Destaques

14 fevereiro 2020

Mar Aberto


"Diga-me quem você mais perdoou na vida, e eu, então, saberei dizer quem você mais amou.
Padre Fábio de Melo"

Ano passado, conheci a escrita envolvente da Zoe X, lendo seus romances dark's e, lógico, me viciando na série Dark Hand.

Aí este ano a ninja me lança, na amazon, um romance clichê .... C-L-I-C-H-Ê!!!!

Eu tive que conferir. 😉

Então, venham comigo!!!

SINOPSE: 

Casey é um problema, e eu não afirmo isso por conta do estilo rebelde, sua música barulhenta, botas de combate ou tatuagens que fecham os braços e pescoço. Eu afirmo isso porque vi com meus próprios olhos todas as rachaduras que haviam dentro de seu coração.

London é muito mais que a garota esquisita, mesmo que sempre haja tinta em seus cabelos quando ela sai atrasada da sala de artes, mesmo que seu guarda-roupa seja um pouco peculiar e sua falta de fé no amor seja compensada em uma fé — tão singular quanto ela — em Deus.

Quando o caminho de duas pessoas tão diferentes, mas tão parecidas, acaba se cruzando, é inevitável fugir, por mais que elas tentem.

Uma aposta, um mergulho mais profundo, e nada nunca mais será igual.

Você está pronto pra mergulhar nesse mar aberto?

Este livro faz parte de uma série de romances independentes que acontecem no mesmo universo.


Neste enredo, conheceremos a forte London. Uma nova adulta, que está entrando na faculdade. Que, a mesma, conseguiu ingressar graças a um projeto de artes que criou.

Uma mulher determinada, criativa, com um coração bom, introvertida e com uma fé capaz de mover montanhas. 

Em uma noite, o seu caminho cruza com o do vocalista da banda Infinity. O arrogante e conquistador Casey.

Que é o próprio personagem rico, com problemas familiares, pega e não se apega, popular e se sente a última coca cola no deserto.

Eu avisei que era clichê! hauhauhau
"Eu sabia que Casey era assim, porque conhecia gente que gostava de esconder seus demônios colocando para fora, em forma de barulho. 
Quanto maior o barulho externo, menos o interno."
Depois do primeiro encontro que, obviamente, acabam se odiando, seus caminhos se cruzam e o daí surge a aposta (Não vou entrar em detalhes sobre qual é a aposta e o porque do seu surgimento, pois o importante é: Vai dar merda!!!).

E é aí que o óbvio acaba. 
"[...] amo poder descobrir que quanto mais fundo eu mergulho, mais em casa eu me sinto"
Exatamente, um clichê surpreendente. Pois tem uma harmonia em seu desenvolvimento. Ambos os personagens crescem e o leitor percebe o quanto cada um poderia ser qualquer pessoa que conhecemos. Afinal, os dois erram, os dois acertam, os dois possuem momentos conturbados e outros de resiliência ... E o leitor ter a oportunidade de ler, esta história, sem apontar que é errado demais ou que é perfeito demais é o primordial.

Sim, o nosso protagonista não iniciou o jogo de conquista de uma forma "pura", era uma aposta. Porém, nossa mocinha é sensacional. E mesmo em meio ao medo, ela vai dando passos para ir conhecendo o que está ao seu redor e se deixando conhecer.

Aí você fala: Pow, Lays!!! Você não escreveu ali, aposta? Sim, escrevi sim amores. 

Todavia, isso foi o quebra gelo, digamos assim. O enredo abordou diversos temas ( como: família, amizade, traição, morte ...), e evoluiu conforte se desenrolava um capítulo. 

E isto, foi permitindo o conhecer e o experimentar, dos nossos personagens. E decidir o que queriam ou não. Exemplo: Ela não deixou a fé dela, mas compartilhava esse amor. E ele não abriu mão da banda, pelo sentimento dele e sim, aceitou outras ideias.

E a estrutura de que nenhum dos dois precisou mudar (no profundo do ser), para conquistarem um ao outro e escolherem um ao outro, foi o diferencial.

É isso que eu gosto na escrita da Zoe, ela não permite que seus personagens sejam influenciáveis para se adaptarem um a vida do outro. Ela os deixam fortes para se aceitarem e amarem, mesmo as particularidades. Isso que é o legal.
"Eu te imaginava como essa lagoa. Profunda até um tanto, porque realmente acredito que todo mundo que lida com artes precisa ser, mas completamente limitado por essa sua postura de bad boy inalcançável. [...] Agora eu tenho certeza que você é mar aberto, cheio de corais afiados para se defender e fendas tão profundas que ninguém nunca viu o que realmente tem lá no escuro. "
Eu adorei a narrativa. Compreendi a formação de cada personagem. O temas tratados, foram no tom certo. Mesmo a Zoe possuindo uma mão pesada para traumas.

O clímax .. foi impactante. Contudo, a escritora soube não ultrapassar o limite e isso fez que não se perdesse o tom da história.

O desdobrar final, foi de se aplaudir. Principalmente, o engrandecimento dos tema como perdão, aceitação de quem se é e a confiança. 

O único ponto que me incomodou, foi não ter lido a conversa do Casey com a avó. Devido ser uma parte dele que possuía muita força em suas decisões. E, realmente, senti falta desse diálogo. 

Entretanto, é um clichê gostoso de se ler, criativo, humorado, as músicas escolhidas se encaixam e fazem com que o leitor se conecte com a intenção da escritora, sagaz e reflexivo.

Vale a pena, conferir essa história!!!

Até a próxima leitura, amores!!!
Título: Mar Aberto
Autor: Zoe X
Páginas: 321
Ano de Lançamento, na Amazon: 2020

Reações: 

Comentários via Facebook

7 comentários:

  1. Ooooie
    Amo um bom clichê, é tudo de bom rs. Nunca li nada da Zoe, mas parece que ela tem uma escrita bem bacana.
    Vi algumas pessoas falando muito bem desse livro e fiquei curiosa, acho que vou dar uma chance e aproveitar que ele está no kindle unlimited.
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lynn, aproveita que está no Kindle unlimited e confere. Depois, nos diz o que achou. É um romance muito fofo.

      Excluir
  2. Lays!
    Gosto demais dos romances clichês e quanto mais, melhor.
    Adorei toda sua análise e o enredo e ficaria bem feliz em poder acompanhar o desenrolar dessa história.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rudy, é um livro gostosinho de ler. Mesmo a ZOE X possuindo a mão pesada para construir os personagens, ela sabe casar e desenvolver muito bem, cada um. É muito bom! E é uma escritora nacional.

      Excluir
  3. Olá! Eita que eu também conheço a escrita da Zoe, por esse seu lado mais dark e fiquei bem surpresa em encontrar uma história clichê vindo dela, já quero ler (risos). Uma dose de clichê nunca há de fazer mal neh!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elizete, eu fiquei impactada quando vi que ela tinha escrito algo clichê. Mas foi uma surpresa totalmente satisfatória. Ela possui uma criatividade e uma escrita envolvente inegável.

      Excluir
  4. Adoro o bom e velho clichê, mas adoro ainda mais quando ele é bem desenvolvido e acompanhado de reviravoltas.
    E fiquei super curiosa para saber sobre como vai ser o relacionamento desses dois, já que fiquei com a impressão que um é o completo oposto do outro, e saber mais sobre essa aposta e as suas consequências.

    ResponderExcluir

Instagram

© Perdida na Biblioteca – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in