Amante Consagrado

21 agosto 2019






"Para ele, a vida era como uma moeda que tinha desastre de um lado e esperando por desastre do outro."

Chegamos ao livro do irmão gêmeo de Zsadist. O que possuí o voto do celibato. Aquele que eu estava querendo entender, desde Amante Desperto.

Venha, para a resenha do irmão que tem a cabeleira mais invejada (Rsrsrs)!!!!

Phury, para aqueles que vem acompanhando a série, é o que sempre está disposto a se sacrificar. Além de ler mentes e estar sempre com uma palavra certa a ser dita, na verdade, P. está gritando por socorro. Porém, nem mesmo ele percebe.

Amores, este livro inicia com Phury assumindo, o lugar do Vishous, como o Primaz da raça. E ao mesmo tempo, está caminhando " ladeira abaixo e em alta velocidade"- para o abismo.

Por mais, que sempre assuma as responsabilidades. Este, também, abraça a culpa pela a morte dos pais, a culpa pelo sequestro do irmão e a culpa por gostar da esposa do irmão (Sem listar as outras culpas, citadas ao decorrer da leitura).

E é angustiante acompanharmos esse percurso, que P. vive desde o primeiro livro. Então, imaginem no próprio livro, aonde a voz (O mago) - que vive em sua mente, lembrando cada falha, pecado e o que o protagonista acredita ser o culpado.

Sim, é brutal ler este declínio
 e como ele se entrega as drogas.
"(...) Ele nunca tinha visto nenhuma fêmea com um sorriso tão belo, quanto o dela. O que significava que sabia o que Phury queria dizer. Eu amo você, para sempre."
Ao mesmo tempo, começamos a querer que ele perceba a mulher maravilhosa que é a escolhida Cormia.

Se eu já gostava dela, no volume anterior.
Neste ela está sensacional. 

É muito bonito, vê como ela vai estabelecendo um elo com o Primaz e se apaixonando - sem perceber - por ele. Nossa mocinha é tão gentil e com uma personalidade intrigante, que vai nos conquistando e marcando o seu lugar. Com certeza, ela foi o diferencial, neste momento, da vida do Phury.

O interessante, é como no início ele se percebe atraído por ela e ao mesmo tempo prefere abnegar qualquer possível sentimento, por não se sentir digno de tocar nela.
"Pelo amor de Deus, desça da cruz. Outra pessoa deve estar precisando da madeira dela."
Contudo, o que classifiquei como o ponto determinante no processo de cura do P., foi o apoio (do jeito dele) que Z. oferece ao irmão e em como os membros da irmandade, se comportam frente a ele. E explicam o porque de seus atos. Esta estrutura de família, foi um ponto importantíssimo.

Não que eu estivesse "super de boas", lendo em como o P.
 se afundava e os "irmãos" tentando ajudá-lo. Não mesmo!!!
Muitas vezes, quis tacar o livro na parede de ANGÚSTIA.
Mas isso que fez - este livro - ser bom.

Para mim, foi uma cartada de mestre da Ward. Sabem o por quê? Simples, ela mostrou que uma pessoa pode aparentar a plenitude externamente e internamente está gritando por ajuda.

Gostei de como foi desenvolvido e em como não passaram a mão na cabeça dele. O puxaram para a realidade e deram o xeque mate. Muitas palmas, atitude mais que aprovada, das pessoas que o amam. 
"Eu sinto como se estivesse na prateleira. Que eu recebi as palavras da história da minha vida, mas permanece sem ser lido na maior parte do tempo." 
Este exemplar é o marco da nova era para a Irmandade. Pois enquanto, esse drama está sendo desenvolvido ...  Se inicia, o marco da Sociedade Redutora.

SIM! NESSE LIVRO EU QUERIA LER, CADA MOMENTO DA SOCIEDADE!!!! GÊNIAL!!!! Agora há um propósito. Aleluia!!!!Você continua os odiando, mas não são mais massantes.

Outros pontos interessantes:
  • A amizade de Córmia com John;
  • A lealdade de Blay é sensacional;
  • O trio Blay, John e Qhuinn, passam por prova de fogo e saem mais fieis, uns com os outros.
  • A escolhida Layla, ganha mais espaço em meio a irmandade;
  • Cenas que mostram a cultura, criada por Ward;
  • O destino que Phury e Cormia desenvolvem, em relação as 40 escolhidas (que o primaz possui responsabilidade). 
A verdade é:

Acontece tantas coisas, que a percepção ao final é mais satisfatória do que ao decorrer da leitura.

É um livro que veio complementar o fim de um ciclo (junto com o Amante Liberto) e iniciar um novo  mundo.

Logo, ao lermos, muitas partes serão pesadas. Todavia, serão necessárias.

Agora é: Respirar e seguir para o livro de um dos meus personagens preferidos....

Vem, Rehvenge !!!!

Até a próxima leitura!!!!
Escritora: J. R. WARD
Editora: Universo dos Livros
Série: Irmandade da Adaga Negra
Livro: 06
Páginas: 452
Título Original: Lover Enshrined
Ano de Lançamento: 2012
Resumão da série:

A saga nos remete a uma guerra, que ocorre no mundo ( No estilo: "Constantine").
Todavia, essa batalha é entre os seres místicos.
  • De um lado, a Irmandade da Adaga Negra com a mãe "Virgem Escriba"( formada pelos vampiros, que possuem estrutura de guerreiro - no início somente com os genitores escolhidos.);
  • Do outro lado, Os Redutores com o pai "Ômega" ( Seres que, anteriormente, eram humanos com má caráter. E, agora, lutam para exterminar os vampiros).
Não seria como DEUS E O DIABO, pois existe um Deus a cima dessas entidades. Afinal, a Virgem Escriba e o Ômega são irmãos.

Cada volume, tem como foco um vampiro que é envolvido com a Irmandade. Com cenas de lutas, amizade, lealdade e "calientes"( digna de uma estória de vampiros).

A Ordem da série( Não coloquei os pares, para o spoiler não ser demais Rsrsrs):
  • Livro 01 - Amante Sombrio (Wrath);
  • Livro 02 - Amante Eterno (Rhage);
  • Livro 03 - Amante Desperto (Zsadist);
  • Livro 04 - Amante Revelado (Butch);
  • Livro 05 - Amante Liberto (Vishous);
  • Livro 06 - Amante Consagrado (Phury);
  • Livro 07 - Amante Vingado (Rehvenge);
  • Livro 08 - Amante Meu (John Matthew);
  • Livro 09 - Amante Libertada (Payne);
  • Livro 10 - Amante Renascido (Tohrment);
  • Livro 11 - Amante Finalmente (Quinn);
  • Livro 12 - O Rei (Sobre Wrath);
  • Livro 13 - Os Sombras (Trez);
  • Livro 14 - A Besta (Sobre Rhage);
  • Livro 15 - A Escolha (Xcor);
  • Livro 16 - A Ladra (Assail);
  • Livro 17 - Prisioneiro da Noite (Duran).
Obs.: Depois do 12º livro, estarei incluindo a ordem do Spin Off da Saga  - " Legado da Irmandade da Adaga Negra".

Sobre o J. R. Ward

A escritora "Jessica Rowley Pell Bird Blakemore", norte americana, nasceu em , começou a escrever ainda criança , com narrativas curtas. Porém, antes de iniciar a faculdade, escreveu o seu primeiro romance. 

Depois de algum tempo, conquistou duas formações:
  • História e História da Arte - com foco no período Medieval, em Smith College;
  • E em Direito, no Albany Law School.
Todavia, a carreira de escritora, se desenvolveu após o incentivo de seu marido "John Neville Blakemore III". E em 2002, consegue sua primeira publicação com o livro "Leaping Hearts".

Jéssica escreve com dois pseudônimos:
  • Como "Jessica Bird " - Romances Contemporâneos;
  • Como "JR Ward" - Romance Paranormal.
Em 2007 o "The Romance Writers of America" concedeu-lhe o "Prêmio Rita - de Melhor Romance Contemporâneo", pelo romance "From the First" e em 2008 "Prêmio RITA - de Melhor Romance Paranormal" para Amante Revelado. Ela, também, foi a número 2 na lista de best-sellers do New York Times de 2014.

Ficou curioso? Abaixo, está o link para adquirir o exemplar.

COMPRE O LIVRO 

8 comentários:

  1. Olá! Que trama hein!
    Quantas culpas o Phury carrega consigo! Espero que ele possa se libertar de cada uma delas.
    Achei ótimo, e como você disse, uma cartada de mestre, que a autora tenha passado a mensagem de que mesmo que uma pessoa aparente estar bem por fora, por dentro ela pode estar sofrendo. Uma mensagem muito importante, sem dúvidas.
    Que bom que agora as partes da Sociedade Redutora são interessantes e não mais massantes como antes, ainda bem kkkk!
    Quero muito conhecer Cormia e Phury e acompanhar os sentimentos irem nascendo entre eles.
    Obrigada pela indicação! Beijos! ♡

    ResponderExcluir
  2. Oiii ❤ Nossa, quanta culpa Phury carrega! Espero que ele possa entender que não dá pra tudo o que aconteceu de ruim ser culpa dele e que possa se libertar disso tudo. Triste que ele se entrega as drogas e que não se ache digno do amor da mocinha. Mas que bom que começa a se curar com o apoio dos irmãos.
    Estou curiosa sobre o romance desse livro, como o amor vai nascendo entre os personagens. Cormia e Phury parecem um casal com muita química e que, com certeza, quero conhecer.
    Beijos ❤

    ResponderExcluir
  3. Deu pena do personagem Phury.
    Não deve ser fácil passar todo o tempo se culpando por cada problema que ocorreu ao longo da vida.E ainda aparentar calmaria perto de outras pessoas.

    Achei interessante como cada livro da série nos conta uma história totalmente diferente da outra.
    Como cada personagem vive suas lutas,frustrações e desafios de maneira nada parecida.

    Estou adorando acompanhar tudinho. :)

    E que venha o Rehvenge!

    ResponderExcluir
  4. Olá! Estou louca para continuar essa série, só me falta tempo mesmo (risos). É impressionante como a cada livro as histórias ficam ainda melhor e nos prendem de maneira única. Acreditem começar IAN é um caminho sem volta meus caros!!! Eu como gêmea, claro que tenho como preferidos esses dois neh (pelo menos até o próximo livro, deu para perceber que eu sou indecisa).

    ResponderExcluir
  5. Estou gostando de ver como cada personagem nessa série tem um poder diferente e uma personalidade completamente diferente também mas sempre dentro do seu próprio mundo de vampiros transformados. Esse poder do Phury tem tanto um lado bom quanto um lado ruim.
    Estou gostando de ver o crescimento desses personagens. Eles não são vampiros do mal.

    ResponderExcluir
  6. É um livro muito sofrido para ler, carregar todas essas culpas junto com o personagem não foi nada fácil, mas foi lindo ver a união de todos que queriam ajudá-lo e acompanhar toda a mudança que acontece com ele. Adoro a Córmia uma personagem que é um amor de pessoa. O gostoso da série é que sempre aparecem os outros personagens para matar a saudade e que esta sempre acontecendo várias coisas deixando a leitura bem interessante.

    ResponderExcluir
  7. Parece que a Ward tem uma criatividade sem fim dando inicio a um novo marco. É tremendamente ruim ser tomado pela culpa, o Phury deve que sofre muito ainda mais por não se permitir sentir algo pela mocinha. Que bom que o livro resalte que nem tudo é o que parece ser, nunca se sabe pelo que uma pessoa realmente esta passando.

    ResponderExcluir
  8. É tão bom quando uma série nos encanta dessa forma. Assim devoramos os livros sem medo de ser feliz. E legal é já ter todos os volumes e não passar pela ansiedade de esperar os próximos.

    ResponderExcluir