FLIP 2019 homenageia o autor Euclides da Cunha

06 julho 2019


A programação da Festa Literária de Paraty (FLIP) 2019, que ocorrerá entre os dias 10 e 14 de julho, homenageará o autor Euclides da Cunha. 
O evento foi idealizado de modo a retomar temas euclidianos e, em muitos casos, atualizá-los. Nesta edição, a curadoria reuniu uma gama de convidados para promover um amplo debate, de modo a oferecer novas perspectivas para questões atuais e antigas, na literatura de ficção, na de não ficção, na poesia e em outras formas de arte.

Euclides da Cunha foi eleito em 1903 para a cadeira nº 7 da Academia Brasileira de Letras. Nascido em Cantagalo, Rio de Janeiro, no dia 20 de janeiro de 1866, viveu entre fazendas na Bahia e no Rio de Janeiro, com tios que o criaram depois que ficou órfão de mãe.

Em 1897, tornou-se jornalista correspondente de guerra e cobriu alguns dos principais acontecimentos da Guerra de Canudos, conflito dos sertanejos da Bahia liderados pelo religioso Antônio Conselheiro contra o Exercito Brasileiro. Os escritos de sua experiência em Canudos renderam-lhe a publicação de Os Sertões, considerado uma obra notável do movimento pré-modernista que, além de narrar a guerra, relata a vida e sociedade de um povo negligenciado e esquecido pela metrópole.

A editora SESI-SP lança a quinta edição comentada, e a mais completa do clássico, Os Sertões. o livro - de capa dura e com mais de 900 páginas - possui cerca de três mil notas, que auxiliam no esclarecimento do difícil vocabulário euclidiano.

Esta é a primeira edição com um índice contendo um estudo dos nomes de lugares e pessoas; uma cronologia de vida e obra do autor; mais de 20 páginas de imagens relacionadas ao tema, com informações desconhecidas sobre o assunto.

Já leram alguma obra de Euclides da Cunha? Já leram Os Sertões? O que acharam? Este mês, nós vamos trazer várias postagens sobre livros clássicos da literatura brasileira. Que tal começar a ler Os Sertões com a gente?

COMPRE SEU LIVRO


7 comentários:

  1. Eu não li Os Sertões.E imagino que seja um livro realmente muito difícil de se ler.

    E é inegável que essa edição com capa dura está lindíssima!

    Bem,acho importante apresentar para quem não conhece,ou relembrar para quem esqueceu,que há livros clássicos da nossa literatura que são divinos,e que nos proporcionam ótimas leituras.

    Quando li Gabriela Cravo e Canela há anos atrás, me encantei com a escrita de Jorge Amado.
    Cada detalhe da história, foi muito bem escrita.
    Vale muito a pena!

    ResponderExcluir
  2. Que edição belíssima, ainda não li nada do autor, mas deu para perceber que não é uma leitura nada fácil, ja ouvi falar muito de Sertões, espero poder ler para conferir. Achei muito bacana essa homenagem a ele. Gostei que vai aparecer mais clássicos nacionais aqui no blog, da para pegar algumas dicas, já li alguns no tempo de escola e gostei muito.

    ResponderExcluir
  3. Olá! Confesso que ainda não li nada do autor, mas é impossivel não conhecer seu talento e o quanto ele foi importante, por isso, essa homenagem é muito justa e serve para aqueles que ainda não conhecem, possam saber mais sobre esse grande autor.

    ResponderExcluir
  4. Bom, eu já li e estudei Os Sertões e é magnífico. Sua ideia de introduzir aqui no blog sobre diversos clássicos é maravilhosa, pois teríamos como compartilhar nossas experiências literárias e as diversas visões de uma mesma obra. Sou louca para ir na Flip algum dia, mas deixo aqui meu apoio a homenagear um grande escritor. Super Beijo

    ResponderExcluir
  5. Belíssima homenagem ao Euclides da Cunha. Ainda não li nenhum de seus livros. Que incrível essa edição comentada de Os Sertões, um item de colecionador.

    ResponderExcluir
  6. Eu nunca li este livro, mas vontade eu tenho.
    Adorei a edição, a capa está linda, é uma ótima homenagem para o autor.

    ResponderExcluir
  7. Aiiii como eu queria ir a Flip!
    Mas não vai dar =(
    Euclides é maravilho, muito válida e especial essa homenagem!
    bjs

    ResponderExcluir