Destaques

05 abril 2020

De repente uma noite de paixão



“Pode colocar fogo no mundo. Só permita que eu ofereça os fósforos.”


Você lembra, que eu falei que possuo três escritoras, de romance de época, preferidas? tchan tchan tchan ...

Lá vai mais uma para você.. 💙😉

Venha para a história mais sensual da Diva Kleypas!!!



SINOPSE:

Não há espaço para romance na vida da escritora Amanda Briars. Reconhecida no meio literário londrino, ela realiza as próprias fantasias através das personagens que cria em suas histórias de amor. Em nome da liberdade, está satisfeita em viver na solidão.

Amanda só não quer completar 30 anos sem nunca ter experimentado o prazer, e a solução mais discreta é contratar os serviços de um profissional. Quando o homem aparece à sua porta, a atração entre os dois é evidente, mas, para frustração dela, ele interrompe a noite de paixão no meio e vai embora.

Uma semana depois, ela o reencontra em um jantar e descobre que Jack Devlin é, na verdade, seu novo editor. Amanda fica mortificada.

Porém as lembranças daquela noite permanecem vivas na mente dos dois, e basta uma centelha para que o fogo entre eles se reacenda. Só que Jack, filho rejeitado do nobre mais notório de Londres, tem o coração endurecido e não acredita no amor, enquanto Amanda resiste ao desejo crescente em nome de sua independência.

Quando o destino entrelaça suas vidas, suas convicções mais profundas entram em choque. Agora os dois precisam decidir se, depois de conhecerem a verdadeira paixão, conseguirão voltar a se satisfazer com menos que isso.
"Algo nela, lhe dava vontade de sorri[...]"
Desta vez, não é uma série da Diva.

 Aqui conheceremos uma história entre uma escritora e seu editor. Um livro único, porém, que trouxe os elementos que tanto gostamos na escrita da Lisa.
"[...]algo capaz de transportar a mente para longe do presente, para longe de quem é. Todos precisam disso. Antigamente, em uma ou duas ocasiões na minha vida, pareceu que os livros eram a única coisa que havia entre mime a insanidade [...]"
Conhecemos Amanda Briars, em seu aniversário de 30 anos. E como uma mulher naquela época não estaria casada ou viúva, nessa idade? Infelizmente, naquela época (e infelizmente, de novo, até hoje) era chamada de solteirona. Afinal, é mais fácil apontar o dedo, do que simplesmente aceitar que foi por opção... Mas, retornando ao livro...

Amanda, que sempre acreditou que o amor deveria ser mais "irresistível e primitivo. Que deveria dominar completamente a pessoa, como os livros, poemas e baladas descrevem"(pg.121).

Chegou em um momento da vida, que não acreditava que se casaria. E não queria um relacionamento, se não fosse do jeito que idealizou.

Então, decide experimentar o gosto da paixão, na noite de sua nova primavera, contratando um acompanhante. Mas...

Jack, que exala virilidade, é que aparece em sua porta. 
“Jack amava a força daquela mulher, sua abordagem objetiva da vida, sem falso sentimentalismo. E então lhe ocorreu que sempre precisara de uma mulher como ela, alguém que não se deixaria intimidar pelo enorme rebuliço de ambição e caos que o perturbara por toda a vida. Era enternecedora a confiança dela em sua própria capacidade de reduzir um problema ao seu tamanho real.”
Jack Devlin, só tinha que ir a casa da Senhorita Briars para lhe fazer uma proposta profissional. Todavia, ao olhar aqueles olhos cinzentos e perceber o mal entendido que ocorreu, decide aproveitar da melhor forma, mas sem comprometer, completamente, a dama.

Contudo, mesmo uma semana após aquela noite, ambos não se esquecem.

E em meio a uma festa onde várias pessoas do mundo editorial se encontram, Amanda percebe que aquele homem que bateu a sua porta é o seu novo editor. O mesmo, que ela não para se sonhar com ele.

Já Jack percebe que a dona de seus pensamentos profundos, desperta até mais desejo nele, pessoalmente, do que ele se recordava.
"[...] Ele era incrivelmente perceptivo para um homem, pensou Amanda. Tinha habilidade de ouvir o que ela não havia dito tão claramente quanto o que ela verbalizara."
Como sempre, Lisa soube criar diálogos e cenários instigantes e criativos. Que possuem um caminhar coerente e exitante. 

Amanda uma mulher independente, orgulhosa e racional. Conquistou sua vida financeira, com o seu próprio trabalho e em uma época que a mulher precisava ser vinculada a um homem, pois não possuíam o direito de ir e vir.

Jack é um bastardo, que sempre lutou para proteger os que ama e batalhou para conquistar cada moeda de sua riqueza. Um homem, que criou muralhas para que os sentimentos não transbordassem. 


Logo, um relacionamento entre eles se torna coerente. Mas ao virar cada página percebemos que eles precisam se abrir e confiar em seus sentimentos.

"Mas um dia, pesseguinha, o seu lado romântico vai triunfar sobre a sua natureza prática. E espero estar por perto quando isso acontecer."

Muitas situações acontecem e percebemos o quanto a escritora vai trabalhando de formas diferentes, em cada um dos protagonistas.

Óbvio, que muitos confrontos acontecem, mas também gargalhadas e uma química que ultrapassa as palavras.

É  o livro mais hot da Diva, que já li? Certamente, que é. 

Apesar disto, é um enredo fluído, que o ritmo de leitura não cai. Pois há uma harmonia deliciosa e uma disposição em concluir o desenvolvimento da personalidade de cada um e de fechar ciclos, sem desrespeitar a identidade dos personagens.

É ótimo realizar uma leitura, que até tanto os protagonistas, tantos os personagens secundários, são carismáticos. Cada um do seu jeito e contribuindo para dar sentido da narração. Em outras palavras, cada figura possuí sua importância e significado.

É uma leitura que indico a todos, com mais de 18 anos. Então, ...

Até a próxima leitura!

"-Às vezes a única diferença entre a vida e a morte é a capacidade de manter uma mínima centelha de esperança.[...]"
Título:De repente uma noite de paixão
Escritora: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Sobre a autora: (Retirado do site da Amazon)

Formada em Ciências Sociais pela tradicional Universidade de Wellesley, LISA KLEYPAS foi Miss Massachusetts antes de deslanchar como escritora de romances históricos.

Publicada pela primeira vez aos 21 anos, já escreveu mais de 40 livros, que são best-sellers no mundo todo e foram traduzidos para 28 idiomas.

Lisa ganhou prêmios RITA e muitas menções honrosas em publicações especializadas. 

Mora em Washington com o marido e os dois filhos. 

Dela, a Editora Arqueiro publi­cou as séries Os Hathaways, As Quatro Estações do Amor e Os Ravenels.

Reações: 

Comentários via Facebook

2 comentários:

  1. Olá! Hum.. que eu também gosto muito da escrita da Lisa, dela a minha série favorita é os Ravenels, e fiquei bem feliz (e surpresa) que esse é um livro único (risos). Esse eu ainda não li, mas estou bem empolgada para conferir, ainda mais depois dessa resenha, pois só tinha lido até agora ressalvas negativas quanto a escrita, até respirei mais aliviada agora. Se bem que se tratando de uma história da Lisa sei que não tem como me decepcionar, ainda mais quando falamos do meu gênero favorito da vida.

    ResponderExcluir
  2. Gostei do fato de ser humano se vier pouca que não gira em torno de tu Duques, Condes e marquezes. Sem contar que Lisa kleypas é a minha altuora favorita no segmento de romance de época Então esse livro é uma das minhas metas de serem lidos em maio

    ResponderExcluir

Instagram

© Perdida na Biblioteca – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in