a parar por um momento, respirar e focar no lado positivo da situação, e os resultados estão aparecendo e me deixaram bem mais feliz, até aquela famosa dorzinha no estômago se foi.

    ResponderExcluir
  2. Oi Natália, confesso que estou entre as pessoas que não são tão positivas assim. Como também sei que é verdade , que quando assistimos notícias negativas,a nossa frustração só aumenta.
    E eu ESTAVA fazendo isso!!!
    Mas parei!
    Ultimamente ando buscando notícias,filmes ou programas mais animadores. E de fato tem dado certo.
    Assim como também me sinto melhor ,ouvindo músicas que me fazem bem.É também uma boa terapia.

    E sim. Estou pronta para aplicar o método Harvard .;)

    ResponderExcluir
  3. Bah que interessante. Não sou fã de estilo autoajuda, mas esse me pareceu leve e cheio de ensinamentos simples, praticamente dicas e não regrinhas. Também noto que as pessoas num geral estão desanimadas, sem brilho e com o pezinho na insatisfação e que começar a mudar seus pensamentos mudam uma vida, tudo questão de hábito. Sou adepta a não ficar vasculhando desastres nas redes sociais ou em conversar, as vezes se fazer de alienada não é de todo ruim. Se tiver oportunidade quero ler, achei bem pé no chão os princípios citados, gostei.

    ResponderExcluir
  4. Parece ser um livro interessante, é verdade a TV mostra muitas tragédias, as vezes aparece alguma boa noticia, mas não tem tanto foco como nas tragedias, isso deixa a gente infeliz pensando nelas, mas parei de assistir TV mas mesmo assim as pessoas comentam as noticias ruins e aparecem nas redes sociais. Vou tentar ter pensamentos mais positivos e deixar os negativos de lado, para ser mais feliz.

    ResponderExcluir
  5. Olá Natália!
    Confesso que vivo oscilante entre o otimismo e o pessimismo, justamente por ficar animado com algum objetivo e no final dar tudo errado. Vou utilizar todas essas dicar para me educar e extrair o melhor de mim. Realmente com tantas notícias triste na mídia acabamos canalizando muita energia negativa, sendo necessário bloqueá-la.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Nat!
    Tipo do livro que gosto de ler, porque sempre nos faz aprimorar nossos métodos em busca da felicidade.
    Muitos não gostam de livros do gênero, porque acham de auto ajuda, eu adoro.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  7. Muito interessante esse método HArvard para ser mais feliz. Realmente, com os noticiários atuais não há otimismo e alegria que consiga persistir. Por isso vou fazer o teste e deixar noticiários de lado. Só vou ver notícias que falem coisas boas. Posso até ver uma notícia de algo que tenha acontecido mas sem aprofundar.
    Vamos em rumo ao otimismo e à felicidade!

    ResponderExcluir
  8. Eu não conhecia o livro nem esse estudo científico, mas concordo plenamente com essa conclusões. Há um tempo atrás peguei o hábito de sempre que ligava a tv parar nos programas de notícias e realmente eram só coisas ruins. Percebi que aquela carga negativa começou a me acompanhar e tentei mudar um pouco. Ainda assisto, mas bem menos que antes, mas sei que ainda não me livrei disso. Vou seguir esses conselhos, pois quero, com certeza, a vida mais leve pra mim.

    ResponderExcluir
  9. Oi, Naty!
    Convivo com a depressão a anos, e desde então prático esse exercício, procuro evitar assistir jornais com notícias ruins, e sim, concordo com você, isso ajuda muito!
    Ah, eu sigo os métodos 4, 5 e 7, principalmente o último, mas gostei também dos outros métodos, vou tentar praticá-los também.
    Bjos, amei o post e com certeza quero ler O jeito Harvard de ser feliz! Valeu pela dica!

    ResponderExcluir
  10. Adorei as dicas Nat.
    Eu não assisto jornal há muito tempo e parei de acompanhar perfis de notícias da minha região, eu tinha entrado numa onda de pânico danada por medo de assalto.
    Com certeza nos afastar de notícias ruins, só nos fazem bem.

    ResponderExcluir