A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões

12 outubro 2019


“As águas estão calmas esta noite, tão límpidas que uma imitação de lua paira perto da superfície. Quando eu era criança, teria achado o efeito notável. Teria presumido que o reflexo fraco era tudo o que o mundo tinha a oferecer. Mas agora eu sei da verdade. Agora eu sei que existe muito mais para conhecer lá fora, mais do que tudo aquilo com que sempre me disseram para me contentar.”


SINOPSE:

Esqueça as histórias sobre sereias que você conhece. Esta é uma história diferente ― e necessária. E tudo começa no fundo do mar. Com uma garota chamada Gaia, que sonha em ser livre de seu pai controlador, fugir de um casamento arranjado e descobrir o que realmente aconteceu à sua mãe desaparecida. Em seu aniversário de quinze anos, quando finalmente sobe à superfície para conhecer o mundo de cima, Gaia avista um rapaz em um naufrágio e se convence de que precisa conhecê-lo. Mas do que ela precisa abrir mão para transformar seu sonho em realidade? E será que vale a pena? A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões chega para trazer um pouco mais de contos de fadas para a linha DarkLove, da DarkSide® Books. Mas não do jeito que você espera; aqui, a história original de Hans Christian Andersen ― e também suas versões coloridas e afáveis em desenhos animados ― é reimaginada através de lentes feministas e ambientada em um mundo aquático em que mulheres são silenciadas diariamente ― um mundo que não difere tanto assim da sociedade em que vivemos. No reino de ilusões comandado pelo Rei dos Mares, as sereias não recebem educação, não têm direito de fala, devem se encaixar em um padrão de beleza impossível e sempre sorrir. É neste cenário que a autora irlandesa Louise O’Neill apresenta uma história sobre empoderamento e força feminina. Com narrativa e olhar afiados, a autora ainda desenvolve aspectos do conto original que passaram batido, como o relacionamento de Gaia com as irmãs e as camadas complexas da Bruxa do Mar. A Pequena Sereia e o Reino das Ilusões, que chega ao mundo acima da superfície da água com o padrão de qualidade que virou marca registrada da DarkSide® Books, mostra como, em um reino comandado pelo patriarcado, ter uma voz é arriscado. Mas também como querer usá-la é uma atitude extremamente poderosa e valiosa. Ainda mais em tempos tão sombrios.
"Alguns homens têm muito medo de mulheres, minha criança. Esses homens são os que mais nos desejam, e são os mais perigosos quando não conseguem o que almejam."

Hoje é o dia das crianças e como não alimentar a alma com esta nova "roupagem" da narrativa que tem o meu coração desde pequena?!?!

Venham comigo, para a resenha do livro que ganhou o meu coração!!!
“Os homens nunca são chamados de adoráveis. Eles são logo estimulados à maturidade. Ao passo que nós somos obrigadas a nos comportar como garotinhas quando adultas; emanando juventude em nosso vocabulário e em nossos gestos. É irônico, na verdade, sendo que passamos a infância nos esforçando para parecermos adultas antes do tempo.”
A narrativa inicia na festividade do aniversário, de 15 anos - de Gaia - a nossa pequena sereia. Porém, este nome não é permitido no reino dos mares. Logo, todos chamam a filha ruiva dos Rei dos Mares de Muirgen.

Contudo, este aniversário é triste. O que deveria ser puro e cheio de risadas e celebrações, na verdade é um desfile de poder. Aonde a mulher significa, unicamente, um objeto de luxúria.
“Vejo-os aplaudir minha beleza, como se ela fosse uma espécie de conquista.”
Esta parte, nos embala na realidade em que a pequena vive no fundo do mar. Com suas tradições e obrigações. 

Nos apresentando a família real, seus acordos, seus vícios e até mesmo sua "felicidade " imposta.

E conhecemos a origem da curiosidade, pelo o mundo humano, que Gaia carrega em sua mente.
“Eu tenho ficado presa aqui desde então, ouvindo os homens conversarem sobre política e guerra, ignorando suas companheiras. Eu não esperava tantas semelhanças entre este mundo e o do meu pai. Guerra e dinheiro ainda são domínio masculino, conversas sérias e cochichadas em ambientes privados com charutos. Enquanto isso, espera-se que as mulheres se enfeitem com joias e estejam agradáveis aos olhos. Os homens falam, as mulheres escutam.”
Entretanto, há um abalo no mundo de Gaia, no momento de sua ida a superfície. Pois, além de visualizar um belo homem, ela ainda o salva. E desde então, não consegue mais esquecê-lo.

Amores, Muirgen está noiva de um homem muito mais velho (quase da idade do seu pai). E por não aceitar este destino, unindo o querer saber o que aconteceu com sua mãe e ser livre para tomar a suas próprias escolhas, que ela procura a bruxa do mar (Ceto).

Sim, esta parte é muito parecida com o que conhecemos do filme Disney. Ela fica sem voz e ganha pernas.
“Ali eu já costumava me perguntar por que minha mãe não tivera um final feliz. Talvez eles fossem reservados apenas às meninas obedientes.”
Todavia, mesmo que no inicio Oliver (o menino que ela salvou) tenha se mostrado "um príncipe" e quase tudo ao redor tenha a acolhido, Gaia  - com o passar do tempo - entende que trocou 6 por meia dúzia. E que aquilo que a incomodava em seu reino, se repete na superfície. 

Mas apesar de tudo que lhe ocorreu, nossa sereia consegue as respostas que procurava e vai além. Pois obtêm a ciência de culturas, que ao mesmo tempo que são catalogadas de diferentes, são iguais em muitos aspectos.

E ela consegue lapidar as informações conquistadas e cresce, essencialmente, em segundos. Mudando tudo e a todos ao seu redor.
“É o seu pai que tem insistido em me chamar de ‘bruxa’. Este é simplesmente um termo que os homens dão às mulheres que não têm medo deles, às mulheres que se recusam à submissão.”
O melhor deste livro são as questões levantas, sobre as ações que tomamos devido ao que a sociedade nos dita como "o certo".

O engraçado é que a capa nos embala a beleza e sutileza, enquanto as páginas nos remetem a uma realidade cheia de fissuras e corrompida pela a autoridade radical.

Nos levando a refletir que a vida é mais do que as utopias que criamos. E que muitas vezes , o que realmente nos falta é a confiança em nós mesmos. 

Cada mulher possui uma força descomunal, prova disso é o nosso dia a dia. 

Todas nós precisa compreender que somos mais que um relacionamento amoroso, mais do que a sociedade nos impõe, mais do que qualquer padrão de beleza... Nós somos genuinamente o que nós respeitamos ser.

E como dizia a escritora Andy Collins, no livro Ayra,"Existem mulheres fortes e mulheres que ainda não descobriram a sua força."

É de levantar e aplaudir a finalização deste livro. E ao fechar as páginas, você entende que o jeito que percebia o mundo foi modificado e que ocorreu um amadurecimento, significativo, em sua essência.

Então, até a próxima leitura!!!

Sobre a Autora:

Louise Neill nasceu em 1985 e cresceu em Clonakilty, em West Cork, na Irlanda. 

Mudou para Nova York para trabalhar na revista Elle, vivendo o dia a dia do mercado de moda intensamente. Voltou para sua cidade natal em 2011 e focou em sua carreira como escritora. Desde então, publicou quatro livros:
  • Only Ever Yours (2014)
  • Pedindo por ele (2015)
  • Quase Amor (2018)
  • As quebras de superfície (2018)
Atualmente escreve artigos sobre feminismo, moda e cultura pop para uma variedade de jornais e revistas irlandesas.

COMPRE O LIVRO
Editora: Darkside
Páginas:224
Ano de lançamento: 2019
ISBN: 978-8594541574

17 comentários:

  1. Quem dá uma olhadinha na capa,sem ler a sinopse ou uma resenha,imagina que a história é infantil,ou leve... Sem grandes pretensões!
    Mas ao ler a sua resenha, achei incrível como a autora criou um " mundo aquático",com muita magia, assim como também como uma crítica a tudo que a sociedade cobra de uma mulher.
    Para ser "perfeita" tem que seguir a cartilha. Se não aceita imposições, é de fato temida.

    E vive as mulheres fortes!

    Gostei da dica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janaina, eu indico este livro a todos. Exatamente, pelo o que vc comentou.

      É incrível como a escritora transformou uma magia aquática em um meio de reflexão sobre as cobranças e as autocobranças de uma mulher.

      É sensacional! Quando realizar a leitura, comenta conosco.

      Beijoos

      Excluir
  2. Olá!
    A beleza dessa obra logicamente faz o leitor almejá-la, e o que me deixa mais empolgado ainda é o fato de se tratar de uma releitura, algo que eu particularmente adoro. As questões que O'Neill levanta com essa narrativa inicialmente trivial são o ponto alto da história, de modo que todo o conceito dos contos de fadas é desconstruído para revelar uma protagonista dona de si mesma e que deseja a liberdade.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Alison! O modo que o conto de fadas é desconstruído, faz com que o leitor queira mais do que normalmente é oferecido. Há reflexão de início ao fim do enredo. E te faz torcer por ela, antes de qualquer relacionamento.

      Beijoos

      Excluir
  3. Lays!
    Bom ver que o livro não é apenas um conto de fadas como estamos acostumadas, traz questões importantes para nós mulheres e para tomarmos consciência que temos o poder de tomar nossas próprias decisões.
    cherinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudy, e o jeito em que refletimos esta consciência é fantástica.

      Vc vai adorar este livro!

      Beijoos

      Excluir
  4. Comprei esse livro recentemente em uma boa promoção e estou ansiosa para ler, é a primeira resenha que leio e fiquei bem interessada, não sabia que personagem não tem voz por ser mulher, isso indigna muito assim como na realidade, é muitos absurdo, fiquei pensando no sofrimento da personagem, ainda mais por ser obrigada a se casar e com alguém bem mais velho é um horror. É uma leitura que nos deixa refletindo sobre essa sociedade machista que esta difícil de mudar. Amei essa capa muito linda aliás como sempre a editora capricha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria, sou super suspeite... amo, de paixão, a arte que a Darkside faz. Os livros, sempre são lindooos.

      É um livro que te faz refletir, durante a leitura e ao final você precisa conversar com alguém sobre. É um vontade incontrolável.

      Beijoos

      Excluir
  5. Olá! ♡ Verdade, a primeira vez que vi essa capa eu podia jurar que se tratava de uma história bem estilo conto de fadas mesmo, voltada para um público mais jovem, então foi uma grande surpresa quando li uma resenha sobre esse livro e percebi que o mesmo não era nada do que eu esperava, apesar da capa totalmente colorida e fantasiosa.
    Nossa, é tão triste que uma data tão importante e especial como o aniversário, não tenha nada de feliz.
    As questões que o livro aborda são extremamente importantes, pois de fato somos muito mais do que qualquer padrão ou imposição da sociedade.
    Muito obrigada pela indicação, espero ter a oportunidade de fazer essa leitura em breve!
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rayssa, minha primeira percepção foi " meu pai, que capa excepcional!!!". Eu nem consegui me decidi se seria conto de fadas ou a história original. Surpresa eu tive, quando descobri que seria uma nova adaptação com ênfase na mulher.

      E a cada página lida, uma nova anotação no rodapé. É, simplesmente, fantástica!!!

      Espero, que vc goste muito! E depois, nos conta como foi a experiência.

      Beijoos

      Excluir
  6. Oiii ❤ Acho incrível que um livro de fantasia possa tratar de temas tão reais como padrões de beleza, machismo e patriarcado. Ao olhar para capa não dá para imaginar que o livro traz tantas reflexões sobre nossa sociedade e trata de temas tão importantes e atuais.
    Achei interessante a comparação que é feita entre o mundo de Gaia e o nosso, que ela tanto queria conhecer, mas que viu que não era assim tão diferente do dela.
    Estou curiosa para saber com detalhes os aprendizados que Gaia aprenderá, sobre seu amadurecimento, o que realmente aconteceu com sua mãe e como a trama é finalizada.
    Quero muito ler esse livro.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rayane,temas foram trabalhados de um jeito espetacular. Impossível, o leitor não perceber a sutileza de como cada um foi tratado e se impactar com a realidade lida.

      Quando realizar a leitura, venha compartilhar conosco!!!

      Beijoos

      Excluir
  7. Os livros da Dark sempre nos deixam babando. É bem interessante esse novo olhar sobre a história de uma sereia que se apaixona por um humano. Acho esse discurso do qual o livro se propõe sobre o papel da mulher na sociedade muito necessário e interessante. Infelizmente parece que tudo muda, mas a mulher continua não sendo respeitada como deveria. Claro que há exceções, estou falando de uma forma geral.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Evandro! Eu não tenho maturidade com a Darkside hauahauahau A cada lançamento, meu coração fica eufórico.
      Infelizmente, tenho a mesma percepção que vc. O mundo gira, porém, mesmo camuflado, o desrespeito continua. Isso é triste!
      Te entendo, sempre há exceções.

      Beijoos

      Excluir
  8. Por essa capa linda e tão delicada, parecendo que saiu de um conto de fadas, eu nem imaginaria que o livro fala de empoderamento feminino e contra o machismo. Adorei essa ideia de usar um conto de fadas que todos conhecemos para dar voz à personagem, uma sereia. Quero muito poder ter esse livro para mim.

    ResponderExcluir
  9. Olá! Ahhh esses é um dos meus livros mais desejados no momento, confesso que não tanto pela história em si, pois sempre achei a Ariel um tanto tonta, e sim por essa edição “maravilinda”. Acho que vai ser uma ótima oportunidade para tirar um pouquinho desse ranço, e vai ser incrível poder acompanhar essa história de um novo olhar e com semelhanças tão grandes do nosso dia-a-dia, principalmente por toda a bandeira do feminismo que o livro defende.

    ResponderExcluir
  10. Sem comentários sobre arte da capa e do livro em si que é marca registrada da Darkside. O livro me interessou muito pelo fato de recontar uma história infantil, a qual gosto muito, de maneira que explora os problemas atuais, fugindo completamente do conto de fadas. Certamente esse livro fará parte das minhas próximas leituras.

    ResponderExcluir