Todas as suas imperfeições

23 setembro 2019




Livro: Todas as suas (im)perfeições. 

Título original: All your perfects.

Autor: Colleen Hoover.



ADVERTÊNCIA: Como as circunstâncias mais banais para uns são a derrocada de outros. O protagonista deste livro, com certeza, é o casamento.




Olá, perdidos!

É HOJEEEEEE!!! 

Dia de resenha da Lud!

Cá estou eu, trazendo esta belezinha literária para vocês. Então, apertem os cintos e preparem os lencinhos, porque lá vamos nós.

Eu sou muito suspeita para falar da Colleen Hoover e o motivo principal certamente é por ela ser a minha autora americana contemporânea favorita. De longe.

Essa texana escreve com uma propriedade e profundidade que por vezes me tiram o fôlego. 

Se você nunca leu nada desta mulher, pare agora de ler esta resenha e comece já a ler qualquer coisa dela. Ou melhor, termina a resenha e depois corre para ler o “Todas as suas imperfeições”, que já se tornou um dos meus livros favoritos da autora.

Quando vi que o livro estava na pré-venda e que ele foi o top comentarista de agosto (o que é quase mágico se pensarmos que agosto é o mês da “sorte” das personagens), me senti mais do que na obrigação de comprá-lo, lê-lo e escrever sobre.

O livro conta a história de Quinn, uma redatora, noiva de Ethan; e de Graham, um contador prestes a pedir a mão de sua namorada, Sasha, em casamento. Ambos se conhecem após Quinn chegar mais cedo de uma viagem e ir à casa de Ethan fazer-lhe uma surpresa. O que ela não esperava era ser surpreendida ao se deparar com um homem - Graham -, completamente abalado, em frente à porta do apartamento de seu noivo até então, com a péssima notícia de que esse a está traindo com sua namorada. 

[...] – Eu diria que é um prazer conhecê-la, Quinn, mas este é o pior dia da minha vida.

Os dois se separam de seus respectivos parceiros, obviamente, e só tornam a se encontrar seis meses após o ocorrido, apesar da forte conexão entre eles que já é sentida desde o primeiro encontro.

A narradora dos capítulos é a Quinn e esses são alternados entre o “Antes” e o “Agora”. Nos capítulos “Agora”, vemos uma Quinn há sete anos casada com o Graham, mas em um estágio inicial de depressão e de completa frustração devido ao fato de não conseguir ser mãe. Ela se culpa de tal maneira por sua infertilidade que passamos a acreditar que, apesar de seu grande amor por Graham, isso não tem sido o suficiente para aguentar toda a infelicidade que sua condição lhe traz.

Olho para minha aliança de casamento [...]. Quando Graham a comprou, [...] o joalheiro lhe explicou que a aliança é símbolo do amor eterno[...]. Mas o joalheiro nunca lhe disse, em nenhum momento, que o anel simbolizava felicidade. Apenas eterno amor. O problema? Amor e felicidade não são coincidentes. Um pode existir sem o outro.

Geralmente, na parte de trás das capas dos livros temos sempre trechos de jornais, resenhas ou, até mesmo, outros autores consagrados que dizem um pouco a respeito do livro. Os trechos sempre trazem coisas boas escritas e eu nunca concordei com eles. Até agora. 

O US Today escreveu as seguintes palavras: Íntimo e visceral. E, caramba, é isso mesmo! É absolutamente íntimo e absurdamente visceral. Estou na maior ressaca literária desde Ugly love, também da Colleen.

A forma intimista com que ela escreve, puxando os sentimentos mais profundos e confusos do nosso coração, é incrível. Sofremos com a dor de Quinn por não conseguir ser mãe de maneira biológica, mas também sofremos por saber que o casal não consegue ser aceito nas agências de adoção em decorrência de um fato do passado de Graham. Sofremos ao ver um casamento tão lindo ruir por algo que para alguns é banal e por vezes desnecessário, como a maternidade. Sofremos ao ver a luta para saírem da condição em que se encontram. Sofremos...

Mas aprendemos também. Aprendemos que, sim, o amor pode não ser o suficiente às vezes, ou mesmo uma garantia de felicidade, mas vemos como ele é a força motriz que faz com que não desistamos de algo pelo qual vale realmente a pena lutar. Aprendemos que existem diferentes tipos de mulheres: aquelas que querem ser mães e serão; aquelas que não querem ser mães e não serão; aquelas que não querem ser mães, mas serão, como é o caso da mãe da Quinn; e, também, há aquelas que querem ser mães, com toda sua força, mas, infelizmente, nunca serão. 

Casar não dá a obrigatoriedade de ter um filho, ou de que as coisas serão um mar de rosas, ou, ainda, que filhos serão a salvação de um casamento, pois filhos deixam as casas, constituem suas próprias famílias e só quem nos resta são nossos companheiros. Será que o amor por eles é forte o suficiente para passar todo o resto da vida ao lado deles, enfrentando as terríveis circunstâncias de categoria nível 5 (comparação feita, entre os furacões e os casamentos, pela própria autora)?

Vi uns comentários dizendo que Quinn é uma personagem extremamente egoísta e egocêntrica, enquanto Graham é a salvação do casamento. Discordo. Só quem passa por uma frustração tão grande como ela passou é que sabe o quanto a dor nos faz tomar as piores decisões e ter as piores atitudes. E a prova de que Quinn não é egoísta, é quando a vemos nos capítulos “antes” e nos apaixonamos, junto com ela, por Graham. Vemos como ela transbordava felicidade e vemos isso ruir por conta da dor.

- Somos cheios de defeitos. Centenas deles. São como pequenos furos em nossa pele. E, como sua sorte disse, às vezes prestamos mais atenção em nossas imperfeições. [...] 

Sobre o Graham... Bom, só posso dizer que ele é o melhor personagem literário do sexo masculino. Ele é sensacional. Mas é humano, cometeu erros e mesmo assim é impossível não se encantar por suas falas, pelo modo como enxerga o mundo, por seu amor incondicional por sua esposa. Eu poderia fazer uma resenha inteira só falando o quão incrível Graham é.

Prometo que vou amá-la mais durante as tempestades do que vou amá-la nos dias perfeitos.

O livro, diferente de muitos romances contemporâneos, não tem a vilania personificada em uma pessoa. A grande vilã da história são as circunstâncias e, ao mesmo tempo, são às circunstâncias e aos momentos felizes que se agarram Quinn e Graham para tentarem salvar seu casamento.

[...] – Qual é o segredo de um casamento perfeito? – perguntei.
[...] – Nosso casamento não é perfeito. Nenhum casamento é perfeito. Houve momentos em que ela desistiu de nós. Houve ainda mais vezes em que eu desisti de nós. O segredo da nossa longevidade é que jamais desistimos ao mesmo tempo. 

Para falar a verdade, eu poderia fazer umas oito resenhas e talvez eu não conseguisse expressar a densidade dos assuntos abordados neste livro. 

Foi extremamente pessoal e eu me identifiquei em diversos momentos.

Mas não só de coisas tristes este romance é feito. Ele tem sua cota de humor e sensualidade. Tudo na medida certa. Na medida Hoover de ser e escrever.

Ainda há muitas coisas sobre as quais gostaria de escrever e compartilhar com vocês, mas eu, infelizmente, preciso encerrar. Mas juro que não gostaria.

Só leiam.

Só chorem.

Só se apaixonem.

A presto!



P. S. 1: Tem uma brincadeira muito fofa que a autora faz com o número 8, como se esse fosse o número da sorte do casal. Tudo começou com biscoitinhos chineses da sorte; ambos os biscoitos tinham o número 8, o que é muito legal, já que é um número que representa sorte na China. Depois o reencontro, seis meses depois, no dia 8/8. Ainda tem mais um 8 que eu não posso contar para vocês (juro que não é spoiler). E, para fechar, esse livro foi o nosso top comentarista do mês 8. Acho mesmo que esse seja o número da sorte do casal.

P. S. 2: Destaquei 13 trechos deste livro. Meu livro favorito da Colleen, empatado com este (óbvio), é Ugly Love, cujo número de trechos destacados também foi 13. Talvez esse seja meu número da sorte. Ahahahahahahah.

P. S. 3: Foram quase 1400 palavras, 4 páginas e eu ainda sinto como se não tivesse falado o suficiente.

COMPRE O LIVRO 






16 comentários:

  1. Tem livros que nos deixam tão arrebatados, tão cheios de sentimentos, que conseguem tirar todas as palavras.
    Ainda não li esse livro da Colleen mas concordo com você, ela tem um jeito muito especial de nos trazer os personagens e todas as estórias que conta. Amo essa autora também.
    Fiquei curiosa para conhecer o casal. Muitas vezes as pessoas apostam nos filhos para serem felizes e, quando não conseguem perdem toda a esperança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é fantástica!
      Escreve de um jeito que me cativa.
      Espero, de verdade, que você leia esse livro e se apaixone por esse casal.

      Excluir
  2. Olá! ♡ Eu com certeza já deveria ter feito essa leitura, mas estou sem tempo para engatar uma nova leitura, e por se tratar de um livro da Colleen eu prefiro fazer sua leitura quando eu realmente estiver com tempo, para poder absorver o máximo da história.
    A Colleen é uma das minhas escritoras favoritas da vida, acho incrível a capacidade que ela tem de escrever histórias tão intensas, que nos fazem sentir a dor dos personagens, nos faz sofrer com eles e torcer para que consigam seguir em frente e serem felizes, mesmo diante de situações tão difíceis. Todos os livros da Colleen que eu tive o prazer de ler me impactaram, me marcaram, me fizeram olhar a vida pelos olhos dos personagens. As tramas são sempre tão intensas, tão profundas, são de tirar o fôlego mesmo.
    Esse livro chamou de cara minha atenção, não só por se tratar de um livro da Colleen, mas também por girar em torno de um casamento.
    Eu nunca poderia julgar Quinn, a sensação de querer tanto uma coisa e não conseguir tê-la é horrível, a frustração é um dos piores sentimentos.
    Quero muito poder conferir este livro e conhecer Quinn e Graham, que parecem ser personagens muito bem construídos.
    Muitooo obrigada pela indicação, vou tentar achar um tempo livre para poder fazer essa leitura!
    Eu adorei a resenha! Beijos! ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da resenha!
      Eu amei ler este livro e amei escrever sobre.
      Não foi mentira ou exagero quando disse que havia muito mais a ser dito.
      A história é muito íntima e mexe com a gente de um jeito...
      A Colleen é sensacional e esse livro só é mais uma ratificação de seu talento como escritora.

      Excluir
  3. Li dois livros da autora e gostei muito, tem mais três aqui pra ler, mas esse eu não tenho ainda e que lindeza livro e marcador combinando, adoro. Parece ser uma historia muito triste e que mexe com as emoções, fiquei sentida pela protagonista não poder ser mãe. Fiquei curiosa em poder acompanhar o sentimento que vai surgir entre ela e Grahan, pois os dois terem sido traídos, deixa marcas, e é difícil começar um novo romance.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comprei esse livro já com o marcador.
      No link aqui embaixo, você consegue comprá-lo também, pela Amazon, com esse marcador fofo demais.
      Também amo marcador combinando! Ahahahahah
      Esta, com certeza, junto com Ugly love, é uma das minhas histórias favoritas da Colleen Hoover.

      Excluir
  4. Li da autora os livros "Métrica" e "Talvez um Dia". E você tem toda a razão!
    Ela nos arrebata,nos emociona com a sua escrita. Um dos seus dons é o de nos fazer sorrir e chorar facilmente.
    E lendo a sua resenha sobre esse livro,sei que mais uma vez ela não decepciona.
    Enfim fiquei aqui mega curiosa em poder acompanhar a história da Quinn,e de quem sabe poder torcer por ela.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se vc leu esses dois e amou, tenho certeza de que amará ainda mais o " todas as sua imperfeições" e " o lado feio do amor". São de tirar o fôlego!

      Excluir
  5. Oiii ❤ Ahhh, como é bom encontrar alguém que goste tanto dos livros da Colleen quanto eu! Ela sempre me surpreende e acho incrível como ela nos leva a dois extremos num mesmo livro, ora estamos rindo, ora chorando.
    Achei bem original a forma como os personagens se conhecem.
    É muito triste que Quinn esteja com depressão por não conseguir engravidar e que sua relação com Graham esteja ruindo.
    Bom saber que Graham é um mocinho maravilhoso, mas que também comete erros, o que traz humanidade para o personagem (coisa que adoro nos livros da Colleen).
    É interessante que a vilã da história não é alguém, mas sim algo, as circunstâncias.
    Espero que o casal possa superar as dificuldades do casamento.
    Com certeza vou querer fazer essa leitura em breve.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Rayane!
      Assim que fizer a leitura, deixe seu comentário.
      Amo compartilhar experiências de leitura.
      Tenho certeza de que se vc ama Colleen, vai amar Quinn e Graham com uma força espetacular!
      Amo a humanidade que colleen impregna nas suas personagens e a sutileza com que ela trabalha temas tão simples e complexos ao mesmo tempo. Paradoxal, não?! Ahahah
      Mas essa é collen Hoover.
      Bjs!

      Excluir
  6. Olá! Confesso que tenho uma relação de amor e ódio com a autora (risos). Seus últimos lançamentos não me agradaram tanto assim, por isso, não me empolguei muito em relação a essa história, a resenha até me encorajou a dar mais uma chance a ela, mas não nesse momento (#sorry).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina!! Mas não sempre dizem que amor e ódio são faces da mesma moeda? Ahahahahahah
      Assim que tiver a oportunidade, no seu tempo, leia! Vale a pena.
      Claro que, apesar de amar a Colleen, há livros da própria autora que não são lá meus favoritos, mas que estão longe de serem ruins. Para mim, é claro.
      Depois da sua leitura, Elizete, seja lá quando ela ocorrer, me manda uma mensagem ou um comentário dizendo se a relação com o "todas as suas imperfeições" foi de amor ou ódio. Estou mega curiosa pela sua opinião. Ahahhaahh
      Beijos. 😘

      Excluir
  7. Lud!
    Tive oportunidade de ler "As mil partes do meu coração" da autora e pelo que pude ver através da sua resenha, ela traz sempre assuntos importantes e que devem ser discutidos, sem pensar se é certo ou errado, ou se alguém é ou não culpado, apenas relata uma história envolvente que mostra que as circunstâncias da vida é que causam ou não determinado comportamento em determinada situação, acho fantástico.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudy, vc descreveu perfeitamente como funciona a escrita da Colleen.
      Ela sempre traz, sim, temas que de certa forma são tabu, mas com a leveza e naturalidade que só ela consegue descrever.
      Também tenho o exemplar de "As mil partes do meu coração" e prometo logo logo fazer uma resenha desse livro maravilhoso.
      Cheirinhos! 😘

      Excluir
  8. Eu simplesmente amo muita as obras da CoHo. E to com uma vontade imensa de ler a este livro desde o lançamento.
    Da para entender que as atitudes da Quinn foram tomadas por ela estar sofrendo muito. Achei profundo o livro mostrar que amor só não é suficiente, porque realmente as vezes não é.
    Ja com vontade de sentir um turbilhão de emoções com esse livro perfeito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente é um turbilhão de emoções e muito perfeito.
      Sofremos e amamos tão intensamente estas personagens...
      Sensações que só a maravilhosa Colleen Hoover provoca na gente.
      Beijos!

      Excluir