Insano

04 abril 2019



" Alma quebrada não tem conserto, sentimentos não são como quebra-cabeças que você pode espalhar e depois juntar as peças." INSANO - ANDY COLLINS


Andy Collins, se tornou uma das minhas escritoras preferidas. Ela tem o poder de te envolver com palavras, e quando você percebe ... acabou mais um livro.

Conheci a escrita de Andy, com o livro "Fenomenal". E, depois deste primeiro "encontro", não consegui me deter e procurei, por mais e mais leituras dela.

A Série "The Originals" ganhou um espaço no meu coração, a ponto de eu sentir saudades após o último livro.

Então, vou apresentar a primeira estória desta banda!


Classificação:+18 


" Não existe prisão maior do que a mente humana, nem traumas maiores e quase irrecuperáveis, dos que os sofridos na alma".

Gael Trent Malloy, o sexy vocalista da banda Originals, o mais "babaca", impulsivo e impositivo da banda. Sabe aquela expressão "pavio curto"??? Então, ele seria a descrição perfeita, deste significado. Acumulando equívocos, porém, ele descobrirá o quanto é importante e revigorante criar forças para se levantar, após uma queda. 
O livro inicia com o protagonista no hospital. Naquela loucura de shows, no auge da fama, o palco despenca e o vocalista é o mais atingido. Gael acorda no leito do hospital, sem sentir as pernas. 

Sim, amores, a Andy gosta de vir nos bombardeando.

Literalmente, em sua estadia no hospital, um anjo caí em seu colo. A doce pintora Hanna Daves, tropeça na cadeira de rodas de Gael. Mas não se enganem, o que ela tem de doce, ela tem de obstinada.

Neste momento, a química é fortíssima e, ambos, penetram nos pensamentos um do outro.
"Nunca uma palavra mexeu tanto comigo, ela me chamou de anjo. Logo eu, que sempre fui o diabo. Eu nunca quis ser o anjo de alguém, até agora."
O que era para ser só mais um encontro, evolui para uma enorme curiosidade. Eles vivem e se surpreendem com a velocidade em que um se coloca na vida do outro. Pouco a pouco, suas "válvulas de escape" vão sendo deixadas de lado. Contudo, como penetrar e derrubar as barreiras, se nenhum dos dois abre mão de suas convicções e da estabilidade de suas vidas??? Vale a pena, resistir a esse amor??? Tomar uma atitude altruísta ou resolver como família?
"Eu não esperava que ao ver a dor surgindo em seus olhos fosse me atingir tanto, ela estava em pedaços, e o filho da puta culpado por espalhar seus cacos era eu."
Ele, com um relacionamento amoroso frustrado, aonde aprendeu que qualquer coisa é fácil quando se tem fama e dinheiro. Ela, com um relacionamento familiar anulador e preconceituoso. Ambos precisam aprender a perdoar e a confiar. E, principalmente, deixar de permitir que o passado dirija o seu presente. Pois, enquanto, um enche a vida de cores o outro atinge a alma.
"(...)O homem sábio disse para achar seu lugar no centro da tempestade(...)" Send me an Angel - Scorpions


O cenário criado, por nossa escritora, não é fácil.
Imagina um homem, com ego nas estrelas, acordar sem sentir as pernas?!?!? Se percebendo dependente do auxílio dos demais e aprendendo que são poucos que se importam.
Em meio ao tratamento de fisioterapia e psicológico, para retornar a andar sem auxílio, se depara com uma paixão ( algo que ele não queria e até tratava cada mulher como se fosse mais uma) avassaladora.Que o ensina a ser melhor.
Já a protagonista, é uma pessoa voltada a obras sociais. Tem um olhar, que extrai o melhor. Contudo, tem um passado estrutural que lhe rendeu várias fissuras emocionais.
Nossos protagonistas, precisa descobrir quem realmente são. Para, então, possibilitar a vivência do relacionamento que estão construindo.

 E,vou dizer, Andy constrói esta transição muito bem.
 O leitor anseia em saber e torcer por um final feliz.
" O sol é como nós dois, começa lento e se torna imponente ao longo do dia, às vezes, uma nuvem mais escura o esconde. Essa nuvem nem sempre é passageira - ela divaga. - Quando o tempo fica nublado, o sol não aparece, mas ele surge todos os dias e sabemos que ele está lá, mesmo estando escondido."
O melhor do livro é como - não só os protagonistas- os personagens são construídos. Isto é, eles falham... Falham diversas vezes. No entanto, são emotivos/ intensos / humanos. Assumindo, a responsabilidade e se reconstruindo. Um enredo de paixão, perdão e superação.

Não há hipocrisia. Os quatro integrantes da banda, possuem um elo extraordinário. Eles abraçam as "m#$%" um dos outros, mas também dão um " tapa na cara" para o outro se levantar do abismo.

Não existe aquilo de " personagens politicamente corretos". Não, não existe! 
O que existe é a escolha, entre os quatro, de serem leais e companheiros, mesmo com as situações corriqueiras do dia a dia.
Perceberam que eu compartilhei um romance
 e um grupo de amigos?!?!!? 

Sim, amores. Andy fez questão de trabalhar a personalidade de cada personagem. Mesmo o foco sendo no vocalista da banda; em sua estruturação do "eu", e não do relacionamento com a Hanna.
As vezes, como já observei em outros romances deste estilo, o escritor se perde nas cenas eróticas. 
Entretanto, Andy Collins consegue manter uma narrativa cativante, que desperta o interesse, com tudo no seu devido momento. Uma série que o leitor precisa estar com a mente aberta e sem paradigmas. Com o seu desenvolvimento contínuo, com explicação familiar impactante e um curioso final.

Até a próxima leitura!

Sobre a série: Mais do que uma banda de amigos, eles são pessoas que escolheram estarem juntas. Uma família de coração. Quatro adolescentes, no final do colegial, montam uma banda, na garagem de um deles. O que começou com adolescentes cheios de sonhos, hoje homens cheios de cicatrizes. Prosseguem - mesmo após anos - com muito sucesso. Acumulando duas turnês mundiais.
E, esta série, conta as estórias dos integrantes Gael, Micah, Braden e Josh (respectivamente).Em sua realidade, nua e crua, sem "mimimi". Mostrando o que acontece atrás dos palcos. E, não só os sorrisos.

Série: The Originals #1
Editora: Editora Planeta Literário
ISBN:9788568292266
Ano: 2016
Páginas: 324

Livro adicional: PARA SEMPRE E MAIS UM DIA


Compreendi que este foi elaborado para compartilhar a conclusão de momentos específicos do primeiro livro da série.

O tratamento de irmãos/ amigos/ cúmplices, dos integrantes da banda, que o grupo tinha e como eram. Assim como, a irmandade de Maggie e Hanna.

E mostrar como a protagonista do livro dois, Callie, entrou na vida da deles. Principalmente de Micah.

Um exemplar curto, elaborado para encerramento e transição de um livro a outro

Interessante ser lido. Para saciar curiosidades e se preparar, para a próxima leitura.


Série: The Originals #conto1.5
Editora: Editora Planeta Literário
Ano:2016
Páginas:76

18 comentários:

  1. Como já comentei em outros post, tenho um pezinho atrás com livros hot, mas tamanhos elogios estou me rendendo e abrindo meu coração quanto a eles. Lembro de tu já ter falado dela então não vou me deter a isso, tua forma empolgada me convenceu. O que achei bacana dessa série, é o ambiente. Seguir e viver um pouco a vida e rotina de uma banca de rock, personagens e historia me agradam muito. O lado familia, com tu mencionou, é o que mais me emociona num livro, aquela parceria me comove de verdade. As cenas picantes devem ser bem convincentes e empolgantes, ou seja, dica mais que aceita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fabiana, eu não sou fã de romance "hot", sem sentido.Mas se tiver uma boa estória, principalmente que me desperte curiosidade, eu leio e indico. Compartilho, que desta série, este é o mais picante. Principalmente, por ser a característica predominante do Gael. O que mais "curtir", foi o desenvolvimento da personalidade, dos personagens, e a ousadia de trazer temas polêmicos, para o enredo.
      A Andy têm um escrita poderosa. Se for realizar esta leitura, vá sem preconceitos.

      Abraços

      Excluir
  2. Lays, livros do gênero se tornaram comuns depois do "Cinquenta Tons". E vieram alguns como o que citei,que não tinham uma história bem montada ,antes dos personagens chegarem "aos finalmentes", e assim, deixei de ler livros com essa pegada.:(
    Mas quando sei que a trama convence,e que a autora contruiu bons personagens e uma boa história,fico com muita vontade de ler. Principalmente quando temos personagens de banda de rock.

    Eu gosto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janaina, compreendo o que falou. Também, não gosto de cenas picantes sem sentido. Mas esta escritora sabe construir personagens, muito bem. E as situações, são elaboradas fantasticamente. Com esta banda, você quer socar e abraçar. E fica na torcida, pelo final feliz.

      Beijos

      Excluir
  3. Olá! Eita que esse livro tá na minha lista, afinal tenho uma quedinha (quedona) por esse tipo de história, ai ai quem resiste a um roqueiro (risos). Muito bacana que a autora aborda o tema dos cadeirantes, temos poucos livros que retratam esse assunto (eu já li uns 2) e a dificuldade que as pessoas encontram em relação a acessibilidade e até mesmo preconceito. O jeito é passar o livro na frente e conhecer de vez a história desses dois, e de quebra conhecer um pouco mais dessa banda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elizete, a narrativa é completamente envolvente. Te desperta curiosidade e você fica na expectativa pelo final feliz. A Andy não poupa reviravoltas impactantes.

      Beijos

      Excluir
  4. Não conhecia a série, aliás nem a autora, parece ser uma historia gostosa de acompanhar, mas também que mexe com as nossas emoções, não deve ter sido nada fácil para o protagonista estar nessa situação, ainda mais por ele ter esse ego. Parece que a autora soube trabalhar bem o romance e fiquei intrigada com esse final curioso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, a narrativa flui muito bem. Mas o protagonista possuí o típico esteriótipo de vocalista de banda de rock. O livro tem tudo haver com a personalidade dos protagonistas.

      Excluir
  5. Olá Lays!
    A obra não chama atenção pelo plot (visto que basicamente a autora utiliza elementos já saturados do gênero), mas sim pela química intensa dos protagonistas, que vem construídos passam ao leitor profundidade suficiente para o desenvolvimento de empatia. O fato de Collins humanizar seus personagens corrobora para que a leitura não caia no superficialismo, tornando-a bastante prazerosa.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A química dos personagens é totalmente palpável. Porém, temos que enfatizar que é uma leitura hot.

      Excluir
  6. Lays!
    Acabei de ler a resenha do próximo livro dessa série e gostei de ver aqui que as personagens são bem contruídas e que suas ações e sentimentos são tão verdadeiros que tornam o livro mais crível.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudy, esta escritora é ótima para desenvolver a personalidade dos personagens. Principalmente, os masculinos. Para mim, esta é a marca registrada dela( junto com não ter medo de ousar).

      Excluir
  7. Não conhecia a autora mas fiquei super curiosa com essa genialidade dela de simplesmente não se perder nas cenas picantes e deixar de desenvolver características verdadeiras nos personagens. Gostei do mocinho bad boy e da mocinha que não é nada bobinha. Vai ser uma série que irei iniciar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nil, é um série que te prende e te faz criar curiosidade em como os meninos da banda, irão se desenvolver.

      Excluir
  8. Não conhecia a série, mas parece um ter um enredo interessante e personagens aos quais nos apegamos durante a leitura. Acho importante nesse gênero saber criar as situações mais sensuais e eróticas de forma que não pareça que as personagens só vivem nessa vibe. Gostei da forma como eles se conhecem e da carga emocional que cada um carrega. É um livro que eu leria com certeza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Evandro, é um livro que não tem medo de desenvolver o seu tema. O leitor percebe a confiança na escrita. E os personagens recebem vida, graças a isto.

      Excluir
  9. Oi, Lays!
    Não conheço a escrita da Andy Collins, mas pretendo ler Fenomenal, só não sei quando, a vida tá tão corrida e há tantos outros livros para ler :(
    Mas, em relação a série The Originals, eu confesso que não curto livros sobre bandas, os bastidores da fama não costumam me atrair... Contudo, gostei desse companheirismo que você citou que existe entre os quatro integrantes da banda, e que bom que a autora não se perdeu nas cenas eróticas, é muito cansativo e desanimador quando o autor foca tanto nesse tipo de cena e deixa a trama a desejar... Enfim, se eu tiver a oportunidade de ler Isano arriscarei a leitura sim. Bjos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em The Originals os bastidores é a vida dos meninos da banda, entre eles. Até pq a série é em um momento conturbado em que todos estão passando. De verdade, a banda retorna ao final do terceiro livro ( eles até tentam antes, mas acontece uma fatalidade e a banda para de novo).

      Excluir