Destaques

07 fevereiro 2021

Alguém para Amar

 

Livro Alguém para Amar de Mary Balogh

Série Westcott #1

Ana Snow é professora em um orfanato em Bath, interior da Inglaterra. Ela cresceu neste mesmo orfanato, tendo suas despesas pagas por um benfeitor, e quando atingiu a idade adulta, ao invés de sair do local e seguir com a vida, ela se tornou professora das crianças. Nada de errado nisso, e ela vivia muito bem em um quartinho mínimo, tendo Joel, um outro órfão que cresceu com ela, como seu melhor amigo e confidente ao seu lado como professor de artes. 


Só que o mundo de Ana vira de cabeça pra baixo quando ela recebe uma carta de um escritório de advocacia de Londres, solicitando que ela vá até a capital para tratar DO FUTURO DELA. 

Como assim? 

Ela acaba sendo levada até uma mansão, onde se depara com diversos membros da aristocracia inglesa, inclusive com um Duque, que estão reunidos para tratar do testamento do Conde de Riverdale. 

Ana descobre que ela é a filha do falecido Conde, para estarrecimento de todos os quase 15 membros presentes na reunião, entre eles filhos do Conde, a Condessa viúva, o Duque, e outros tantos primos e tias que são seus parentes diretos, mas o choque não termina por aí. 


O advogado que a convocou, informa que a mãe de Ana e o Conde nunca se separaram, e que o segundo casamento dele (com a condessa e que gerou 3 filhos) é ilegítimo. Portanto, Ana Snow, que na verdade se chama Anastácia Riverdale, é a ÚNICA beneficiária do testamento do Conde. 

Com um plot twist desta magnitude logo nos primeiros capítulos, era de se esperar que o livro seria fantástico, correto? 

#SQN


A protagonista feminina, uma pessoa simples e com um caráter muito forte é simplesmente maravilhosa, visto que ea terá agora que tentar encontrar o equilíbrio entre Ana Snow e Anastácia Riverdale, enquanto é ensinada a dançar, como se vestir, quais são as hierarquias das famílias e lidar com diversos parentes que ela nunca imaginou existir tentando controlar a sua vida para coloca-la na Temporada de Casamentos. 


O que peca neste livro é o protagonista masculino (O Duque) que esta o tempo todo entediado. 

Sim, essa é a palavra. A vida é um tédio para ele. Ele é descrito como um homem com traços mais afeminados, que usa um monóculo (tem coisa mais brochante do que isso?) o tempo inteiro para ser ameaçador e uma caixa de rapé (uma droga) para se manter acordado em meio a vida entediante e as pessoas entediantes. 


O primo de Anastácia que acaba ficando com o Título de Conde (já que ela não tem como herdar o titulo) é muito mais interessante do que o Duque. 

Todo aquele entusiasmo inicial que você tem com um plto twist jogado na sua cara e uma protagonista que irá mudar as regras da sociedade é jogado no lixo por você ter que lidar com uma criatura pedante e sem graça, que se acha superior aos outros e que, até tem uma história justificando... a inserção de um elemento de artes marciais que sai da caixinha.... mas nem isso é o suficiente para segurar a leitura. 

A melhor palavra para descrever este livro é DECEPCIONANTE. 


ADQURIA O LIVRO


Comentários via Facebook

0 comentários:

Postar um comentário

Instagram

© Perdida na Biblioteca – Tema desenvolvido com por Iunique - Temas.in