Destaques

14 abril 2020

F*deu Geral

Um livro sobre esperança? 


Esta não é uma história sobre esperança. É uma história sobre como tudo está total e completamente fodido.

Você irá concordar comigo que ao longo da história da humanidade, nós tivemos melhoras significativas. 
Na Idade Médias as pessoas não tinham nenhum conforto como luz elétrica, água encanada ou aquecimento nas casas. 
Existiam pessoas sendo escravizadas, torturadas, todos os dias por serem negras. 
Até bem pouco tempo, nossos avós conviviam com uma guerra de proporções mundiais, com milhares de pessoas morrendo diariamente no Holocausto. Isso sem falar nas doenças que não tinham cura naquela época, e que hoje a medicina já encontrou a cura ou pelo menos um tratamento para controlar. 
Nunca tivemos tanto conforto, saúde e educação no mundo. Apesar de ainda termos uma longa luta, as desigualdades sociais são menores do que há 100 anos atrás. 

Mas, se é notório que as coisas vem melhorando, por que nós continuamos achando que está tudo uma merda? 
Porque somos a geração que mais sofre de depressão, ansiedade e síndrome do pânico? 

Eu poderia dizer que "A culpa é das estrelas", mas na verdade, a culpa é da esperança.


A CULPA É DA ESPERANÇA


Assim como um peixe precisa de água, nossa psique precisa de esperança para sobreviver. Esperança é o combustível do nosso motor mental. Sem esperança, todo o nosso aparato mental trava ou morre de fome. Se não acreditarmos que há alguma chance de que o futuro seja melhor que o presente, que nossa vida vai melhorar de alguma forma, então morremos espiritualmente.

O que faz sentido, afinal, você só levanta da cama pra ir trabalhar porque tem a "esperança" de que isso lhe trará um benefício no futuro, com a acumulação de capital. E se você se respondeu que se levanta da cama todos os dias para gerar uma bem a humanidade... você não percebeu que continua fazendo isso porque tem a "esperança" mais uma vez de que isso seja o seu propósito.

Quando você não encontra mais sentido, ou seja, não encontra propósito em fazer o que está fazendo, você, na verdade, perdeu a esperança de que aquilo que você estava fazendo tenha algum valor. 
E se não tem valor, por que fazer? 
A desesperança é a raiz de transtornos mentais como ansiedade e depressão.Isso não é exagero. Ansiedade crônica é uma crise de esperança, é o medo de um futuro fracassado. Depressão é uma crise de esperança, é a crença em um futuro sem sentido.

COMO CRIAR ESPERANÇA? 


Para criar e manter a esperança, precisamos de três coisas: 

Sensação de controle: Significa a sensação de tomar as rédeas da própria vida. Isso tem muito a ver com Inteligência Emocional, e falamos sobre isso neste post

Valor: Dar sentido a algo, acreditando que isso seja importante o bastante para nos dedicamos a isso.
É o tal "Propósito" que falamos em detalhes neste post.  

Comunidade: É fazer parte de um grupo que valoriza as mesmas coisas que nós. Pode ser o grupo do Orkut de "Odeio Segundas Feiras", ou um grupo de proteção aos animais. 

Perdendo um desses três elementos, você perde os outros dois, e neste momento, você perde a esperança.

A ESPERANÇA É UM VENENO


Neste momento você deve estar pensando: "Nossa, que vida horrível é viver sem esperança!"
Não, não é. 
Na verdade, a esperança é o veneno do mundo. 
Porque enquanto temos esperança, criamos expectativas que não serão atingidas. E mesmo que sejam atingidas, elas só serão substituídas posteriormente por outra esperança que irá causar ansiedade ou depressão, caso não seja alcançada. E dessa forma, você continua sempre nessa rodinha de hamster. 

Mas, se você não tem esperança, você aceita as merdas. Você aceita por exemplo que o ser humano é babaca; que nós somos o câncer deste planeta e que a mãe natureza tem todo o direito de retaliar o mundo com uma pandemia; e se você aceita, não existe ansiedade. 

QUAL O PROBLEMA NISSO? 


O problema é que a falta de esperança faz com que as pessoas não se importem com nada. E não se importar com nada, pode ser ótimo se você pensar que não vai sentir nada se for demitido... traído... você simplesmente desligará as suas emoções e virará um Sheldon do The Big Bang Theory. Ou Sherlock Holmes
Porém, existe a possibilidade de você virar um psicopata ou sociopata também...

CÉREBRO SENSÍVEL X CÉREBRO PENSANTE


Imagine que o seu cérebro é um carro. Nele existem dois ocupantes, o cérebro pensante que é aquele cara super racional, que faz cálculos e mais cálculos; a personificação da razão. No outro banco esta o cérebro sensível que é quem pede pra parar no Drive Thru do Mc Donalds; que acha que esta tudo bem fazer uma road trip sem rumo por aí; ou seja, uma criança. 
Quem você acha que está pilotando esse carro? 
Se você acha que é o cérebro pensante, saiba que as pesquisas já mostram que na verdade nós somos guiados por uma criança, ou seja, o cérebro sensível. E por que? Porque nós somos guiados pelas emoções. E como somos guiados pelas emoções, nós continuamos alimentando a esperança (será que tem um mc donalds lá na frente nesta road trip?), tomando esse veneno em doses homeopáticas para não ter que lidar com a Verdade Desconfortável (o sobrenome do Panda da Desilusão que falamos em A sutil arte de ligar o foda-se, lembra?  

A verdade é que fudeu geral. 
Real e oficial.
E alimentar a sua esperança de que teremos um futuro melhor, é utopia. 
Porque quando chegarmos nesse "futuro melhor" com carros voadores... acabarmos com a fome mundial...nós vamos inventar outros problemas. 
Porque quem esta no controle dessa merda é o cérebro sensível, e assim como uma criança, ele NUNCA esta satisfeito. 
É isso. 
FU.DEU!

MAIS DICAS DE COMO LIDAR COM A ESPERANÇA?
ASSISTA O VÍDEO



COMPRE O LIVRO

Reações: 

Comentários via Facebook

3 comentários:

  1. Naty!
    Olha entendo todo ponto de vista do autor e até concordo em parte, mas acredito que o tema é polêmico e questionável... na minha humilde opinião.
    Muito mais do que apenas a esperança, e aqui sou da ala que acredito que temos de ter sonhos e esperança em concretizá-los, para que a vida tenha um sentido maior, penso que para que as frustrações, depressão, pânico, descrença e insensibilidade se instalem em alguém, tem toda uma gama de informações que recebemos e aprimoramos (ou não) no decorrer da nossa existência que culminam nos sintomas e comportamentos indesejados, e, não apenas a esperança.
    O tema é vasto e daria um bom debate.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Olá! Mas gente não sei se rio ou choro depois desse vídeo, sério é quase como falar para uma criança que Papai Noel e o Coelhinho da Páscoa não existem, se bem que pensando bem... Brincadeiras à parte é bem difícil deixar de associar nossa vida a esperança, afinal nós fomos, pelo menos a grande maioria, doutrinados desde muito pequenos que a esperança é a última que morre. Eu bem que queria que a razão pegasse o volante aqui no meu carrinho (em relação à comida ela vem se mantendo dominante). Mas é um caminho longo e nada fácil, mas que sem dúvida vale a pena, isso se eu não me tornar um sociopata #alouca, fiquei bem curiosa com o livro e sem dúvida quero conferir para cair um pouco na real.

    ResponderExcluir
  3. Eu particularmente não gosto muito de livros de auto ajuda e eu percebi que recentemente teve um movimento enorme acerca de livros Com títulos um tanto quanto agressivos como esses Mas de qualquer forma eu sei que o livro é um dos mais vendidos da intrínseca, não que isso vai influenciar em ler ou não o livro, mas se tantas pessoas gostaram dele acho que eu posso tentar dar uma chance mesmo assim

    ResponderExcluir

Instagram

© Perdida na Biblioteca – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in