Destaques

09 abril 2020

Labirinto


"Três segredos. Duas mulheres. Um Graal”
O que você faz nas suas férias de verão?

Eu, quando era mais nova, ia com a minha prima (que mora em outra estado, porém, passávamos as férias juntas) a livraria mais próxima e cada uma escolhia um livro. 

E em uma dassas idas, eu olhei a capa e me atraiu. Quando li a frase da capa, me fez pegar o livro. Mas quando li a sinopse, já estava pagando na hora. Eu tinha que levá-lo.

E não me arrependi. Sou louca por esta história.

Venha comigo para atravessarmos os séculos e conhecermos outras culturas e muitos segredos!!!


SINOPSE:

Fenômeno literário na Inglaterra com mais de 750 mil exemplares vendidos no país, o romance histórico "Labirinto", da premiada escritora Kate Mosse, reúne todas as qualidades que o leitor espera encontrar em um bom livro de ação e mistério.

Há verdades além das verdades buscadas, viradas e reviravoltas, memórias a serem recuperadas e reivindicadas, desentendimentos de amantes a serem reconciliados, fragmentos do passado a serem salvos e antigas traições a serem vingadas.

Inspirado em rigorosa pesquisa sobre importante período da história medieval européia - a cruzada religiosa contra a seita cristã dos cátaros no século XIII que significou uma importante mudança na história da França - "Labirinto" tem como protagonistas e heroínas duas mulheres separadas pelo tempo, mas unidas por um destino comum.

"As histórias mudam de forma, mudam de caráter, adquirem cores diferentes dependendo das palavras que se usa, da língua em que se decide contá-las. "
Kate nos apresenta um enredo que se passa, paralelamente, em duas épocas: 1209 com Alaïs Pelletier e que vive em Carcassone e Alice Tanner, no ano de 2005. 

É uma delícia lermos uma história que um dos temas centrais é sobre um símbolo, um dos mais famosos e que possui três variações de apresentação... Isso mesmo, o SANTO GRAAL.

Como não se fascinar, por este símbolo? 

Porém, aqui tratará dos guardiões do segredo do Santo Graal, que neste enredo a escritora abordará os três livros: o Livro das Palavras, o Livro das Poções e o Livro dos Números. 
"(…)havia uma verdade muito mais antiga, mais ancestral, mais absoluta do que qualquer coisa que o mundo moderno pudesse oferecer. Esta é uma história que começa nas terras ancestrais do Egito."
A narrativa se inicia na conexão que existe entre as protagonistas, no momento em que Alice começa a sentir, vê e viver situações inusitadas várias conspirações, que transcendem séculos, começam a vim 
a tona.

Se existe conspiração, traições são desencadeadas. E todo passo que Alice dá, a leva para mais próxima de Alaïs Pelletier. Esta personagem é fantástica e carismática. Digamos que ela é uma força da natureza. 

Como não se contagiar com a força de Alaïs Pelletier?!? Me fazia está pergunta, em várias partes do livro.

 Aos 17 anos, a missão dela foi jogado em seu colo. Enquanto muitas, meninas em sua idade, dariam uma desculpa ou ficariam cheias de porquês , ela assumiu a responsabilidade e foi embora.

Claro, passou por muitas situações e muitas vezes, difíceis. Mas nas suas veias, o sangue era de guerreira.
"E aquilo não era uma sonho, mas uma lembrança. O fragmento de uma vida vivida muito, muito tempo atrás."
A forma como a escritora foi desenvolvendo o trama, foi na medida que me estimulou bastante. Eu ficava cada vez mais curiosa, em saber como seria a finalização. 

A caminhada foi prazerosa, como uma música. Com aprendizado e criatividade. O que me levou a pensar: Aonde está a sua lealdade? Pois ao ler sobre o dever e a honra que ultrapassam os séculos pelo sangue. Percebi o quanto, muitas vezes, procrastinamos as nossas missões. E diversas vezes, por medo ou por não acreditarmos em nós mesmos.

Voltando ao livro, acompanhamos que, simultaneamente, inimigos antigos e antagonistas do novo século, querem a "caixa de Pandora", para elevação do próprio ego e para ganhos financeiro. 

A nossa escritora percorre um caminho de suspense, ansiedade, torcida, vibrações, descobertas e bombásticas revelações. Para nos conduzir até um desfecho, de se levantar e aplaudir de pé. 

Logo, não é de se admirar que em 2011 estreou a minissérie Labyrinth, uma adaptação de Adrian Hodges.

Que, ao assistir, me desenvolveu sentimentos parecidos com o que experimentei com a leitura. Entretanto, continuo preferindo o livro. Mas a minissérie não deixa de ter seu encanto.

Com certeza, o indico a todos. 

Todavia, dou uma dica, para quem quiser se aventura nessa leitura: Eu considero essa narrativa empolgante e harmoniosa. Contudo, como todo livro com mais de 500 páginas, que nos trás dados históricos nem sempre o dinamismo virá da mesma forma, para todos. Isso é questão de gosto. Pelo menos, ao meu vê.

Então, até a próxima leitura!!!

SOBRE A SÉRIE:

A trilogia Languedoc, ao meu vê são três história distintas, mas que todas tratam de duas mulheres fortes e determinadas, em épocas diferentes. A do presente é conduzida pela sua ancestral ( mesmo sem saber muito sobre reencarnação, compreendo que os enredos tratam desta conexão de alma) a finalizar uma missão, que não foi concluída no passado.

"As lendas sobre o Graal são geralmente descritas
 como aventuras em que os homens tem espadas e
 as mulheres são resgatas de algum perigo.
 No meu livro as mulheres é que tem as espadas,
 elas são as heroínas", afirma Kate Mosse.


Título:Labirinto
Série: Trilogia Languedoc
Livro: 01
Escritora: Kate Mosse
Editora: Suma

Sobre a escritora: (Retirado do Grupo Companhia das Letras)

É autora de outros dois romances e de livros de não-ficção. Já foi apresentadora do programa Readers and Writers Roadshow, da BBC 4, e hoje é apresentadora convidada do programa Saturday Review, da Radio 4, também da BBC.

Cofundadora e diretora honorária do prêmio Orange de Literatura de Ficção, Kate é curadora de Artes e Negócios, de Artes e Crianças e do Conselho de Artes do Sudeste da Inglaterra, além de ser membro da Royal Society of Arts. Em 2000, ganhou o prêmio de Realização Feminina da Europa por sua contribuição às artes.

Em 2005, venceu o prêmio British Book Award de melhor leitura do ano por seu romance histórico Labirinto. Kate mora com a família em West Sussex e em Carcassonne.

Reações: 

Comentários via Facebook

3 comentários:

  1. Lays!
    Tive oportunidade de assistir o filme e claro que tem algumas adaptações diferentes do livro, que ainda não li.
    Mas acho o enredo muito bem desenvolvido, envolvendo um símbolo tão exaltado e conhecido e trazendo um quebra cabeça em duas épocas distintas.
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  2. Olá! Confesso que não conhecia o livro, mas cá estou de queixo caído (literalmente), com mais uma história bem diferente das que normalmente eu leio (mais um motivo para ampliar meu horizonte) e que me vejo bem empolgada, afinal a leitura parece trazer de tudo, muita aventura, mistério e até um pouco de história.

    ResponderExcluir
  3. Eu já vi um livro Que contava a história de um grupo em busca do Santo Graal e sinceramente não fiquei muito impressionada com a história não fiquei necessariamente empolgada e começar esse livro mas vou adicionar ele na lista de quero ler

    ResponderExcluir

Instagram

© Perdida na Biblioteca – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in