O Anatomista

20 novembro 2019


Atenção: Esta resenha é recomendada para maiores de 18 anos.

O aviso colocado acima deve fazer vocês pensarem que este é um livro hot, certo? Mas ele não é. Trata-se na verdade de uma biografia. Uma biografia romanceada, é verdade, mas é uma biografia.
Então por quê o aviso?
Porque não dá pra falar da história de Mateo Colombo, anatomista italiano, que é o biografado neste livro, e que foi o descobridor do clitóris (é isso mesmo, o órgão responsável pelo prazer feminino), sem falar de sexo. E este livro tem umas passagens bem bizarras, que eu preciso desabafar com vocês...então...tem que ser maior de 18 anos mesmo!

MAS VAMOS COMEÇAR PELO INÍCIO...

O livro é narrado em terceira pessoa, e começamos a acompanhar a história de Matteo Colombo quando este já encontra-se preso pelo Tribunal da Santa Inquisição depois de ter escrito um artigo onde ele informava ter descoberto o órgão responsável pelo prazer feminino e portanto pelas vontades e desejos da mulher.
A Igreja na época, é claro, não queria saber desse negócio de mulheres tendo desejos e vontades próprias. As mulheres existiam apenas para procriar e satisfazer os homens, portanto, é óbvio, que a obra de Mateo foi fortemente censurada e ele preso.

A partir deste momento, ele escreve uma carta para sua "musa", ou seja, a mulher que lhe possibilitou tal descoberta: Inês de  Torremolinos.

Inês é o melhor exemplo de uma mulher da época. Casou-se forçadamente com um homem repugnante com quem teve três filhas; nunca reclamou e foi devota ao marido até a morte. Depois que ele morreu, ela se enfiou de cabeça na religião e virou o melhor exemplo de beata que você possa imaginar, indo inclusive morar em um monastério.

Um dia, Inês ficou doente, e o abade do monastério chamou Mateo para vê-la.
Entendam...nessa época, um anatomista era também um médico. Quando Mateo chega para verificar as condições de Inês, ele a encontra inconsciente.

VAMOS COMEÇAR AS BIZARRICES...
Ele começou a apalpar a paciente...tirar pressão...tudo normal. Então ele, não encontrando nada demais, resolve despir a mulher. Ok...
Depois de despi-la totalmente, ele toma um susto!

"Mateo Colombo pensou que Bertino estava completamente louco. Levantou-se e foi tentar acalmar o discípulo quando, para seu estupor, pode ver entre as pernas da doente uma perfeita, ereta e diminuta vara." - pág 83

Entenderam, né?

"Levado pela pura intuição, o anatomista (...) começou a esfregar a diminuta "glande", (...) e pode notar que toda a musculatura da doente - que até então permanecia completamente lassa - adquiriu uma súbita e invariável tensão, (...)" - pág 84

E nesse momento a doente, que até então estava inconsciente...acorda!

VAMOS PARAR E ANALISAR ISTO...

Em nenhum momento do livro será explicado por que raios a mulher estava inconsciente. Após este episódio, ele passa a dar "esfregões" diários na mulher e dessa forma ela vai "melhorando de saúde".
Que eu saiba, tesão enrustido não deixa ninguém inconsciente!!!
E a mulher estava realmente inconsciente, porque o anatomista tirou a roupa dela inteira sem que ela acordasse!!! Então, o que realmente a acordou foi os "esfregões".
o.O

MAS OK... VAMOS CONTINUAR...
Inês se apaixona por Mateo, pois ele foi o primeiro e único homem a lhe dar prazer, mas Mateo já esta apaixonado por uma prostituta chamada Mona Sofia.
Eis que o livro dedica um capítulo inteiro para nos apresentar a história de Mona Sofia. E eis que eu me deparo com um dos capítulos mais bizarros e nojentos que eu já li na minha vida. E olhem que já li muitos livros nesta vida...

Mona Sofia ainda pequena, com uns 5 anos, já vivia em um bordel. E desde que o mundo é mundo existem pederastas. A dona do bordel, vendo que a criança era um demônio, entregou-a para um desses pederastas, para que "ela aprendesse a ganhar a própria comida". Ou seja, Mona Sofia começou na profissão bemmmm cedo. Tipo: 5 anos!!!
E quando ela esta "atendendo" o cliente, ela morde a "vara" dele, arranca um pedaço e começa a mastigar. Quando a dona do bordel entra no quarto, encontra a criança mastigando o negócio e olhando para ela com um olhar maligno do tipo:
"Fiz um bom trabalho? É assim que eu devo ganhar minha comida?"
Bizarro ao Quadrado!!!

Mas então, se Mateo Colombo é apaixonado por Mona Sofia, ela é que deveria ser a sua "musa", não? Para ela é que ele deveria escrever a carta perante as faces da morte, certo?
É...se ela ligasse para ele. Ela ignora a existência dele. Mas, querendo encontrar a fórmula para o amor de uma mulher, Mateo resolve experimentar uma poção em sua própria vara com outras cortesãs, a fim de conseguir encontrar uma solução para ganhar o amor de Mona Sofia. E, é óbvio que isso não dá certo e ainda fará várias prostitutas passarem mal...
0.O
Fala a verdade...essa resenha tá ficando cada vez melhor, né?

QUAL A RAZÃO DE EXISTIR MONA SOFIA NA HISTÓRIA?
Além de inserir um romance inexistente, só mostrar que ele já estava procurando a "fórmula do amor".  Porque a Mona Sofia em si,  não traz nenhuma contribuição significativa para a história. Essa função fica com Inês mesmo.

O POR QUÊ DESTA HISTÓRIA
E ai temos outro problema: o por quê desta história.
Regra básica de roteiro. Para você contar uma história, precisa ter um por quê. Ou seja, o personagem precisa partir de um ponto...ter um crescimento, um amadurecimento, e no final ter avançado em alguma coisa. Se você começa de um jeito e termina exatamente igual, não tem por quê contar a história.
Qual é a mensagem que o livro quer passar? Qual é a lição de moral?
Sinceramente? Nenhuma.
Porque nem mártir do tribunal da inquisição ele vira!
Então, por que eu perdi horas preciosas da minha vida lendo isso?
Não faço ideia.
Mas se você chegou até o final desta resenha, meus parabéns! Agora você sabe como descobriram o clitóris! Por mais bizarro que tenha sido...

COMPRE O LIVRO

Editora: Bertrand
ISBN: 978-8528616934
Ano: 2015
Páginas: 168

8 comentários:

  1. Bizarrice pura...Nem sei o que dizer!
    Bem, para ser sincera,dei boas risadas aqui da forma em que resenhou esse livro . Quanto a história,sei que se eu o lesse, ao terminar de ler, me sentiria bem perturbada. E ler um livro e se sentir assim é muito ruim.
    Já li um livro há algum tempo atrás, que uma mulher tenta desvendar as causas da morte de sua irmã. E acaba se envolvendo com um cara sórdido,e responsável pelo fim da tal irmã.
    E a trama é nojenta!
    Me senti como você ao ler o livro; Perdi horas preciosas da minha vida.

    Mas é assim mesmo. O legal de tudo é que a resenha foi divertida! :D

    ResponderExcluir
  2. Nat!
    kkkkkkkkkkkkk
    Acho que o porquê do livro seja exatamente esse: mostrar quem descobriu o clitóris... kkkkkk
    Tem livros que são perda de tempo mesmo.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  3. Nossa que história doida, nunca tinha pensado sobre o assunto se alguém teria descoberto o clítoris e que forma de descobrir, pura curiosidade do anatomista, mas achei estranho não falar o que a mulher tinha. Bom é uma pena perder tempo com livros assim, mas se alguém não ler como saber se vale a pena, mas pelo menos deve ter sido divertido e descobriu algo sobre as mulheres.

    ResponderExcluir
  4. Olá! E eu achando que essa seria mais uma história de terror que me faria querer fugir para as colinas, se bem que mesmo não se tratando de um terror, a fuga ainda se faz necessária, a história em si é bem estranha e sem dúvida afasta qualquer vontade em querer ler, fiquei aqui me perguntado, como você achou esse livro?!

    ResponderExcluir
  5. Oiii ❤ Que história bizarra! Não sabia que foi assim que o clitóris foi descoberto. Bem estranho Mateo ter despido Inês e ter feito ela despertar dessa forma pouca convencional.
    Mas achei ainda mais bizarro essa cena de Mona Sofia arrancando um pedaço do órgão de um homem e comendo. Estou horrorizada com isso!
    Esse é um livro que eu não leria.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  6. Olá!
    Eu nem sem como começa a falar do livro, em certo momento da resenha fiquei com bastante nojo pela parte da sofia ter arrancando o órgão masculino. E pela parte de como o cara descobriu o clítoris feminino, algo bem interessando levando em conta.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  7. Olá! ♡ Com toda certeza eu não vou ler esse livro! Quantas coisas bizarras para um livro só, credo kkkk. Não tenho estômago para esse tipo de livro não, é muito nojento.
    E ainda por cima o livro não tem mensagem nenhuma, acho que nunca li um livro assim.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Bizarro é pouco, kkkkk Nao vou ler esse livro, mas dei boas risadas com a resenha. Que livrinho esquisito!

    ResponderExcluir