A perdição do barão

21 janeiro 2019


Produzir romances de época não é tão fácil quanto parece. É necessário estudar as rígidas hierarquias que dominavam a classe nobre e uma série de eventos históricos que marcaram a época em que a narrativa será conduzida.

Ter acesso a todas essas informações hoje em dia é bem mais fácil devido a internet, mas mesmo assim, são poucas as autoras nacionais que se ariscam nessa categoria. Afinal, o Brasil não possui uma tradição neste quesito, visto que quando a família real portuguesa desembarcou em terras tupiniquins, trouxe poucos nobres consigo e essa moda não pegou na colônia. 
Lucy Vargas foi uma dessas autoras e que ousou inverter os papeis ao colocar como protagonista e narrador um personagem masculino e sentimental.



Se nos romances de época a mocinha é que deve correr atrás do nobre cavalheiro que deseja e provar que é muito mais do que ele imagina.... neste livro é o barão que sofrerá para conquistar a afeição de sua amada.

Curtiu essa inversão de papeis? Então confira toda a resenha no vídeo abaixo.


O que achou dessa história? Deixe sua opinião nos comentários. 

6 comentários:

  1. Verdade,nesses livros a mocinha srmpre morre de amores pelo mocinho, até enfim conquistá-lo, e não o contrário.

    Eita que eu estou louquinha para conhecer esse barão apaixonado e inseguro.
    Diferente não é? :)
    Legal poder ler um livro diferente do habitual.

    Boa dica!



    ResponderExcluir
  2. Fiquei totalmente encantado! Estou há algum tempo tentando arriscar em romances de época, buscar autoras que realmente sabem do que estão falando, acho sensacional essa busca mais precisa de acontecimentos reais da época retratada para ser fiel na escrita. Enfim, A Perdição do Barão me conquistou por esse quesito e por vários outros, descobrir que é uma autora nacional retratando um cenário de época no próprio Brasil foi incrível e, melhor, o personagem masculino sendo o "donzelo". Adorei!

    ResponderExcluir
  3. A autora está de parabéns por dar voz masculina a narrativa que normalmente são feitas pelas mulheres. Gostei bastante dos detalhes contados no vídeo, e também entendo os pontos que ressaltou. Eu não conhecia esse livro da Lucy Vargas, mas a dica já está anotada.

    ResponderExcluir
  4. Olá Nat,
    Primeiro que eu morro de vontade de ler algum livro da Lucy, mas ainda não tive oportunidade, e segundo, ela não só inovou, mas me conquistou com essa inovação, nunca li nenhum romance de época que fosse narrado pelo mocinho, e nesse caso, eu achei Patrick diferente dos protagonistas desse gênero, ele me pareceu romanceiro, galante, eu me apaixonei lendo a resenha kkkk
    Sobre Hanna, acredito que a primeira impressão dela não é tão boa, por acompanhar o sofrimento do Barão em relação aos seus sentimentos por ela, mas, em contra partida, a forma que o relacionamento deles se encaminhou ficou muito bonito, ficou verdadeiro sabe?
    Olha, só sei que desejo demais esse livro, fiquei encantada! Eu tenho um orgulho enorme dos nosso nacionais 💕
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Eu gosto bastante de ver como as autoras estão inovando na criação dos filmes de época por favor esse livro ser narrado pelo ponto de vista do Mocinho me chamou bastante atenção até porque o único livro que eu tinha lido neste mesmo modelo foi o livro do Ian Clarke da série perdida da Carina Rissi

    ResponderExcluir
  6. Baseado nas suas últimas resenhas, parece-me que você aprecia bastante livros de época.
    Menina, onde você comprou essa "lamparina" (?) do lado do livro? Já quero <3 <3.
    Hahaha, parece legal essa inversão de papéis, mas a premissa de nada vale se o desenvolvimento não se dá de maneira satisfatória.
    Eu apreciei o fato do mocinho ter uma personalidade diferente daquela clichê característica dos livros do gênero, mas não sei se gostei muito do contexto.
    kkkkk, acho que não tinha terapia de casal nessa época =P.
    Livros muito densos sem necessidade acabam se tornando um pouco tediosos.
    Achei interessante a ideia, mas não me conquistou muito =/.

    ResponderExcluir