Destaques

25 fevereiro 2020

Inteligência Emocional

Harvard Bussiness Review


A Inteligência Emocional é a aptidão mais importante para o desenvolvimento de um grande líder, porém, ela não recebe o devido valor. Muitos ainda associam grandes líderes a fatores como QI e aptidões técnicas. Não quer dizer que esses fatores não sejam importantes, mas quando avaliado em diversas pesquisas de liderança, o ponto recorrente e determinante para um grande líder, sempre estava associado a um alto grau de Inteligência Emocional.
Mas o que é Inteligência Emocional? E como podemos desenvovê-la? 

A Inteligência Emocional pode ser divida em cinco pontos chaves:



AUTOCONHECIMENTO

AUTOCONTROLE

MOTIVAÇÃO

EMPATIA

DESTREZA SOCIAL 

Uma das características mais importantes das pessoas com alta inteligência emocional é a resiliência. E, em uma geração voltada ao imediatismo, a resiliência tem sido cada vez mais difícil de ser encontarda nos jovens. Resiliência é a palavra da moda em qualquer entrevista de trabalho, mas quantas pessoas são realmente resilientes? 

O QUE É RESILIÊNCIA?


Segundo a psicologia, a resiliência é definida como a capacidade de o indivíduo lidar com problemas, adaptar-se a mudanças, superar obstáculos ou resistir à pressão de situações adversas - choque, estresse, algum tipo de evento traumático, entre outros.
Por que algumas pessoas passam por adversidades, e mesmo assim não desistem?
Quais são as características dessas pessoas que permitem que elas sempre sigam em frente? 

Segundo Diane L.Coutu, no artigo "O mecanismo da resiliência", publicado pela Harvard Bussiness School em 2002, afirma que algumas pessoas nascem naturalmente mais resilientes que outras, mas diversas pesquisas demonstram que a resiliência pode ser aprendida e desenvolvida. E existem três características que definem uma pessoa resiliente. São elas: 

- Aceitação ferrenha da realidade
- Uma crença profunda de que a vida tem sentido
- Uma capacidade excepcional de improvisar. 

Ainda segundo o artigo, é possível se recuperar de eventos traumáticos com um ou duas dessas capacidades, mas só é realmente resiliente quem possui as três características. 

ENFRENTAR A REALIDADE

Pessoas resilientes tem uma visão bem sóbria e sensata da realidade. Isso não quer dizer que as pessoas resilientes são pessimistas, mas sim que elas tem plena consciência de que estão aonde estão devido as escolhas que fizeram; ou não ficam projetando coisas que não dependem inteiramente deles. 

A VIDA TEM SENTIDO

A cada adversidade, as pessoas resilientes veem como uma oportunidade de aprender algo, dando um sentido completamente diferente para os problemas. Ao invés de se perguntarem "Por que determinada coisa esta acontecendo com ela", elas enxergam como uma oportunidade que a vida esta lhe dando de desenvolver algo. 

Para os cristãos, "Deus dá a cruz que cada um consegue carregar". 
Para os espíritas, "Se você esta passando por isso, é porque precisa desenvolver o seu espírito neste sentido"
Para quem não acredita em nada, "Por que não estaria acontecendo comigo? Eu não sou diferente de ninguém, logo, estou propenso as mesmas adversidades."
Todos passam por adversidades, mas o sentido que cada um dará a essa adversidade varia. O importante é não entrar no estado de vítima e encontrar um novo sentido para aquela situação. 

NOTA DA REDAÇÃO

Se quiser aprender mais sobre como desenvolver essa capacidade de dar um novo sentido as adversidades, a pesquisadora sugere a leitura de "Em busca de sentido" de Viktor I. Frankl, um psicólogo que desenvolver uma técnica chamada logoterapia durante o período que viveu nos campos de concentração nazista. 

CAPACIDADE DE IMPROVISAR 


É o famoso "Se vira!", ou falando de forma bonita, seria a capacidade criativa de encontrar soluções para problemas e novos usos para objetos.

ADQUIRA O LIVRO 



Reações: 

Comentários via Facebook

10 comentários:

  1. Eu li vários livros sobre inteligência emocional assim que eu entrei na faculdade de psicologia e posso dizer que mudaram o meu jeito de pensar e agir é um tipo de leitura bastante instrutiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E cadê a lista dessas leituras aê? Compartilha com os amiguinhos! Nós precisamos desenvolver o ser humanozinho aqui!

      Excluir
  2. Oooie
    Nunca li nada sobre inteligência emocional, mas estava procurando uma leitura nesse estilo. E esse parece ser bem interessante, com vários pontos importantes, acho que vou dar uma conferida.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Confere e depois vamos trocar figurinhas sobre livros relacionados a este tema. =)

      Excluir
  3. Olá! Eu posso afirmar que o brasileiro é campeão na arte do improviso! Eu mesma me melhor nas situações em que sou pega de surpresa e preciso improvisar (tudo bem, não em todas, mas na grande maioria), em contrapartida sou um desastre na hora de falar sobre inteligência emocional, acho que me falar um grande grau de experiência nesse quesito, mas estou tentando!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já sou expert na arte de falar e muito ruim em improvisar. Eu normalmente tenho um plano A, B,C e D, justamente porque se eu tiver que improvisar... vai dar merda. Hahahahahahaha

      Excluir
  4. Nunca cheguei a ler nada sobre inteligência emocional, e confesso que leituras voltadas para a psicologia não me atraem muito. Porém, nunca cheguei a ler o tema antes, acho que por certo preconceito de minha parte, mas espero achar o livro e o momento certo para ler e poder conhecer a escrita.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é normal Fabiolla. Primeiro, com o tempo podemos nos abrir para outros gêneros literários e acabar descobrindo que gostamos daquilo também. Eu não lia romance de época, e hoje, adoro! Outra coisa é que conforme vamos envelhecendo, nossa curadoria de livros que entram na listinha de "para ler" vai ficando mais seleta e vamos acrescentando mais livros que tragam algum valor a nossa vida. O Mario Sergio Cortella fala isso em um programa do Cauê Moura (acho que o nome é Poucas). Isso não quer dizer que você não vá mais ler romances de época, por exemplo, mas sim que verá cada vez mais livros de autoajuda, empreendedorismo e afins na sua listinha. Super normal. Cada um tem o seu tempo e sua prioridade de leituras de acordo com a fase da sua vida. =)

      Excluir
  5. Naty!
    Tive oportunidade de ler muita coisa sobre inteligência emocional e participar de várias palestras e eventos relacionadas ao tema, principalmente quando fazia a faculdade e posteriormente no trabalho que incentivava bastante essa área e gostei de toda análise e amostra sobre o tema.
    Sou muito boa em me adaptar e resolver as coisas de improviso, nada planejado comigo dá certo...kkkkkkkk
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sei que isso é horrivel de se dizer, mas eu te invejo! Hahahahahahaha
      Eu não sei improvisar. Eu sei traçar planos. Plano A...B...C... mas se algo surgir no meio do caminho que eu não tivesse previsto e possa sacar um plano do bolso pra lidar com aquilo...FUDEU! CRISE DE ANSIEDADE, DEPRESSÃO, SÍNDROME DO PÂNICO OU TUDO AO MESMO TEMPO automaticamente serão disparados pelo meu cérebro.
      Rsrsrs
      E adaptação é outro problema... eu normalmente tento moldar o mundo a minha vontade. =(

      Excluir

Instagram

© Perdida na Biblioteca - Notícias do Mercado Editorial para Leitores – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in