O Conde Enfeitiçado

15 agosto 2019

“Qualquer um que se desse ao trabalho de conhecê-lo mais profundamente passaria a vê-lo como Francesca via: um homem de bom coração, leal e verdadeiro.


Perdidos, eu comecei esta série lendo o quinto livro. Sim ... Eu amei o fato deles se corresponderem e decidi começar pelo livro da Eloise.
Dei uma de "A LOUCA" 
HAUHAUHA

E logo em seguida (Lógico, que depois comecei a ler o primeiro livro e acompanhando a ordem) fui na tarde de autógrafos com a Júlia Quinn. Lá, o que eu mais escutei foram sobre os 50 tons de Francesca. 
Putz! O próximo livro é da desconhecida da família?!?!?
Amores, ela: Ou só era  mencionada nos outros volumes,
ou quando deveria interagir... Francesca era sem sal.
Perdão, mas não sabia o que esperar, das mil tonalidades.

Então, venham comigo neste livro, que possui um dos melhores finais de romance de época - da minha vida!!!!! 

“…nunca haveria entre eles um beijo, nunca haveria um toque ou um olhar que significasse algo mais. Não haveria palavras de amor sussurradas nem gemidos de paixão.”
No sexto livro, conheceremos a sexta irmã. 
Parando e pensando:
Só ela e a Eloise tiveram o volume
correspondente  a ordem de nascimento.
 Interessante!!!

Mas voltando ... 

Francesca, se sentia a parte da própria família. Não que ela não os amasse, só não era como os outros, tão propensa a falar, encantar e ser empática com as pessoas à sua volta. Logo, quando conheceu John percebeu um sentimento puro e que poderia chegar a um amor puro. Não se arrependia do casamento e com ele, ganhou uma nova família e um bom amigo - que era o primo de seu marido - Michael.

Michael é um homem surpreendente e leal. Desde de que conhece a mocinha, se apaixona. Porém, tem consciência que não poderia revelá-lo. E com isto, mergulhou na vida de libertino. 

Mas algo fatal acontece e tudo , que era perfeitamente desenhado, muda. John morre.
"Em toda vida ocorre um momento decisivo. Um instante tão extraordinário, tão claro e tão nítido que temos a sensação de havermos sido golpeados no peito, deixados sem fôlego, sabendo, sabendo, sem a menor sombra de dúvida, que nossa vida jamais será a mesma."
Com a morte do primo Michael, tem sua vida virada de cabeça para baixo. Pois além de herdar o título de Conde de Kilmartin (que era algo que ele nunca quis e nem considerava no direito), Francesca o vê como apoio e ele não está preparado para tudo isso e parte para o mundo, deixando nossa mocinha responsável pelo Condado.

Há uma passagem de tempo.

O que achei justo.
Ambas as partes, precisavam amadurecer.

Quando o nosso casal, retornam a se encontrar - pessoalmente - os dois - estão mais amadurecidos. Teve muito sofrimento e cada um se recuperou e cicatrizou a dor, da perda, de um jeito. Mas o melhor, foi o zelo pela memória linda, que eles continuaram tendo e respeitando do John.
“Era apenas Michael, não era? Apenas o seu amigo e confidente de longa data. Não era só isso? Não?”
Quando começam a aceitar a ter algo, um com o outro, foi cauteloso ( Lógico, que ambos tiveram receios. Mas já estavam prontos, para o que estava por vim.) e confidencial (no princípio). 

Não foi do jeito, no estilo, mil faceta de cores. É de uma sutileza, digna da nossa DIVA Quinn.

É mais caliente, que nos outros livros? Com certeza!!! Afinal, ela tinha tinha sido casada. Já conhecia como era. E vi de uma forma coerente, como foi descrito.

Porém, mesmo a achando sem sal e cheia de "mimimi", a Francesca dá certo com Michael. É impressionante como a Júlia, conseguiu os tornar um ótimo casal. Acredito que seja mérito do Michael.  Porque este personagem é tão forte, que ele rouba a cena. Completamente!!!

Irônico, sexy, leal e convicto.
Este é o Michael.

O tempo, foi crucial para eles. Se não fossem as passagens de tempo, não teria sido tão cativante. 

E fez com que o amor, que começaram a viver, fosse único e bonito. Gostei de como a Júlia desenhou a estória deles. 

Um livro muito bem escrito e em terceira pessoa. O acompanhar da evolução de ambos, foi nítido. E conseguíamos perceber como  - cada um - estava lidando com o momento. 

Mesmo este volume, sendo bom e bem diferente dos demais da série - parando para pensar - foi o que menos gostei. Simplesmente, porque senti falta da interação da família Bridgerton - como existe nos outros. Claro que a Violet e o Colin, quando aparecem se destacam. Fazendo toda a diferença.

Está aí, o que me incomoda é o ser pacato que a Francesca é, quando se refere a própria família. Enquanto os  outros membros possuem - independente da personalidade - uma ligação - muito forte -  um com o outros. E, para mim, isso que se destaca nesta saga. . . As interações  e o convívio, independente de como seria. E não vi muito disso, neste livro.

Porém, não tira a magnitude do maravilhoso final. O considerei  extremamente emocionante, mesmo sendo tão sutil.

Não vou mais me prolongar. Pois neste livro, o leitor tem que perceber pela visão do casal, todo esse jogo - com ênfase na emoção -  sobre segunda chance.

Até a próxima leitura!!!
Escritora: Júlia Quinn
Editora: Arqueiro
Série: Os Bridgerton
Livro: 06
Páginas: 304
Ano de Publicação: 2015

A ordem da série e os links das resenhas anteriores:

8 comentários:

  1. Olá! ♡ Eu simplesmente amo o Michael, para mim ele é a alma do livro! Infelizmente não posso dizer o mesmo da Francesca, eu gosto da personagem, mas não consegui me identificar com ela da maneira que achei que fosse acontecer.
    O Conde Enfeitiçado no geral até que me agradou, mas se comparado aos outros livros da série este livro é o que eu menos gostei. Não acho que ele seja um romance ruim, apenas tinha expectativas muito altas e quando fiz sua leitura, não foi tudo aquilo que eu imaginava. É uma pena que este livro não tenha conseguido me conquistar como os primeiros.
    Apesar de não ser um dos meus livros favoritos da série, O Conde Enfeitiçado tem algumas coisas que me agradaram bastante como Francesca e Michael combinarem bem como casal e o amadurecimento de ambos.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oiii ❤ Esse livro não chega nem perto de ser o meu favorito da série, falta muito pra ser, mas consegui enxergar beleza nesse livro, foi doce, fofo e me deu um quentinho no coração.
    Consigo entender que Francesca gosta de ter o próprio espaço, de ser mais independente da família, é uma escolha dela e até aí, tudo certo. O problema mesmo, pra mim, é o fato de a Julia Quinn ter criado uma personagem tão sem sal.
    Já Michael é um personagem maravilhoso, o libertino mais respeitoso que já vi rsrsrs. Além de ser um dos meus mocinhos favoritos da série.
    Teria sido legal que mais Bridgertons tivessem aparecido nesse livro, pois eles juntos são um espetáculo, é incrível vê-los interagindo.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  3. Olá! Sou suspeita para falar dessa família, AMO a escrita da JQ, e gosto bastante desse volume, até consigo me identificar bastante com a Francesca, pois também sou mais introvertida e tal, acho que o relacionamento dela com a família não deixa de ser bonito, é mais sutil, mas ainda assim lindo, Michael, de fato, é um personagem incrível, que completa muito bem nossa Francesca, esse é um dos finais que eu mais gosto também, e com certeza o tempo foi a chave para que o romance entre os protagonistas fosse tão bonito de acompanhar.

    ResponderExcluir
  4. Eu não tenho certeza,mas acho que tenho esse livro,mas ainda não li.
    Justamente por não ter os primeiros livros da série.
    Sabe essas promoções online que nos deixam loucas, mas depois não sabemos bem o que fazer com a compra?
    Pois é,foi exatamente isso que aconteceu.

    Bem,mas fiquei satisfeita em saber que começou a ler a série por esse livro, pois pelo que vejo,você não ficou tão perdida assim.

    Lembro das resenhas apaixonadas de todos os livros da série,e pretendo ainda ler. Apesar de ultimamente preferir leituras únicas.Pois nunca consigo ler todos os livros de uma série.


    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Eu não conseguiria começar uma série pelo quinto livro kkkkk Tenho TOC kkkkk
    Não li toda essa série da Julia Quinn ainda, só li o primeiro livro, mas parece que as continuações são todas muito boas. Pena que a Francesca pareça ser a mais distante de toda a família Bridgerton. Quero muito continuar a leitura dessa série que nem lembro porque não fiz ainda.

    ResponderExcluir
  6. Ainda não li nenhum dos livros da série, mas sempre vejo muitos elogios pra autora. É muito bom quando o autor sabe dominar seu enredo, conseguindo com pequenos artifícios, como essa passagem de tempo, dar consistência à trama. Precisamos ter personagens em que acreditamos e que nos convença.

    ResponderExcluir
  7. Ouço falarem muito sobre essa série e muito bem por sinal, mas ainda não tive oportunidade de ler algo da autora. Parece que Francesca não é uma personagem muito cativante é uma pena, pois o mocinho parece ser tudo de bom, só de ler a resenha já fiquei encantada por ele rs. Mas mesmo assim deve ser gostoso acompanhar o envolvimento dos dois, ainda mais que é sutil, com delicadeza.

    ResponderExcluir
  8. Ainda não li essa série, mas vejo pessoas falando o tempo todo dela, principalmente agora que a Netflix vai lançar uma série sobre os Bridgerton. De todos os irmãos a Francesca foi a que eu menos ouvi falar, agora já sei o porquê. O Michael parece ser um cara legal, que bom que foi imposta uma passagem de tempo para os personagens amadurecem. Espero conhecer essa família e os romances lindos que o cercam. Todo universo criado pela Julia Quinn parece maravilhoso.

    ResponderExcluir