A noite devorou o mundo

06 agosto 2019


ZUMBIES E FILOSOFIA

Vamos deixar uma coisa clara antes de começar essa resenha. Eu ODEIO terror!
Sabe aqueles filmes que o pessoal adora, tipo Jogos Mortais... o Albergue... Exorcista... eu passo longe desse tipo de história!! Porém, ao ler uma resenha deste livro em um blog que sigo, a blogueira informou que se tratava de um terror light...

Nele conhecemos Antoine, um escritor que não esta muito satisfeito com os rumos da sua própria vida. Ele se divorciou recentemente da mulher; seus livros não são um grande sucesso; Resumindo... ele tem uma vidinha bem mais ou menos...
Ele vai a uma festa no apartamento de uns amigos em Paris, porém, não se sente atraído a interagir com nenhum dos presentes, por isso, pega uma bela garrafa de whisky e se tranca na biblioteca do apartamento para fugir do convívio social e afogar as mágoas. Acontece que ele bebe demais e só acorda no dia seguinte.
Quando ele sai da biblioteca se depara com um cenário de horror. A sala, onde antes havia uma festa, esta repleta de sangue. Um corpo sem cabeça esta perto da porta da biblioteca onde ele estava. Ao olhar da sacada do apartamento para a rua, ele se depara com a realidade: sabe-se lá como ou por quê, seus amigos e o resto do mundo foram atacados por zumbis.
Alguns policiais ainda tentam resistir aos mortos vivos na rua em frente ao prédio, mas logo são devorados e transformados também.

Enquanto pessoas correm pelas ruas desesperadas para se salvarem e deixarem Paris para trás, Antoine toma a decisão de se enclausurar no apartamento. Afinal, não é a cidade que esta em colapso... é o mundo! De que adianta fugir da cidade, se fora dela também tem zumbis por todos os lados? Pelo menos na cidade e no apartamento, ele esta em território conhecido.

Com o tempo, Antoine percebe que ele pode ser o único sobrevivente...
À princípio ele começa a se preparar para sobreviver aos mortos vivos mesmo: fecha todo o prédio com barricadas, bloqueando portas e janelas; procura nos apartamentos vizinhos comida, água e armas... porém, os dias passam... completam-se meses... e ele ali tendo como única companhia os zombies. Eles quase viram seus amigos, se não fosse o fato deles o verem como um apetitoso jantar.

A partir deste momento, nós temos um Antoine que começa a refletir sobre o conceito de sociedade; refletir como sua vida era horrível antes e que precisou de um desastre mundial para ele aprender a valoriza-la; e ele começa a aprender a lidar com a solidão.

Esse livro me lembrou muito dois filmes: Ensaios sobre a Cegueira e Eu sou a Lenda.
Da mesma forma que o personagem de Will Smith em "Eu sou a Lenda", Antoine esta sobrevivendo sozinho em uma cidade cheia de zombies, porém, ele aprende a conviver com eles. É uma espécie de trato: vocês não ficam no meu caminho, e eu não fico no de vocês.

E quanto ao "Ensaio sobre a Cegueira", assim como a personagem de Juliane Moore, ele passa a perceber o mundo de outro ponto de vista. A valorizar a vida e a beleza que ela tem, quando percebe como a sociedade era uma coisa frágil, bastando uma epidemia (que nesse filme deixa todos cegos) para ela ruir.

Para os fãs de séries como The Walking Dead... esqueçam aquela coisa de zombies correndo atrás de Antoine e desespero pra todos os lados. A única semelhança é que ambas as história abordam zombies. Só.

O livro é relativamente fino, tanto que li em apenas 1 dia. A narrativa é feita por Antoine e divida de acordo com os dia, ou seja, é como se fosse um diário. O livro começa muito bem, no meio eu achei que deu uma caída, mas depois o autor se recupera. Como o objetivo desse livro é discutir mais o lado psicológico da "destruição da civilização e a influência que isso tem no ser humano" do que propriamente achar uma solução para a epidemia, não esperem muitas explicações sobre de onde vieram os zumbis, ok?
Este livro distrai e faz pensar em alguns momentos, então... valeu a leitura.

COMPRE O LIVRO

Editora: Rocco
ISBN: 9788532529039
Ano: 2014
Páginas: 208

11 comentários:

  1. Olá! Olha que eu também sou dessas que fujo de filmes de terror, aliás, qualquer coisa em se tratando de terror eu já estou fugindo para as colinas (risos). Mas sempre que me deparo com uma resenha assim mais light sobre o gênero me animo, afinal busco sempre (ou quase sempre), sair da minha zona de conforto em se tratando da leitura. Se bem que zombeis também não são meus personagens favoritos, mas o que mais me prendeu em relação a essa história é essa reflexão que o texto traz, acho que vai valer a pena sim me arriscar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seres sobrenaturais definitivamente não são a minha praia, mas este livro realmente conseguiu me prender devido a parte filosófica da coisa.
      =)

      Excluir
  2. Já li em algum lugar a resenha desse livro...🧐🤔
    E assim como você, não gosto de livros e filmes de terror,prefiro um bom mistério.
    Acho filmes como por exemplo "Jogos Mortais,meio que doentio,me senti incomodada quando assisti.
    Já o livro que resenhou é mais reflexivo né ,como nos contou. Então acho que dá para ler tranquilamente.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, no canal do Youtube!
      Hahahahahahaha
      Eu fiz a resenha deste livro em vídeo e esqueci de fazer a resenha aqui. Eu disse na newsletter que estava cheia de resenhas atrasadas na gaveta do blog. Hahahahahaha.
      Eu normalmente faço a resenha aqui primeiro, como um roteiro do vídeo, e depois eu gravo. Mas, às vezes, eu acabo esquecendo de publicar a resenha! Hahahahahahaha
      Não se assuste se encontrar postagens de coisas que já viste no canal por aqui este mês. Hahahahahahahaha

      Excluir
  3. Olá! ♡ Eu também odeio terror, os poucos filmes que assisti do gênero não prenderam minha atenção. Meus amigos e boa parte das pessoas que eu conheço adoram terror, mas eu sempre passo longe kkkk.
    Tramas que envolvem zumbis não me agradam muito, mas acho que talvez eu possa me interessar pela desse livro.
    O que mais chamou minha atenção sobre esse livro é a sua parte filosófica, gosto de livros que nos fazem refletir junto com os personagens.
    Por se tratar de um terror mais light, acho que vou dar uma chance a este livro.
    Obrigada pela indicação!
    Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  4. Ao contrário de você, eu adoro terror. Mesmo esse sendo leve tem um enredo interessante, principalmente por abordar esse lado psicológico das transformações zumbis. Já gostei muito de TWD, depois a série perdeu o fôlego, e na última temporada deu uma melhorada. Fiquei curioso com esse livro, eu ainda não conhecia. Ensaio sobre a cegueira gostei demais.

    ResponderExcluir
  5. Obaa, sequência de posts sobre sobrenaturais e nem estamos em Outubro. <3
    O livro é pequeno? Se sim, eu fico com um pouco de receio de ler porque uma parte de mim acha que a história vai ficar com muitas partes soltas.
    Fora isso, é bem interessante a premissa.

    ResponderExcluir
  6. Eu sou uma pessoa que ama filmes de terror só para ficar criticando os personagens e rindo das situações meio nada a vê. Desde que eu assista o filme na claridade do dia, é claro!
    Eu até fiquei meio interessada no livro mas achei chatinho a falta de ação, que é uma das coisas que mais me atrai quando o assunto é zumbis ou o fim da civilização. A falta de respostas me incomada bastante, então não sei se seria um livro para mim.

    ResponderExcluir
  7. Enquanto eu estava lendo a sua resenha foi me vindo à cabeça exatamente o filme Eu Sou a Lenda com o Will Smith. Isso para mim já foi suficiente para querer muito ler esse livro.
    Fiquei curiosa para saber até quando Antoine vai conseguir sobreviver dentro desse apartamento com tantos zumbis próximos a ele. Mas porque ele não virou um zumbi também? Acho que tenho mesmo que ler para tirar essa dúvida, né?

    ResponderExcluir
  8. Eu adoro terror e gosto de historias com zumbis, mas esse é diferente não foco especificamente neles, isso chama atenção. Deve deixar o leitor pensando em como não damos valor as coisas só quando acontece algo terrível, assim como aconteceu com o protagonista, que paramos para pensar como reclamamos ao invés de valorizar o que temos. Lembra Eu sou a lenda mesmo, assisti e gostei.

    ResponderExcluir
  9. Oiii ❤ Também não curto filmes de terror, dá para contar nos dedos quantos filmes desse tipo já assisti. E os poucos que assisti ainda não foram por vontade própria, já que meus colegas da escola eram viciados em terror.
    Nossa, que terrível acabar de acordar e se deparar com sangue e com um morto perto de onde estava!
    Nunca li uma história que envolvesse zumbis, mas essa me chamou atenção, pois o foco parece não estar apenas nesses seres, mas nas reflexões que o personagem faz no tempo que está recluso.
    Que alívio saber que não é igual The Walking Dead, já estou saturada de obras no estilo da série.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir