Setembro Amarelo: Vamos falar sobre suícidio. E se reclamar eu falo mais!

01 setembro 2019


Você já pensou em se suícidar? 
Não estou falando em falar "Nossa, eu quero morrer" como falamos da boca pra fora. 
Estou falando em pensar... meticulosamente... pesar os prós e os contras... e chegar a conclusão de que a única solução para acabar com os seus problemas, ou a sua dor, é acabar com a sua vida.
De uma vez por todas. 
Não? Nunca chegou nesse nivel de desespero? 
Pois eu já. 
Várias vezes este ano. 

Se você já pensou nisso, é melhor parar de ler as postagens sobre esse assunto. Teremos várias ao longo desta semana aqui no blog. Volte semana que vem. Ou talvez você perceba que não é o único na face da Terra que já pensou nisso e se identifique comigo. A escolha é sua.  
Nao quero ser um gatilho para você. Mas, por outro lado, pode ser que você se identifique comigo e perceba que não esta sozinha (o)
Pelo menos é o que a minha psicóloga me diz. Que eu não estou sozinha.

Todos deveríamos segurar as mãos uns dos outros.
Mas a tendência, quando enfrentamos a depressão e as tendências suícidas, é nos fecharmos. 


Deveria ser isso aí da imagem: "Ninguém solta a mão de ninguém", mas não é bem isso que acontece. E no final, você se vê sozinho com um caminhão de merda sendo despejada na sua cabeça e você sem conseguir respirar. 

Vocês sabiam que o suicídio é PROIBIDO de ser debatido pela grande mídia? 

Segundo uma determinação da Organização Mundial de Saúde, noticiar casos de suicídio poderiam aumentar o "Efeito Wheter", que ganhou esse nome após a publicação do livro "O sofrimento do jovem Wheter" de Goethe, em 1774, e que apontou uma grande onda de suícidios após a sua publicação. 
Segundo os especialistas da época, o livro dava "ideias de como cometer tais atos aos jovens". Ou seja, falar sobre suicídio estimularia novos casos. 

Mas o que as pessoas não percebem, é que quem quer se matar, não precisa de um livro.... uma reportagem.... ou qualquer outro subterfúgio para ter ideias de como se matar. 
Ela vai se matar e pronto. 
De um jeito ou de outro. 

Eu faço italiano na Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Todo sábado, alguém se joga do prédio da universidade. Seja quando eu chego de manhã para a aula, ou quando estou saindo pra ir embora. Tem sempre um corpo me esperando no pátio. 
A reitoria já colocou grades e telas em todos os lugares que eram abertos. Agora, as pessoas se jogam das escotilhas dos banheiros ou das próprias salas de aula que não estão sendo usadas no momento. 
A reitoria já mantém pelo menos um profissional de do departamento de psquiatria na universidade, o tempo todo. Mas quem disse que eles procuram esse profissional? De vez em quando, alguém consegue perceber e chama correndo o professor psiquiatra, mas na maioria das vezes.... é tarde demais. 

Não adianta. Se você quiser se matar, nada vai lhe impedir.
A única chance é encontrar alguém que lhe convença (sim a palavra certa é convencer!!) através de uma boa conversa, que você tem uma alternativa e que ainda vale à pena viver. 

O que nós precisamos é de ajuda! Não é de telas e grades. 
E você só consegue ajuda se você falar o que esta passando. 
Se tiver uma rede de apoio MUITO forte que lhe sustente. 

SÓ NO BRASIL, PELO MENOS 11 MIL PESSOAS SE MATAM POR ANO! 

No ano passado (2018) foram mais de 500 mil mortes por violência no Brasil. Você tem noção de que as mortes por suicídio já representam 5,5% das mortes do país? 
E tudo isso porque a sociedade ainda vê depressão como frescura. 
Porque a grande maioria das suicídios são devidos a casos graves de depressão.
Não é frescura.

Eu passei 48h desacordada no chão da minha sala depois de tomar uma cartela inteira de calmantes.
Eu simplesmente tomei um comprimido e minha dor não passou; Tomei o segundo 1 hora depois, e continuava chorando; quando fui pra cozinha tomar o terceiro comprimido em menos de 3 horas eu pensei: 'Tomei um não resolveu; dois também não; será que se tomar a cartela inteira resolve?"
E foi o que eu fiz.
Simples assim.

O mal das pessoas é achar que quando uma pessoa diz que quer morrer, ela esta sendo dramática ou falando isso da boca pra fora, mas que ela não tem coragem para fazer isso. 
CORAGEM

Querido(a), deixa eu te explicar uma coisa...
Não é coragem o sentimento que toma conta de você. É DESESPERO! 
Quando você chega no nível que eu cheguei, você esta tão desesperada para acabar com a sua dor que você já não se importa com mais nada. 
Você só quer que acabe. Não importa mais como. 

Então, já que a grande mídia não fala sobre o assunto.
Já que nem todo mundo tem acesso a como funciona a cabeça de um suicída para aprender a reconhecer um padrão, e posssivelmente, ajudar quem esta ao seu lado passando por isso...
Eu vou publicar uma série de postagens sobre livros que falam sobre esse tema.
E estou abrindo o meu email para quem quiser conversar.

Não sou psicóloga, mas sou uma suicída. 
E se maluco com maluco se entende... devo acreditar que o mesmo se aplique a possíveis suicídas...

Quando eu queria me matar, eu usava o blog para escrever o que estava passando na minha cabeça.
Então esta tudo aqui.

Eu nunca terei coragem de dar a minha cara a tapa e publicar meus textos. Ou transforma-los em um livro... mas se você tá passando pela mesma coisa que eu, sugiro que você tente colocar toda essa merda no papel. Ou no word, como eu fiz.
Não cura, mas alivia.

Eu nunca mais serei a mesma.
Mas espero um dia ser melhor do que era na época que escrevi esses textos.
Então segura que lá vem porrada. Muita porrada...


7 comentários:

  1. Oiii Natalia ❤ É tão triste que as pessoas acham que Depressão é frescura, falta de Deus e todas essas desculpas esfarrapadas. Fico pensando quando é que as pessoas vão finalmente entender que Depressão não é brincadeira e que precisa ser tratada. Que quando uma pessoa fala que ela vai se matar, não é brincadeira.
    Não acho que para acabar com os casos é correto parar de falar sobre suicídio, pelo contrário, as pessoas precisam entender o que leva a pessoa a esse ato de desespero, para poderem ajudar de alguma forma.
    Vou gostar de acompanhar suas postagens sobre suicídio, já que acho muito importante discutir esse tema.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  2. Nat!
    Importante poder discutir o assunto e que absurdo não poder falar nas grandes mídias sobre o tema.
    Nunca pensei em cometer suicídio em momento algum de minha vida e olha que até já tive bon motivos para tal, porém, acho importante estarmos alertar para observar os sintomas naqueles que nos rodeiam e nos que amamos, quem saber podemos 'convencer' essas pessoas a mudarem de ideia?
    Meu sobrinho está com 18 anos e está passando por esse moento difícil, não apenas para ele, mas para a mãe e irmã que vivem com ele, porque vivem em etado de alerta constante.
    Vai ser muito bom poder ler mais sobre o assunto por aqui.
    E coloca sim seus textos para nós, foi sua catarse e poderá ajudar outros.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Nossa Natália, nem sei se existe alguma coisa pra se falar com relação à isso.
    A única coisa que eu faço é sempre estar disponível para escutar quem quer conversar e desabafar comigo. Às vezes é só isso que a outra pessoa precisa, alguém que escute sem condenar. Eu não sou psicóloga então não sei se faço o certo. Mas eu acho que falta empatia nas pessoas hoje em dia. Ninguém liga para ninguém de verdade mais. É por isso que estou sempre disposta a ouvir.
    Só posso te dizer que continue tendo força. Você vai sair dessa.

    ResponderExcluir
  4. Olá! O Setembro Amarelo é uma campanha extremamente importante. Suicídio e Depressão são assuntos sérios e precisamos falar sobre eles.
    É muito triste ver que têm gente que considera isso frescura. Não é e nunca será frescura! Pessoas depressivas e com tendências suicidas precisam de ajuda e apoio, não de julgamentos.

    ResponderExcluir
  5. Confesso que esse ano só tenho me sentido esgotada, mas não tive pensamento suicida graças a Deus, porém nos anos que se passaram eu estava em depressão, e foi extremamente difícil. Felizmente algumas coisas e pessoas tem me ajudado bastante, e posso dizer que estou bem melhor.

    Não sabia sobre o fato de ser proibido debater sobre o assunto na grande mídia. É um fato triste, pois este é um assunto que precisa ser levado a sério.
    Acho muito importante esse novo quadro que você ira trazer para o blog, tenho certeza que será bem informativo.

    ResponderExcluir
  6. Tem sim que se falar sobre o assunto nas mídias e tudo mais, quanto mais o assunto estiver em evidencia melhor, quem sabe assim as pessoas prestam mais atenção ao que esta acontecendo a sua volta, assim podendo ajudar a quem precisa. O índice de depressão e suicídio esta cada vez mais alto infelizmente, é difícil para alguém pedir ajuda e tem até pessoas que percebem algo errado, mas preferem não ver ou dizer não é problema meu, acho que falta mais humanidade nas pessoas.

    ResponderExcluir
  7. Olá! Trabalho em uma escola repleta de crianças e jovens que diariamente passam por essa questão e sofrem com a depressão, sem ao menos saber como pedir ajuda. É muito difícil perceber aquele grito (muitas vezes mudo) de socorro, além disso, muitas vezes as escolas não possuem profissionais qualificados que possam auxiliar de maneira mais eficiente, por isso acho de suma importância que seja discutido diariamente e para ser sincera acho um pouco de hipocrisia essa campanha de setembro amarelo (#prontofalei), afinal não é só em setembro que isso precisa ser discutido e divulgado, mas sim todos os dias.

    ResponderExcluir