Bósnia, Albânia e Kosovo indignados com escolha do Nobel de Literatura 2019

11 outubro 2019


Autoridades da Bósnia, Albânia e do Kosovo se mostraram indignadas com a escolha de Peter Handke para o Nobel de Literatura, segundo informações divulgadas pela agência AFP

Peter Handke é considerado um admirador de Slobodan Milosevic e um negacionista dos crimes perpetrados durante as guerras na ex-Iugoslávia.

O autor esteve presente no funeral de Slobodan Milosevic – ex-presidente da Iugoslávia acusado de genocídio e de outros crimes de guerra entre 1991-1995, que morreu em 2006. Durante o funeral, Handke teria defendido o ex presidente e proferido elogios ao mesmo. Milosevic suicidou-se na prisão enquanto aguardava julgamento por crimes contra a humanidade. 

Em Kosovo, palco do último enfrentamento armado na antiga Iugoslávia, que acabou com 13 mil mortos, no principal jornal da região – Koha Ditore – escreveu: 

Versão online do jornal Koha - Kosovo/2019


“Um admirador de Milosevic e um negacionista recebe o Nobel de Literatura”.
O ator bósnio Nermin Tulic, gravemente ferido durante o cerco a Sarajevo pelas forças sérvias (que causaram 11 mil mortos), comentou a atribuição: 
“Handke é um excelente escritor e seu apoio a Slobo [Milosevic] e ao genocídio faz parte do seu grande trabalho”.
Sefik Dzaferovic, vice presidente do Partido de Ação Democrática e membro da presidência da Bósnia (uma espécie de parlamento) qualificou a decisão de "escandalosa e vergonhosa".

"É vergonhoso que o comitê do prêmio Nobel esqueça tão facilmente que Handke justificava as ações de [ex-presidente sérvio] Slobodan Milosevic e o protegia com seus comparsas Radovan Karadzic e Ratko Mladic, que foram condenados [pela justiça internacional] pelos mais graves crimes de guerra, entre eles genocídio", declarou Dzaferovic.
A ASHAK pediu que a decisão fosse anulada como "um ato de entendimento e solidariedade com todos os povos do mundo que lutam por liberdade e valores democráticos".

A Academia sueca se defendeu dizendo que a escolha de Peter Handke deu-se pela sua contribuição literária e não por seu envolvimento  ou ideologias políticas, mas em uma época que tanto se discute se devemos dar crédito a fomosos que se envolvem em escândalos sexuais na industria do cinema; que se declaram abertamente homofóbicos ou racistas... ter um autor que supostamente apoiou o genocídio agraciado com um Nobel.... é.... não pegou nada bem pra reputação da Academia. 

PS: A redação, particularmente, concorda com a Bósnia, Albânia e Kosovo. 

O que vocês acham dessa história? Acreditam que a Academia errou na escolha de Peter Handke, ou que ele deve ser julgado apenas pela sua contribuição literária como afirma a Academia Nobel?
Deixe seus comentários.

Fontes: 
https://www.afp.com/pt/noticia/854/bosnia-albania-e-kosovo-rejeitam-nobel-de-literatura-para-peter-handke-doc-1lb3r01 
https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/bosnia-e-kosovo-indignados-com-o-nobel-da-literatura-500129

6 comentários:

  1. Cara, que coisa surreal... Entendo que um Nobel analisa o trabalho da pessoa enquanto escritor, mas algumas coisas não podem mais ser aceitas hoje em dia, como você mesma colocou no post. Sinistro. :(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma questão de marketing negativo. Mesmo que o trabalho do autor seja excepcional (não conheço, logo, não sou capaz de opinar), a Academia não deveria querer ter a sua imagem associada a isso. Olha quantas noticias foram geradas por causa das opiniões políticas dele e quantas citam a Academia. É simplesmente bom senso em relação ao marketing negativo que é gerado... mas quem sou eu pra criticar o departamento de marketing do Prêmio Nobel, né? Vai ver as últimas polêmicas que eles vem se envolvendo sejam justamente por isso... falem mal, mas falem de mim...

      Excluir
  2. Olá!
    Considerando a influência da Academia no que tange à literatura, é claro que não pegou bem essa história, e é triste que um escritor tão talentoso tenha demonstrado seu apoio a atitudes extremistas e que são contrárias aos ideias pacifistas. Mas provavelmente nada irá mudar com esses protestos, embora fosse totalmente adequado a anulação da condecoração.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Realmente, não acredito que os protestos mudem alguma coisa. O mesmo aconteceu quando o Bob Dylan foi escolhido. Acho que a Academia esta se acostumando a ter posições polêmicas e dessa forma se manter no foco da mídia. Além disso, o ser humano tem memóra curta. Já já essa história é esquecida e todos seguem com suas vidas até a próxima treta envolvendo o NObel no ano que vem...

    ResponderExcluir
  4. Nat!
    Acredito que estamos em uma época onde nossos pensamentos e ações são julgados constantemente.
    Não sou a favor de premiar alguém que defende posicionamento a favor de genocídio e outras atrocidades, agora vendo pelo lao literário, nem posso comentar, porque não conheço os escritos da criatura, ainda assim, não tem meu voto.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  5. Não estava sabendo disso, que triste algo assim, não achei nada legal essa atitude da academia, mesmo eles levando em conta o lado literário, acho que deveriam ter repensado nesse histórico do autor, ou se redimido, não conhecia o autor acredito que não li nada dele e nem tenho curiosidade de ler. É uma pena não darem importância a certos atos e comportamentos de algumas pessoas entre outras coisas.

    ResponderExcluir