Coração Granada

20 outubro 2019



"motivo (s.m.): é o que me fez pegar um avião e tomar decisões difíceis. é o culpado do convite que te fiz para sair comigo. é um sussurro no meu ouvido, que mais parece um grito, e me faz correr até você. é o lado bonito da vontade, o espaço não preenchido do sofá. é a parte sincera do desejo que me faz colocar os pés no chão (para continuar correndo). é a desculpa perfeita para fazer loucuras em nome da felicidade.
é o que aponta para o norte na minha bússola sem ponteiro."

Hoje é o dia do Poeta (20 de outubro) e fiquei naquela dúvida ( "Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo…e vivo escolhendo o dia inteiro!" .. Como dizia Cecília Meireles) sobre qual poeta iria comentar uma obra.

Não foi uma escolha fácil, mas me decidi pelo João Doederlein e a sua nova obra " Coração Granada".

Então, venham se sentir abraçados e acalorados com palavras!!!!


Quem é João Doederlein?

Nasceu em Brasília (DF), em 1996. 
Iniciou aos 13 anos em seu blog, passou pelo Facebook e, finalmente, para o Instagram.


Lançou o Best-seller "O livro dos ressignificados" em 2017. Se tornando um dos autores brasileiros mais conhecidos da rede. Coração-granada é seu segundo livro.

O poeta define o seu trabalho assim: 

“O diferencial é que meus textos não falam mal da sociedade. Eles são uma descrição, uma conversa minha comigo mesmo, um meio de escrever o que eu estava sentindo”, explica( parte retirada do Site RG.).
"O beijo é a linha que liga dois corações."
SINOPSE = O amor (correspondido ou não) mexe com nossa alma e nosso corpo. A ansiedade, quando nos toma de assalto, também. Outro ponto em comum: os dois fizeram e continuam fazendo artistas de todos os tipos produzirem criações capazes de gerar reflexão e também de dar sentido ao que, muitas vezes, parecia já não ter. É o caso de @akapoeta, pseudônimo de João Doederlein, neste seu segundo livro. Nele o jovem escritor fala de paixões e crises de ansiedade e da relação entre ambas, com a mesma delicadeza que transformou a sua obra de estreia, O livro dos ressignificados, em um best-seller com mais de 60 mil exemplares vendidos. Nesse novo livro, ele combina novos ressignificados com poemas curtos e longos, voltando a encantar o leitor com sua escrita acessível e, ao mesmo tempo, impactante.

"acalantar(v.): é um abraço que esquenta mais do que o normal. é sentir o toque do seu cabelo no meu pescoço. é acalmar as batidas do meu coração. é o colo da mãe. é dormir sozinho com três travesseiros. é quando a sua voz nina a minha insegurança e eu consigo respirar melhor. é um segurar de mão com a pessoa certa.
é quando estar nos seus braços me dá força."
Após o sucesso do ressignificados, o poeta João lança, em 2018, o "Coração Granada". Não sei se vocês são como eu, mas eu sempre fico com receio do segundo livro. Principalmente, quando o primeiro é super elogiado. E mesmo sendo um livro solo, este seria o livro que veio após o best seller.

Mas amores, o Akapoeta veio com com a mesma força que no primeiro livro, nos fazendo ter empatia por cada palavra compartilhada.
"(...) serendipidade é quando o destino inventou de pôr você no meu caminho, sabendo que eu não acredito em fatos predeterminados, dou meu braço torcido e digo: muito obrigado por ela, destino."
O poeta prossegue com a sua linha de pensamento. Logo, esta edição é dividia em três capítulos: “o nome dela"; "quando a ansiedade chega"; e "acalanta meu coração".  

Exatamente, isto que estão pensando. Se unirmos os nomes dos capítulos, temos a ideia que abraça o conteúdo: " O nome dela, quando a ansiedade chega, acalanta meu coração".

Mas não foi somente este detalhe, inteligentíssimo, que achei interessante. Mas ele vem mostrando sua marcar, os ressignificados, e compartilhando pequenos  textos e poemas curtos, ao decorrer do desenvolvimento de cada capítulo.
"recomeço(s.m.): é aceitar o que ficou no passado como o que deve ser: passado. é entender de uma vez por todas que o amor acaba, mas você continua (e que nem tudo que deixa de ser presente, deixa de ter valor). é o que um dia me ensinou o palhaço e seus sapatos: quando um pé vai para a frente, o outro obviamente fica para trás.
é dar a si mesmo uma segunda chance e um punhado de paz."
Uma particularidade do João é a construção simplista e que abrange a todos que o leem. Sim , perdidos, neste volume, temos a mesma vontade que temos no livro anterior dele. Que é de querer levá -lo para todos os lugares e se conectar a qualquer hora do dia a este universo empático e libertador.

O leitor perceberá que um dos temas tratados é a ansiedade ( Pg. 112 - " Ansiedade não escolhe hora nem precisa de motivo para bater a nossa porta, ansiedade não escolhe o dia"). Porém, de um jeito real e sem romantizar as crises. Criando um elo com quem está acompanhando as linhas compartidas.

Conclusão, esta dica enlaça tanto os apaixonados por poemas, quantos os que gostam de uma ótima alternativa.

"conclusão(s.f.): é aquilo que salva um coração da insanidade. é o que me impede de pensar que o erro fui erro. é parar de me perguntar por que nosso amor acabou. é quando você me explica cada detalhe que faltou.
é quando você me disse "eu quero terminar" em vez de sumir sem avisar. acredite, em meio ao caos , é um pedaço importante de paz."

Até a próxima resenha, perdidos do meu tuntun💙!!!!

COMPRE O LIVRO 
Escritor:João Doederlein
Ano: 2018
Páginas:192
Editora:Paralela

10 comentários:

  1. Lays!
    Ah! Souuma eterna apaixonada pelos poemas e fico tão feliz em ver mais um livro de um autor nacional que não conhecia.
    E poemas que falam de amor, ou também das decepções amorosa e das sensações que ela deixa, deve ser algo tão visceral e estimulante.
    Já quero.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo, Rudy!!! 💙

      Esse lindo é lindo, vc vai amar.
      Verdade, os poemas mexem com as nossas sensações.

      Quando realizar a leitura, me conte como foi.

      Beijoos

      Excluir
  2. Eu não sou muito de ler poemas e/ou poesias, acho que por isso não conhecia o autor. Estou tentando mudar isso, tentando ler um poema/poesia toda manhã.
    Gostei dessa diferença de não falar mal da sociedade. E também por falar das diversas fases do amor. Vou tentar conhecer o autor.

    ResponderExcluir
  3. Olá! ♡ Também tenho receio com segundos livros, sempre bate aquele medo de o próximo livro não me encantar tanto quanto o primeiro, mas que bom que Coração Granada foi tão bom quanto seu antecessor! ♡ Já quero ler ambos!
    Estou fascinada com os ressignificados que o autor dá as palavras, eu achei genial, tão poético e cheio de sentimento. Adorei as lições/mensagens que cada um deles passa.
    Achei ótimo ele trabalhar a ansiedade sem romantizar a mesma, pois ela é algo sério e que de fato, não escolhe dia, nem hora.
    Obrigada pela indicação! Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    O que me faz amar a poesia é o fato desse gênero permitir que o leitor ouse, mostrando ao leitor o seu estilo peculiar de escrever. E esse autor extremamente talentoso cativa exatamente pela criatividade, principalmente essa questão dos capítulos formarem uma frase, o que pra mim é simplesmente demais.
    Ademais, podemos perceber que Doederlein consegue abordar temas pertinente mesmo sem utilizar da crítica em si, deixando sua particularidade criativa ainda mais evidente.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Eu gosto muito de poesias, principalmente dessas que estampam uma aparente simplicidade, mas que está repleta de sentimentos e cheias de significados nas entrelinhas. É tão bom quando entendemos que a internet também pode gerar bons frutos como os livros de @akapoeta. Um canal de interação para sentimentos intensos que alcança o leitor de imediato.

    ResponderExcluir
  6. Não sou fã do gênero, devido muitas palavras sem sentido, mas como essa construção é simples, quem sabe eu me interesse e também fiquei curiosa por esse não falar da sociedade, achei bem interessante os nomes dos capítulos é uma ideia genial. Muito bom abordar a ansiedade, que esta em alta.

    ResponderExcluir
  7. Oiii ❤ Ainda não li nada do autor, mas tenho vontade desde que li a resenha de "O livro dos ressignificados" aqui no blog.
    Fico fascinada em como o autor pega palavras simples, mas dá um novo significado cheio de emoção e sentimento. Isso é muito original.
    Também tenho medo de ler continuações de livros que tanto gostei, pois sempre bate aquele receio de "E se eu não gostar ou não for tão bom quanto o anterior?". Mas é bom saber que esse livro é tão bom quanto o anterior.
    Gostei que o autor fala sobre ansiedade nesse volume. Realmente, a ansiedade não escolhe a hora de dar as caras.
    Adoraria ler esse livro.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  8. Olá! Se eu já estava apaixonada pelo trabalho do autor já no primeiro livro, tenho certeza que vou curtir bastante esse também, ainda por ser uma ansiosa assumida, acho que vou me identificar um pouquinho com algumas citações. Ótima escolha para prestigiar esse dia do poeta.

    ResponderExcluir
  9. Confesso que não sou fã de poemas/poesias. Acredito que seja pelo fato de, muitas vezes, a linguagem não ser tão acessível. Achei interessante o fato dele tratar de temas sérios de maneira real e sem romantizá-los, como a ansiedade.

    ResponderExcluir