Destaques

14 maio 2020

Ouse ser Diferente


Como a diferenciação é a chave para se reinventar nos negócios, relacionamentos e vida pessoal

Pare de tentar vender o seu produto e passe a inspirar. Seja uma empresa poeta. 


Segundo Pedro Superti, especialista em marketing de diferenciação para empresas, nós temos hoje uma infinidade de empresas cópias, ou seja, empresas que pegam um modelo de negócio que já foi testado, que deu certo, e reproduzem. Porém, para se destacar no mercado atual, não basta mais atender as demandas do cliente. Você precisa criar uma diferenciação, e essa diferenciação não pode estar relacionada ao preço do seu serviço/produto, pois do contrário você vira uma marca soldado.


Como empresa, quando você dá descontos, você está confirmando a suspeita de que não é tão bom assim. Se fosse, não precisaria dar descontos para fechar o serviço, certo? O cliente sabe disso, mesmo que não fale.


MARCA SOLDADO, FAZENDEIRA E POETA


Mas o que é uma marca soldado? É uma marca ou empresa cujo o foco é fazer o básico e garantir a vitória. 

Como estou inserida no contexto do mundo da literatura, vou trazer exemplos relacionados a este universo para exemplificar.


A Saraiva, por exemplo, é uma marca soldado. Ela tem como objetivo vender livros, tem um site de e-commerce, um estrutura logística para entregas, e passou a comercializar outras coisas como eletroeletônicos além dos livros. Mas não tem nada que me faça querer desesperadamente comprar livros na Saraiva. Porque eu posso encontrar os mesmos livros em outras livrarias, certo? 


Então vamos para o segundo tipo, as marcas fazendeiras, cujo o foco é a performance, ou seja, elas querem ser as melhores no que fazem. 

A Livraria Eldorado não existe em todo o Brasil, porém, ela tem como foco livros didáticos. Logo, quando chegava a época escolar, a livraria ficava lotada. Os pais saem de todos os lugares do Rio de Janeiro pra conseguir livros que só são encontrados lá. O que é isso? Foco em performance, ao serem a melhor livraria em materiais didáticos do Rio de Janeiro. E ao longo do ano, eles focavam em ser uma livraria independente, com um bom sebo associado. Dessa forma, os leitores tornam-se clientes fiéis que levam seus livros para troca no sebo, recebem um voucher, que podem consumir na livraria por títulos novos e até lançamentos. E vamos falar a verdade? Quando você entra numa livraria com um voucher para "trocar" por um outro livro lançamento, você vai acabar comprando algo mais caro que o seu voucher (lucro pra livraria) ou levando mais de um título para casa (lucro dobrado para a livraria).

Isso mantém o capital da empresa girando ao longo de todo o ano. 


E por último temos as marcas poetas, cujo o objetivo é inspirar as pessoas. 

Esse é o caso da Amazon, pois ela tem a performance, afinal, ninguém duvida que o que comprar na Amazon irá chegar na sua casa em tempo recorde; que você irá encontrar todos os livros que procura na Amazon, em formato físico ou digital, e que o pós venda da empresa é fantástico! Mas eles não estão vendendo apenas livros, eles vendem um novo conceito de consumo de livros através do kindle. 

Eles são os embaixadores do futuro do livro: O livro digital. 


O livro nunca vai acabar, pois o livro é uma experiência e por mais que a tecnologia evolua absurdamente, ela nunca irá conseguir substituir a experiência. Porém, a oferta de livros em formato físico tende a diminuir, passando a ser um item de colecionador, pois ainda terão aquelas pessoas que gostam de cheirar o livro (essas pessoas não tem rinite), de sentir a textura da capa... 

Mas a tendência é que o livro digital passe a ser cada dia mais consumido, e já é o grande responsável por salvar o mercado editorial nessa crise devido a pandemia.


MAS COMO POSSO DIFERENCIAR A MINHA MARCA?

Você deve estar se perguntando como faço para a minha empresa, ou marca ser uma poeta. Certo?

Primeiro você precisa fazer uma auto avaliação do seu negócio e do nicho em que atua.


Mais uma vez, vamos trazer pro nosso "mundinho" literário, e vou usar a minha cobaia favorita como exemplo: eu mesma. Ou melhor, o meu canal/blog sobre literatura.


Quando pensamos em canais literários, os "booktubers", o que vem a cabeça? 

Resenha de livros?


Só que eu nunca quis resenhar livros. 

Eu não estou resenhando o livro do Pedro aqui. Eu estou compartilhando os insights que o livro dele me deu com vocês. 

Então, o foco do meu canal/blog não é resenha de livros, é ajudar a desenvolver os seres humanos com o que aprendemos nos livros. 

Isso seria basicamente o que o Simon Sinek explica em "Comece pelo Porquê", publicado pela Editora Sextante, mas isso é outro papo...

Traduzindo na linguagem do RH, seria a MISSÃO DA SUA EMPRESA


Os canais de literatura adoram mostrar os livros. Mas eu não mostro os livros que abordo nos vídeos, porque tudo que eu leio é digital. Como sou uma defensora de que devemos investir no mercado digital, criando uma playlist exclusiva para incentivar a leitura desse formato, são poucos os livros que eu tenho fisicamente hoje. E essa é a segunda questão: Viva o que você prega.

Se a sua marca diz que valoriza a mulher, não pode fazer um comercial só com modelos estilo Victoria Secrets. Se você é uma empresa de produtos orgânicos, precisa mostrar que segue os valores orgânicos.

Traduzindo, isso seria os VALORES DA SUA EMPRESA.


Mas o meu canal não é canal de resenha de livros, é um veículo de imprensa voltado a literatura. Porque o Publishnews é para quem trabalha no mercado editorial; O Globonews Literatura é pra quem tem acesso a TV por assinatura; os blogs são considerados "amadores", logo, qual o veículo de imprensa que é acessível para todos e que fala com os leitores? Não tem. Ou melhor, não tinha!

Mas isso dá dinheiro? Não. Mas alguém precisava começar... então, sendo chamada de louca, eu fui lá e fiz.


Somos cadastrados no Comunique-se, a maior plataforma de assessorias de imprensa do Brasil; temos um CNPJ; produzimos matérias de cobertura de eventos literários; então, somos um veículo de imprensa como todos os outros. Só que... micro.

Mas muitas pessoas dizem que sou louca. O que elas não sabem é que Steve Jobs também tinha essa fama de louco. Walt Disney também.


Loucura é quando você consegue ver além do que as outras pessoas, e por isso você precisa convencê-las através da sua VISÃO.

Traduzindo, essa seria a VISÃO DA SUA EMPRESA.


Perceberam os diferenciais sendo construídos um a um, baseados naquelas três coisinhas que todas as empresas/marcas possuem?


MAS SEMPRE TEM UM PROBLEMA


Mas e se você descobre que a sua empresa/marca já é uma poeta, mas não tem o reconhecimento do mercado?


A falha deste livro está justamente aí, ao não apontar como empresas que já tem um diferencial alcançam o reconhecimento do mercado. 

Talvez isso tenha ficado pro segundo livro. 

Então, precisaremos aguardar...mas já tivemos se você precisa aprender a diferenciar a sua marca, aposte nas perguntas chaves que o autor faz ao longo de toda a leitura. É sucesso garantido.


ADQUIRA O LIVRO


Reações: 

Comentários via Facebook

2 comentários:

  1. Naty!
    Todos os argumentos são importantes para ter foco, seguir em frente e manter uma empresa oxigenada e pronta para crescer cada vez mais.
    Adorei a dica do livro.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Olá! Eita que essas dicas seriam valiosas quando estava montando meu Plano de negócios, vulgo TCC (risos), conhecimento é sempre bem-vindo.

    ResponderExcluir

Instagram

© Perdida na Biblioteca – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in